Escolher Entre A Vida E A Morte

Dr. Michael LaitmanRabash, Artigo “A Alma de Israel” (de Dargot HaSulam, Artigo nº 561): Aqueles que preservam uma alma unificada de Israel, ou seja, os que pesam outros na escala de mérito (julgam favoravelmente), mantém suas almas, já que “os ímpios, em suas vidas, são chamados de “mortos”.

Sem uma inclinação para justificar os outros, a pessoa se torna “meio a meio”, semelhante a estar entre a vida e a morte. Se a pessoa é predisposta ao bem, isto significa que cada um pertence à categoria da vida. Assim, as Luzes que a pessoa atrai preenchem toda a sociedade.

Nós estamos no ponto crucial, uma vez que possuímos uma liberdade de escolha que nos permite escolher entre a vida e a morte, ou seja, aspirar ao bem ou ao mal. Se nos unirmos, de acordo com a natureza da propriedade que alcançamos, nós nos tornamos semelhantes à Luz e a Luz começa a fluir através de nós. A Luz nos preenche e através de nós atinge as nações do mundo e as influencia.

Esta é a forma como a nossa sociedade é construída. Ela consiste de duas partes: a Luz atravessa a parte superior, Galgalta ve Eynaim, Israel, e desce para a parte inferior, AHP, as nações do mundo. Isso acontece quando Israel pesa a si mesmo à escala de mérito.

Se Israel não se une, mas se separa, se repele mutuamente, ou rejeita a condição de ser “como um homem com um coração”, a Luz não vai ser capaz de passar por ele. Quando um gargalo de garrafa é bloqueado, a Luz não pode descer do mundo do Infinito a todos os seres criados. Isso significa que Israel pesa o mundo inteiro na escala da culpa (julga desfavoravelmente).

Quer queiramos ou não, pelo fato de sermos o povo de Israel, nós estamos num tubo que canaliza a Luz do Infinito para o mundo, levando, assim, todo o mundo à bondade ou ao sofrimento.

Pergunta: O que devemos fazer para realizar a transição do estado de morte para a vida?

Resposta: Tudo depende da nossa conexão ou desconexão. Nós devemos nos tornar semelhantes à Luz, ou então somos opostos a ela. Na espiritualidade, existe apenas uma lei, a lei da equivalência de forma entre o ser criado e o Criador.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 21/07/14, Escritos do Rabash

Comente