Ascensão E Queda Da Democracia

Dr. Michael LaitmanOpinião (Ivan Krastev, presidente do Centro de Estratégias Liberais em Sofia, membro permanente do Instituto de Ciências Humanas IWM em Viena, autor de Em Desconfiança Nós Confiamos: Pode a Democracia Sobreviver Quando Não Confiamos em Nossos Líderes?): “O paradoxo do mundo moderno é que a democratização da sociedade tem, ironicamente, levado à perda do poder dos eleitores  e o aumento da desigualdade social, embora a globalização libertou as elites, mas privou-as de legitimidade e capacidade de governar.

“Hoje os governos eleitos governam a maioria dos países do mundo. …O ideal democrático reina inconteste e a vontade do povo expressada em eleições livres e justas é aceita como a única fonte real de poder legítimo. No século XXI a democracia tem renunciado a maioria de seus críticos, mas, infelizmente, nenhuma das suas contradições internas.

“O ideal democrático reina inconteste e a vontade do povo expressa em eleições livres e justas é aceita como sendo a única fonte real de poder legítimo. …A democracia e a boa governança podem coexistir apenas sob um regime de sufrágio limitado. Na sua opinião, o verdadeiro soberano não é o povo, mas a razão. Assim, a votação deve ser discutida em termos de capacidades, em vez de direitos. No século XIX, a capacidade era traduzida como propriedade ou educação; apenas àqueles com direito a educação ou propriedade suficiente poderia ser confiado o poder de voto. …

“Embora todos nós concordemos que a democracia significa que devemos ser capazes de influenciar as decisões que nos afetam, na realidade, este não é o caso. Nós somos frequentemente consumidores de decisões tomadas pelos governos que não elegemos. Num mundo globalizado nós dependemos mais do que nunca das decisões dos outros, aqueles que nunca foram e nunca serão parte da nossa comunidade. Portanto, há um impulso natural para certificar-se de que esses outros não fazem as escolhas erradas. Verdade seja dita, a democracia nunca foi tão grande em impedir as pessoas de cometer erros. …

“Portanto, em vez de escolher entre democracia soberana, democracia globalizada, ou globalização-autoritarismo amigável, as elites políticas tentam redefinir a democracia e a soberania, a fim de tornar possível o impossível. O resultado são democracias sem escolhas, soberania sem significado, e globalização sem legitimidade. …

“Enquanto a democracia trata os indivíduos como iguais (cada adulto tem um voto igual), a livre iniciativa capacita os indivíduos com base em quanto valor econômico eles criam e quanta propriedade possuem. …Os eleitores podem decidir quem vai estar no governo – seus votos ainda “escolhem” o partido vencedor, enquanto os mercados decidem qual será a política econômica do governo, independentemente de quem vencer as eleições. …

“O problema é que essa disseminação incontrolável da democracia tem destruído as fronteiras entre as diferentes esferas da atividade humana – aquelas que devem ser executadas pelo voto e as que devem ser executadas por competência profissional – e ao mesmo tempo re-legitimizado as populares instituições democráticas eleitas. …

“As consequências lógicas de tais atitudes são, por um lado, a tendência secular de declínio da participação eleitoral na maioria das democracias ocidentais, e por outro lado, a tendência onde as pessoas menos propensas a votar são as pobres, desempregadas e jovens, enfim, as que, em teoria, deveriam ser as mais interessadas em usar o sistema político para mudar a sua sorte.

“Portanto, o resultado paradoxal da expansão do princípio democrático de autogoverno fora do âmbito político é que agora que nós votamos em tudo, o poder político do eleitor diminuiu. …

“Nos dias das democracias nacionais, o cidadão eleitor era poderoso porque era ao mesmo tempo um cidadão-soldado, cidadão-trabalhador e cidadão-consumidor. O cidadão-soldado era importante porque a defesa do país dependia de sua coragem de defender contra os inimigos. O cidadão-trabalhador era importante porque seu trabalho era tornar o país rico. E o cidadão-consumidor importava porque seu consumo estava dirigindo a economia. Mas quando drones e exércitos profissionais substituem o cidadão-soldado, um dos principais motivos de interesse da elite em bem-estar público é substancialmente enfraquecido. A inundação do mercado de trabalho por imigrantes de baixo custo, bem como a produção terceirizada também reduziram a disposição das elites de levar em conta os interesses e opiniões dos cidadãos. O fato de que ao longo da recente crise econômica tornou-se evidente que o desempenho do mercado de ações dos EUA já não dependia do poder do consumidor dos norte-americanos é mais um argumento porque os cidadãos estão perdendo a sua influência sobre os grupos dominantes. É o declínio da influência do cidadão-soldado, do cidadão-consumidor e do cidadão-trabalhador, que explica a perda de poder dos eleitores, mas também a crescente ingovernabilidade das democracias modernas”.

Meu Comentário: Hoje, a participação popular significa milhares de manifestantes nas ruas que rejeitam as decisões do governo. No futuro, a qualidade de governar será determinada pela oportunidade de transformar os movimentos de protesto em coerentes demandas positivas e força política estruturada. Isso será possível através da implantação da educação integral às massas. Neste caso, eles serão capazes de perceber as mudanças que devem ser feitas na sociedade.

Comente