Dança Diante Da Noiva

Dr. Michael LaitmanDo artigo do Rabash: “A Importância do Noivo”: Os sábios falaram sobre “dançar diante da noiva”, mas eles nunca mencionaram “dançar diante do noivo”. Sobre a refeição do casamento, diz-se: “Aqueles que apreciam a refeição do Noivo…”O noivo está para a Torá, ea noiva para a fé, ea fé deve estar acima da razão.

A razão não pode tolerar constantes subidas e quedas que são chamadas de “uma dança” como os pés que sobem e descem durante uma dança. Levantar os pés (“raglaim” vem de “meraglim” – espiões) significa “fé acima da razão”, tirar os pés do chão (desejo).

No entanto, a pessoa nem sempre tem a força para ir acima da razão; por isso, ela coloca os pés de volta no chão. Este processo é chamado de dançardiante da noiva.

A Luz Superior nunca muda; ela constantemente se mantém num estado de repouso absoluto. Ela é a fonte do bem absoluto e completo que nunca muda. Todas as mudanças ocorrem apenas no homem. Se a pessoa está empenhada em trabalhar para o Criador, ou seja, quer chegar a um estado semelhante ao Criador (doação e amor), então ela deve trabalhar para o “noivo” e a “noiva”, e transformar-se numa noiva digna do noivo.

Nós devemos sempre dizer que a noiva é bonita e virtuosa, independentemente de como ela realmente parece: às vezes ela é muito bonita, às vezes não, não importando se ela estimula o desejo de trabalhar num homem ou não. Essas mudanças não podem acontecer acidentalmente; é assim que as Reshimot (genes espirituais) se manifestam e nos fazem passar por vários estados.

Somente as mudanças que estão relacionadas com o Criador devem ser levadas em consideração. Nós temos que basear o nosso trabalho apenas nestas questões, até que sintamos que não há outro além do Criador, que é bom e faz o bem.

O nosso vaso é chamado de “a noiva”, Malchut, um desejo de receber prazer de muda constantemente. Nosso trabalho é agir acima de todas as alterações possíveis para que nós recebamos um estado onde não exista nenhuma mudança. Ao ficar dentro do desejo de receber, independentemente de quaisquer mudanças que ocorram nele, vamos construir um vaso acima do desejo de receber, que também está passando por constantes alterações, mas de uma forma que é oposta ao desejo de ser satisfeito.

Quanto maior “o menos” (negativo) em nosso desejo de receber, maior “o mais” (positivo) que podemos alcançar no vaso que é criado acima do desejo de receber prazer. É assim que nós “dançamos”. Nós estamos felizes em dançar, uma vez que este trabalho se transforma numa aventura muito emocionante para nós.

Impressões que acontecem em nosso desejo de receber não corrigido servem apenas a um único propósito: nós começamos a apreciar a chance de superar o nosso desejo egoísta. Isso é chamado de “dança diante da noiva”.

Quando nós terminamos este trabalho, somos tratados com a “refeição do noivo”. O noivo representa a Torá que nos é dada como um presente. Compreende-se que a pessoa não merece tal presente grande e santo, mas devido ao trabalho que concluiu, ela se torna preparada para se aderir e fundir com o noivo. Ela já construiu uma base para isso.

Quando a pessoa chega a um estado que lhe permite ver a sua noiva, que às vezes é bonita e às vezes feia, como perfeita e justa, ela se torna sua verdadeira noiva. “Beleza” denota a Luz de Hochma, enquanto “piedade” representa a Luz de Hassadim. Em outras palavras, a Luz de Hochma está pronta para se vestir na Luz de Hassadim. É assim que uma pessoa corrige seu vaso e chega à refeição do noivo.

Da Preparação para a Lição Diária de Cabalá 12/03/14

Comente