Inversões

Dr. Michael LaitmanSe eu anseio pela fé acima da razão, faço esforços para me aproximar de outras pessoas e peço ajuda do Alto para fazê-lo, eu recebo o endurecimento do coração a cada vez. O exílio e a redenção chegam alternadamente. Exílio é uma descida e redenção é uma subida, por isso estou constantemente num estado de subida ou de descida.

Os Cabalistas explicam que tanto as subidas como as descidas nos ajudam a avançar, como é dito: “A Torá sairá de Sião (decorrente da raiz “saídas, descidas”)”. Redenção significa que eu me aderi a outra pessoa com todo o meu coração, pronto para me conectar a ela. E é tudo acima da repulsa e do ódio; eu não tento apagar nada, mas avanço ao longo da linha média.

Quando eu consigo chegar a uma determinada conexão, eu sinto imediatamente o frio arrepiante na nossa relação com qualquer pessoa ou grupo, e eles se tornam indiferentes a mim. Mas eu devo entender que essa indiferença e o endurecimento do coração já pertencem ao próximo nível.

A fé e a inclinação a se conectar, que eu tinha anteriormente, transformam-se numa inclinação para se separar. Então, eu tenho que trabalhar para voltar à conexão novamente com a ajuda do grupo, com o seu apoio e garantia mútua e a Luz que Reforma, mas mais tarde eu vou esfriar novamente.

Nós sabemos que na descida de cima para baixo Malchut do Partzuf superior se torna Keter do Partzuf inferior. Assim, no momento que eu subo, eu atinjo minha Keter, que é a doação máxima que eu só posso imaginar e querer, e ela imediatamente se torna Malchut da recepção egoísta superior. A subida ocorre de acordo com este princípio.

Nós só podemos explicar isso a partir da perspectiva das Reshimot (reminiscências): se houver Reshimot de Aviut (espessura) da fase da raiz e Reshimot de Hitlabshut (vestimenta) no próximo nível, no próximo nível já é a fase um e dois e no nível superior é a fase dois e três. Assim, há uma inversão constante: exílio e redenção, exílio e redenção, como inversões, na medida em que um se desenvolve às custas do outro.

O principal é não ficar impressionado com as descidas e subidas, mas ficar constantemente impressionado com o ritmo das mudanças. Quanto mais mudanças houver melhor! Israel são aqueles que apressam o tempo, que santificam tempo. O tempo, ou seja, o ritmo do avanço, é a principal coisa para Israel.

Nós não precisamos prestar atenção às mudanças que passamos. Nós não precisamos mergulhar num estado e afundar nele. Pelo contrário, o principal é passar por tantas mudanças quanto possível.

Da Preparação para a Lição Diária de Cabalá 25/03/14

Comente