Textos arquivados em ''

Russos Não Querem Ser Independentes

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (da Escola Superior de Economia, Moscou): “A análise mostrou que o russo médio, em comparação com pessoas de outros países, demonstra valores mais acentuados de segurança e autoafirmação e valores menos pronunciados de abertura , inovação, criatividade, liberdade e independência, risco, diversão e prazer”.

“O pior são os valores de se preocupar com as pessoas e a natureza. Os russos não são capazes de combinar cuidado e igualdade, cuidado e abertura. A preocupação com os outros, abertura e independência ocupa o último lugar”.

“Os russos tendem a serem conservadores, sonhando ter poder e riqueza; as regras da vida não são importantes para eles. Eles não estão prontos para o conformismo sócio-positivo e a atividade independente. O tipo mais comum de russos é aquele que não tem manifestado certo valor; eles preferem o valor da preservação”.

“Os valores de abertura, independência e cuidar dos outros são de 1% na Rússia”.

“Os russos são líderes na adesão aos valores individualistas, egoístas, que contradizem o estereótipo de que os russos têm um forte senso de coletivismo. O paternalismo é expresso no elevado valor de segurança e no baixo valor de independência. Os valores mostram alta estabilidade e não mudam muito ao longo dos anos. Compromisso com os valores não significa adesão a eles na prática”.

“Trinta por cento apresenta uma tendência a punir o generoso! Se em outros países 20% das pessoas punem os mais gananciosos, na Rússia 15% pune o mais generoso. O motivo é a competitividade, o desejo de vencer, derrotar, ser o primeiro. A sociedade na Rússia tende a consumir, mas não é o desenvolvimento, mas um método de adaptação que não requer esforços”.

Meu Comentário: O estudo é relevante apenas nesta fase do “desenvolvimento” da civilização, e a crise vai continuar a “equalizar” a todos. Agora, o vencedor é aquele que irá basear a correção da sociedade no método da Educação integral e da Sabedoria da Conexão.

Desejo, Luz, Desejo

Dr. Michael LaitmanPergunta: Pode o poder do grupo me ajudar a disseminar e tornar mais fácil para eu explicar nossas ideias às pessoas?

Resposta: Claro, é a força geral que nos afeta, que chamamos de poder do grupo. Mas, na verdade, nós somos aqueles que operam a Luz que opera. Nós usamos o poder do grupo e os amigos, e pelos nossos desejos de se conectar nós atraímos a Luz que começa a operar em nós, e assim temos êxito. Tudo passa pelo Criador, através da força geral.

Eu opero o desejo, o desejo opera a Luz, e a Luz opera o desejo. Portanto, nós temos que agradecer ao Criador depois de cada ação, pois, no final, ele é o único que faz tudo. Mas eu opero o desejo e com isso eu opero Ele para fazê-lo.

Um desejo não pode influenciar um desejo. Mesmo quando dizemos que influenciamos uns aos outros, não é uma influência direta, mas apenas através do Criador, através da Luz. Nós não podemos nos conectar diretamente, e é a Luz que opera na cooperação entre nós em pequenas porções.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 02/05/14, Escritos do Rabash

A Distância Entre A Teoria E A Prática

Dr. Michael LaitmanPergunta: Há amigos que teoricamente compreendem todo o caminho e os requisitos, mas, na prática, com conseguem se anular em relação aos outros. Como devemos atingir a conexão na prática, de modo que não seja apenas da boca para fora?

Resposta: Pode haver um intervalo de 10 a 15 anos entre o momento em que uma pessoa compreende as coisas teoricamente até que ela possa realmente implementar o que entende. Uma pessoa continua a vir às aulas e tem que fazer alguma coisa, mas ela não consegue levar a si mesma ao centro do grupo, participar e incorporar voluntariamente.

Se ela faz isso voluntariamente, isso significa que o desejo preciso de alcançar o Criador já está estabilizado nela em sua forma real, ou seja, a fim de doar, e que ela já sente a conexão correta entre as pessoas.

Uma pessoa pode ouvir e falar palavras bonitas e também pode entender tudo, mas pode demorar mais 15 anos até que ela realmente participe do trabalho de forma voluntária.

Ela não pode fazer nada por si mesma. Ela tenta, mas isso não leva a nada. A Luz Superior ainda tem que trabalhar nela e influenciá-la pouco a pouco.

Se uma pessoa se incorpora no centro do grupo e percebe que este é o lugar onde ela vai encontrar o objetivo da criação, é um grande progresso; todos devem desejar isso.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 02/05/14, Escritos do Rabash

Um Dia Eterno

Dr. Michael LaitmanA Torá, “Levítico” (Tzav), 06:8-9: “E o Senhor falou a Moisés, dizendo: Dá ordem a Aarão e a seus filhos, dizendo: Esta é a lei do holocausto; o holocausto será queimado sobre o altar toda a noite até pela manhã, e o fogo do altar arderá nele”.

Um altar refere-se aos sentimentos e desejos que uma pessoa pode corrigir de ódio em amor. A correção é feita à noite, no escuro, quando a pessoa não vê qualquer benefício próprio, pois, caso contrário, tais ações não seriam a fim de doar, focadas na conexão com os outros.

Por isso, nós trabalhamos no escuro até o amanhecer. Isso significa que não sentimos a Luz, o início de um novo dia, a menos que nossos desejos sejam corrigidos.

O fogo que queima todas as intenções egoístas incorretas deve queimar até a manhã, até que mudemos todos os nossos desejos em altruísmo e comecemos a sentir a Luz Superior chamada manhã, de acordo com a lei da equivalência de forma.

Pergunta: Qual é o significado de “sobre o altar toda a noite até pela manhã, e o fogo do altar arderá nele”?

Resposta: Esse trabalho nunca acaba. O estado mais correto é a sensação do dia e da noite, como está escrito: “Aqui é o dia para você e aqui é a noite também”.

A Torá nos diz que no futuro não haverá noite. Quando todas as nossas intenções egoístas queimarem e apenas os desejos com intenções altruístas a fim de doar restarem, vamos começar a sentir só o dia.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 06/12/13

Por Que O Criador Não Responde Aos Nossos Clamores?

Dr. Michael LaitmanNós não temos outra maneira de nos voltarmos à força superior que retrata toda a criação, toda a realidade para nós, exceto falando com Ele através do centro do grupo. Eu não posso me voltar a Ele por mim mesmo e meu apelo não O alcança. Nós vemos que as pessoas têm clamado ao Criador por muito tempo, orando a Ele, mas não importa o que elas peçam, isso não leva a nada; não há uma única resposta.

O Criador não responde, já que não falamos com Ele corretamente. O Criador é um sistema rígido, fixo, a lei imutável da natureza. É como as leis deste mundo. Todos entendem que podemos chorar e reclamar se caímos do décimo andar, mas essas lágrimas não vão ajudar, pois a pessoa ainda vai cair e bater.

A mesma coisa acontece com o Criador. Nós tentamos atribuir fraquezas humanas a Ele, esperando que Ele nos perdoe, tenha misericórdia de nós, mostre a Sua generosidade, assim como uma pessoa que quer parecer simpática e educada, mas isso não pode ser! O Criador é a lei geral da natureza e a natureza não conhece misericórdia.

Se não soubermos como nos relacionar com a natureza, com o Criador, nada vai nos ajudar; esta é a forma como tem sido até agora. No entanto, a Cabalá nos ensina exatamente como devemos agir. Assim, nós podemos saber como nos conduzir no âmbito dessas leis e como usá-las.

Portanto, vocês não devem sentir pena de si mesmos e dos amigos, mas devem compreender que nós pretendemos manter a lei geral e usá-la corretamente. Mas para fazer isso, nós temos que nos adaptar a esta lei em primeiro lugar. Não importa se queremos ou não, nós ainda vamos ser dobrados de forma que vamos querer.

Da Convenção na França, “Um por Todos e Todos por Um”, Dia Dois 10/05/14, Lição 3

Pioneiros do Movimento Integral

Dr. Michael LaitmanPergunta: Como alguém mantém a unidade num grupo, se estamos longe um do outro, espalhados por todo o país?

Resposta: Agora, nós estamos num período de transição, numa fase de construção do nosso sistema, e ainda não sabemos como organizá-lo corretamente. Não existem paralelos históricos para isso; junto com vocês, nós somos os primeiros, os pioneiros.

Cada vez que uma nova possibilidade é descoberta, nós a agarramos e realizamos. Mas ninguém sabe o que vai acontecer amanhã, porque nós dependemos de dezenas de milhares de nossos amigos, cada um dos quais tem livre arbítrio.

Enquanto nós estamos todos ligados uns com os outros, cada um tem livre arbítrio, e desta forma, nos tornamos um sistema tão complicado e complexo que é impossível prever como ele vai se comportar amanhã.

Eu sei como avançar corretamente, quais princípios devem ser mantidos e também espero entender o que deve ser feito em cada momento que surge. Mas todas as fases pelas quais passamos são completamente novas, e eu mesmo não passei por elas. Eu passei por estágios no meu próprio caminho espiritual pessoal, mas não através do caminho de um grupo integral, ou da humanidade, ou de uma mini-humanidade, esta sendo o nosso grupo.

Portanto, eu não sei como construir um grupo como este, onde todos os seus membros estão espalhados por uma grande área, como na França, por exemplo. É necessário tentar fazer isso de acordo com a atual tecnologia existente. Uma vez por mês, ou uma vez a cada dois meses, vale a pena se reunir num único lugar, e todo o resto do tempo estar em contato uns com os outros.

É necessário trabalhar em conjunto em algum projeto que nos conecte e construa nosso relacionamento. Certamente há uma diferença se estamos numa conexão física ou não. Não é por acaso que estamos vivendo neste mundo de corpos físicos. A conexão entre os organismos é a base para o nascimento de uma nova vida. Assim, quando nos reunimos em Convenções, uma conexão é criada entre nós que é usada como base para o desenvolvimento espiritual.

Mas, depois da reunião, cada um pode organizar parte do nosso trabalho geral para si mesmo no lugar onde se encontra e seguir em frente. Nós precisamos construir um grupo e avançar assim. Eu estou certo de que com o tempo oportunidades adicionais serão reveladas a nós. Se superarmos a distância física, vamos nos beneficiar muito e começar imediatamente a sentir uma conexão espiritual entre nós. Basta se relacionar com isso com seriedade plena.

Nesse meio tempo, eu não posso dizer mais do que isso. Eu vou ficar feliz em passar por todas as etapas deste caminho com vocês, mas nenhuma pessoa no mundo já experimentou isso. Mesmo que o Rabi Shimon, autor do Livro do Zohar, ou o Baal HaSulam estivessem no meu lugar, eles também não saberiam disso. O que não foi revelado de forma prática no nível mais baixo, ninguém pode saber, uma vez que isso depende do livre arbítrio das pessoas.

Da Convenção na França, “Um por Todos e Todos por Um”, Dia Um 09/05/14, Lição 1

Deveres Fazem Parte Do Nosso Trabalho Espiritual

Dr. Michael LaitmanPergunta: Como podemos aumentar a importância dos deveres para que os amigos do grupo entendam que isso faz parte do trabalho espiritual?

Resposta: A pessoa entende a importância do grupo e as estruturas rígidas em que ela se encontra de acordo com o seu nível espiritual.

Estas estruturas determinam se ela vai seguir o caminho do sofrimento, juntamente com todo o mundo, ou o caminho curto e confortável. Se eu entendo que isso me dá uma oportunidade única que pode desaparecer a qualquer momento, então eu preciso extrair o melhor de cada momento em que tenho essa oportunidade.

É como uma pessoa que está debaixo da água e finalmente consegue subir à superfície e respirar. Eu também tenho que aproveitar todas as oportunidades, me apressar, e participar na construção de uma estrutura para mim. Assim, eu crio as condições de vida dentro do aquário ou da estufa onde eu possa crescer.

Assim, o dever é puramente trabalhar na minha conexão com o grupo. Nós já sabemos que o nosso avanço depende apenas da nossa conexão com o grupo. Isso significa que não temos nada com que se preocupar, exceto com a nossa conexão com o grupo que está intimamente disponível.

Então nós descobrimos a garantia mútua, o Criador, a oração, MAN, no centro do grupo. Mas primeiro nós temos que estabelecer a estrutura do grupo. A estrutura do grupo é, antes de tudo participar das tarefas e das diferentes atividades que dão suporte ao grupo.

Portanto, quem faz pouco caso dos deveres simplesmente perde. O grupo vai existir sem ele, mas ele não será capaz de existir sem o grupo. Se ele quer descobrir a espiritualidade, então ele não tem escolha a não ser se apressar, se incorporar no grupo, e participar de tudo o que for possível a fim de avança-lo em direção à unidade.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 02/05/14, Escritos do Rabash

Uma Patente Divina

Dr. Michael LaitmanNós devemos tentar explicar às pessoas a opção de corrigir-se num bom caminho, pois, caso contrário elas vão perceber a necessidade de mudança por um tremendo sofrimento. Os profetas já falaram sobre as coisas terríveis que podem acontecer com a humanidade se nós continuarmos avançando pela força da pressão.

Um profeta vê a evolução natural de todos os níveis sem a participação do homem. Mas as pessoas podem adoçar suas previsões e limitá-las a fim de que as coisas pareçam totalmente diferente.

Um profeta vê e descreve com precisão as leis da natureza. A lei é sempre a adaptação de duas forças opostas em todos os níveis. Isso é tudo o que existe na natureza: um mais (positivo), um menos (negativo), e alguma adaptação entre eles.

A adaptação é diferente em todos os níveis e pode ser química, física, biológica, psicológica, etc. Mas, há sempre duas forças opostas entre elas e qualquer fórmula: de Newton ou Einstein, ou qualquer interação química, não importa. É tudo a mesma coisa; tudo se refere apenas à interação entre opostos.

Como nós podemos mostrar às pessoas que estamos avançando em direção a esses opostos, que devem ser corrigidos com antecedência, e se não os corrigirmos, devemos pelo menos neutralizá-los?

A nossa correção ocorre em duas fases. Primeiro nós temos que remover o ódio mútuo, ou seja, isolar as duas forças opostas, de modo que elas não sejam capazes de se aproximar uma da outra. Depois, nós temos que usar corretamente as duas forças para que elas realmente girem o motor que gera energia positiva.

Ao mesmo tempo, a primeira parte remove a energia negativa da conexão errada entre nós, o que é chamado de “não faça aos seus amigos o que é odioso para você”. Então nós nos tornamos neutros.

Na segunda fase, nós usamos duas forças opostas, como amor e ódio, ao conectar as duas forças Divinas, colocando um mecanismo (carga) útil entre elas. Esta carga útil é a nossa conexão, a nossa unidade.

Em outras palavras, através da conexão nós realmente nos tornamos a carga de nós mesmos, e, assim, as forças começam a iluminar dentro de nós, gerando a Luz como uma lâmpada. Este é o estado do futuro mundo superior.

Tudo é muito simples. Imagine pessoas com atributos opostos voando em direção ao outro prestes a colidir, uma explosão, um assassinato ou uma guerra estão prestes a acontecer. Mas, no mesmo instante, uma desaceleração começa de acordo com a lei de “não faça aos seus amigos o que é odioso para você”. Quando a velocidade diminui, elas começam a se conectar de acordo com a lei do “ama teu amigo como a ti mesmo”. No final, em vez de colisões e guerras, de repente há amor, afeição, amizade, justiça e concordância.

Essa é a razão pela qual a expectativa da humanidade, o anseio pela conexão correta, é entre dois personagens opostos chamados de Tabernáculo.

A grandeza de nossos antepassados ​​está no fato de que eles descobriram estas leis e as passaram para nós com infinito cuidado por toda a humanidade, de modo que sejamos capazes de usá-las e avançar ao longo do bom caminho.

De KabTV ” Segredos do Livro Eterno” 06/12/13