Os Marcos Da Providência

Dr. Michael LaitmanOpinião (de Russian Bazaar): “Este fenômeno impressionante foi observado há muito tempo: nações envelhecidas e que estão morrendo são hostis com os judeus, mas os países que estão crescendo dão boas-vindas aos Judeus. Alguns explicam este padrão racionalmente: bancos judaicos e o capital são um poderoso catalisador do progresso econômico e intelectual, outros pela providência Divina e pelas leis mais elevadas da metafísica.

“De qualquer maneira, este padrão continua ao longo de séculos, se repetindo uma e outra vez.

“Os grandes conquistadores da antiguidade, Alexandre, o Grande e Júlio Cesar, não guardaram segredo de sua simpatia pelos judeus e contribuíram para sua prosperidade. Gananciosos e arrogantes Selêucidas gregos, levaram seu império ao desmoronamento, perseguindo e arruinando os judeus e provocaram a revolta dos Macabeus.

“A derrota das revoltas judaicas no início do primeiro milênio coincidiu com o início do declínio do Império Romano.

“O triunfo da Espanha Cristã aconteceu junto com o apogeu do desenvolvimento da comunidade judaica, e após a expulsão dos judeus, a Espanha deixa de ser uma grande potência.

“A ascensão da Grã-Bretanha começa com o convite de Cromwell aos judeus; o reino transforma-se em um país líder na Europa e a Senhora dos Mares. A traição de Londres aos judeus antes da Segunda Guerra Mundial marca o início do colapso do império.

“Ao convidar os judeus, o rei polonês Casimir fortaleceu seu estado, transformando-o num dos mais fortes na Europa. A política de perseguição aos judeus trouxe anarquia e fim ao Estado.

“A Rússia demonstra plenamente este paradigma: o envolvimento dos judeus na vida pública e a rejeição do antissemitismo conduziu o país à prosperidade, e depois, ataques a judeus e discriminação levam ao declínio e desintegração do país.

“Hoje, a Europa Ocidental é uma civilizaão agonizante e degradada. A taxa de fecundidade é de 1,5, com um mínimo de 2,1 filhos por mulher. Jovens educados e ambiciosos deixam a Europa para os EUA, Canadá, Austrália; em 2013, 300.000 pessoas, graduados em universidades de prestígio, jovens profissionais e empreendedores deixaram a França. Especialistas da Espanha foram trabalhar na América Latina, na Polónia e mesmo no Marrocos. A crise econômica atingiu o Velho Mundo, e está em ‘queda livre’.

“A economia alemã repousa sobre uma forte base industrial do século passado e da reputação das mercadorias alemãs. Sua alta tecnologia está por trás dos Estados Unidos, do Extremo Oriente e de Israel. A Itália é um país falido.

“Quase todos os países da Europa Ocidental vivem de crédito. A Europa Ocidental ainda é dominada pelas ideologias extremistas de esquerda.

“A Europa está voltando para os estados feudais – Catalunha na Espanha, Escócia na Grã-Bretanha; a Bélgica irá dividir o rico Flandres e a estagnada Valônia. Na Suíça, há receio de que os separatistas da Borgonha queiram tomar posse da riqueza da Suíça, para ocupar Genebra e Lausanne. Sentimentos separatistas estão se formando na Bretanha Francesa.

“Esta é a Europa Ocidental de hoje, degradada, patética, desprovida de valores e mesmo de um instinto de autopreservação, um lugar aonde professores esquerdistas, intelectuais e estudantes vão lado a lado com os imigrantes do Magrebe e Paquistão para apoiar os ‘direitos do povo palestino’, boicote e colapso dos seus próprios estados”.

“Então, paradoxalmente, os moribundos e cansados da história da Europa se unem com seus futuros conquistadores contra os judeus, exigindo sanções e boicote do estado, que também é uma parte da civilização europeia. Assim, de acordo com as leis imutáveis da metafísica, ela assina sua própria sentença de morte.

“Os EUA, Canadá, Austrália apoiam Israel e procuram desenvolver a cooperação com ele. Apesar das divergências políticas com a administração atual, a campanha de boicote não tem raízes nos Estados Unidos, e está aumentando o número de americanos simpáticos a Israel. Importantes mpresas americanas e a Intel escolherem Israel como o principal centro do programa «Investigação e desenvolvimento experimental» (R & D). Os EUA são responsáveis por cerca de 40% das exportações de Israel (a Alemanha apenas 7%). Alguns desses números são suficientes para dissipar os receios de uma catástrofe no caso de um boicote.

“Outra tendência são os países do terceiro mundo – os gigantes econômicos do Extremo Oriente, Índia, América Latina. Aqui as pessoas são indiferentes ao ‘problema palestino’, mas muito interessadas na tecnologia israelita e na cooperação com Israel.

“Israel sempre foi culturalmente orientado para a Europa e moralmente dependente do Velho Mundo, seja qual for a pobre condição em que esta esteja. A opinião dos europeus ainda significa muito para os israelitas, e dependência e preferências culturais são difíceis de superar.

“Israel terá de se consolar com o fato de que tem aprovação da Europa Oriental. Na República Tcheca, Polônia, Eslováquia, Bulgária e Estados Bálticos, Israel mantém a imagem de um país forte e corajoso, resistindo aos vizinhos regimes autoritários.

“Israel não pode ser ameaçado pelo boicote e isolamento – tem bastante amigos e parceiros. Ele só precisa ser capaz de vê-los, em vez de depender de uma civilização hostil, em ruínas, esquecendo a sua história e amarga experiência”.

Meu Comentário: O mundo ainda tem que revelar a verdadeira imagem do desenvolvimento da civilização da Terra que os Judeus atravessam visivelmente e em ocultação (as dez tribos perdidas, etc.), e que agora está chegando à sua conclusão lógica: a implantação do método de unificação global, a ascensão ao próximo nível, a entrada para uma nova realidade.

Um Comentário

  1. Bonito e profundo este texto.

Comente