Israel: Esperança De Uma Nova Vida

Dr. Michael LaitmanPergunta: Agora, Israel está sob o fogo de foguetes e todos sentiram o que significa viver em constante tensão e medo, como os moradores do sul do país têm experimentado por mais de dez anos. Durante este tempo, uma geração de crianças cresceu a quem chamamos de a “geração Qassam”.

Esta é uma geração que está acostumada com as constantes sirenes de ataque aéreo e a vida em abrigos. Nós não temos as condições mais básicas necessárias para a vida. Não podemos deixar uma criança ir para um jardim de infância, sem medo – se é que esse jardim de infância funciona.

Nós quase perdemos a esperança de que a nossa vida nunca vai melhorar. Havia tantas tentativas de encontrar uma solução verdadeira e permanente que iria resolver este problema para sempre. No entanto, na melhor das hipóteses, temos uma pausa de alguns meses, e depois tudo volta. Que solução você pode oferecer para dar-nos esperança para uma nova vida?

Resposta: Agora, pela primeira vez na história do moderno Estado de Israel, eu realmente sinto a esperança de mudança. Pela primeira vez, depois de dois mil anos de exílio, finalmente temos esperança.

Nos velhos tempos, era impossível até mesmo pensar na verdadeira missão do povo de Israel, que se destina a levar o mundo inteiro à libertação. No entanto, hoje, esta missão está se tornando mais evidente, e é precisamente a partir desta condição difícil que nossa nação existe no momento.

A história do desenvolvimento humano deve levar todos nós a unidade. Nós, seres humanos, não nos unimos de uma forma natural como faz mundo inanimado, vegetal e animal. Toda a natureza se comporta como um único mecanismo, um sistema integral geral, fechado. Na natureza, tudo está conectado e em harmonia, em equilíbrio, um com o outro.

No entanto, como resultado do seu desenvolvimento, o ser humano tem trazido desequilíbrio a este sistema. Quanto mais a humanidade se desenvolve, maior desequilíbrio ela causa no sistema. Ela mesma está desequilibrada dentro de si por causa de seu enorme egoísmo, o qual afasta as pessoas, despedaça a humanidade e nos separa de toda a natureza.

O ser humano torna-se um organismo tão prejudicial que não reconhece nenhum equilíbrio ou harmonia e desconsidera qualquer coisa, exceto o seu próprio benefício imediato. Eu não posso abandonar o meu egoísmo em prol do próximo momento, até mesmo para mim mesmo. A cada segundo, ele me controla tanto que não consigo pensar em nada a não ser a minha satisfação em cada momento da minha existência.

Se eu puder fazer isso à custa de outra pessoa, é ainda melhor. Se, ao longo do caminho, eu a esmago, eu me sinto muito melhor. Assim, eu me construo sobre a destruição geral.

Assim, nós chegamos à crise geral que o mundo experimenta hoje. É impossível resolver esta crise por qualquer meio, exceto pela realização da missão do povo de Israel.

Esta crise não é apenas em Israel, mas em todo o mundo, a crise de todos, de todo a natureza inanimada, vegetal e animal, na economia, educação e família. Esta é uma crise global, envolvendo todo o mundo e já está levando a uma terceira guerra mundial.

Este é um estado especial que não tem precedentes na história. Nós nunca estivemos tão conectados ao redor do globo, nunca estivemos em tal dependência mútua. Pela primeira vez, nos encontramos completamente confusos, sem qualquer meio de controle sobre nossas vidas. Tudo na vida está fora de nosso controle.

Nós vemos que, entre os líderes, os chefes de governos e grandes organizações, não há ninguém que saiba o que fazer com o mundo. Não existe tal rei ou presidente. É um estado de desespero, causando depressão geral. Para corrigi-lo, nós temos que alcançar o equilíbrio com o regime geral da natureza. Esta é a missão do povo de Israel que lhe é confiada desde os tempos da antiga Babilônia.

Na antiga Babilônia, nós estávamos em tal estado, mas lá éramos um pequeno grupo de três milhões de pessoas que vivendo numa pequena área na região da Mesopotâmia. O nosso egoísmo presunçoso nos fez construir uma torre até o céu. Ninguém queria conhecer o outro, embora antes disso, costumávamos viver em harmonia e compreensão mútua. No entanto, as coisas deram errado.

Depois, um grupo de pessoas liderado por Abraão rompeu com os babilônios. Este grupo não queria prosseguir com o egoísmo, mas procurava o Criador e o amor ao próximo. É por isso que eles se chamavam Israel, que significa “direto ao Criador”.

A Torá fala sobre os estágios que este grupo foi submetido em sua correção: os altos e baixos no que diz respeito à sua relação com o outro. No final, eles vão realizar seus sonhos e alcançar conexão, que é chamado de “a nação de Israel na terra de Israel”.

Enquanto isso, todos os outros babilônios estavam espalhados ao redor do mundo e continuaram a evoluir com o seu egoísmo. Agora, é necessário corrigir toda a humanidade. Assim, Israel deve se tornar uma luz para as nações do mundo. Assim como Abraão já havia ensinado a eles, eles devem agora ensinar toda a humanidade como alcançar o equilíbrio com a natureza e a paz.

Quando nós revelarmos a perfeição geral, vamos subir para uma dimensão completamente diferente. Este é o papel do povo de Israel no mundo. Acontece que, já que nós não percebemos o nosso propósito, não definimos um exemplo para todas as nações do mundo, não lhes damos conhecimento, luz, correção, realização, o sentimento de um mundo redondo, gentil e conectado – vamos sentir seu ódio.

Afinal, todas sentem que devem receber algo bom de Israel, e não obtêm isso. Assim, elas culpam Israel por todos os problemas do mundo. Embora não haja nenhuma evidência para apoiar a nossa conexão com eventos negativos, as nações do mundo intuitivamente percebem que todo o mal do mundo vem de nós, do menor ao maior.

Por um lado, elas sabem que somos pessoas inteligentes, especiais, cheias de força e oportunidades. Por outro lado, nós não lhes trouxemos o que elas precisavam receber de nós. É por isso que elas sentem que somos a causa de todas as suas angústias.

Assim, quando olhamos hoje o Hamas, temos que ver como, aos poucos, o mundo inteiro, sem exceção, está se reunindo por trás dele. Esses grupos, países e organizações que já foram nossos aliados, aos poucos estão nos deixando e mudando para o outro lado, incluindo os judeus que vivem em outros países.

Isso é porque nós estamos nos aproximando de um estado em que todos no mundo estão começando a sentir que Israel é um país perigoso, uma força ruim, porque foi obrigado a fazer o bem para todos, mas não o fez.

Ou seja, nós não estamos lutando com o Hamas e nem mesmo com o mundo. Nós estamos em guerra com um adversário completamente diferente. De fato, o mundo é passivo e está apenas esperando por algo bom de nós.

Como podemos nos livrar de foguetes Qassam e resolver este problema de uma vez por todas? Não há nenhuma solução física. A operação militar que está ocorrendo agora deve mostrar isso muito claramente. Nós estamos contra um inimigo que está disposto a morrer. Ele não se preocupa com as crianças, não se preocupa com a sua própria vida. Ele está pronto para fazer qualquer coisa para nos limpar da face da terra como fonte de mal no mundo, e o mundo inteiro está por trás disso.

Nós somos uma pequena nação contra este inimigo, e, ao mesmo tempo, dividida, fragmentada e separada por disputas. Este é o nosso estado.

Que solução nós esperamos? A solução é simples: temos que dar ao mundo a ideia que Abraão nos trouxe uma vez, ou seja, de conexão, união e que o amor cobre tudo o que acontece no mundo. O amor irá cobrir todos os pecados.

Nós não precisamos lutar contra o egoísmo e o mal, mas precisamos ensinar o mundo inteiro e, sobretudo, a nós mesmos, como estar numa conexão boa e gentil entre nós mesmos. Então, nós temos que trazer tudo o resto a isso para que todos os povos estejam unidos por laços de amor, como é ensinado na Torá, “Ama o teu próximo como a ti mesmo”. Esta é a lei básica de toda a Torá, que explica a estrutura de todo o universo.

Pergunta: Eu não entendi. Eu tenho que amar aqueles que atiram mísseis em mim?

Resposta: Em primeiro lugar, você deve amar todos os judeus, pelo menos dentro dos limites do estado de Israel, como você ama a si mesmo. Você deve se relacionar de forma igual com sua família, seus filhos e o vizinho que mora perto de você.

Quando chegarmos a esse amor entre o povo de Israel, seremos uma Luz para as nações do mundo e seremos capazes de mostrar-lhes um exemplo de que é possível viver em conexão e amor.

Isso é exatamente o que o mundo espera de nós. Todas estas guerras são destinadas apenas a nos obrigar a encontrar a conexão correta entre nós e nos tornar uma Luz para todas as nações, um exemplo correto e bom para toda a humanidade.

Nós temos um método que nos permite realizar isso chamado Cabalá. Ela nos acompanha em ocultação ao longo de nossa jornada, mas é revelada somente hoje para a aplicação deste princípio: “Ama o teu próximo como a ti mesmo”.

De KabTV “Uma Nova Vida” 22/07/14

Comente