Um Pouco Do Diabo Em Nós

Dr. Michael LaitmanPergunta: Nós estamos jogando com o amor. Mas isso é um jogo?

Resposta: Na verdade, nós não queremos jogar, mas realmente sentir uma sensação como essa.

O amor é um sentimento de integração mútua, onde eu tomo seus desejos e concordo em satisfazê-los e você pega os meus e concorda em satisfazê-los.

Nós precisamos entender que a nossa alma está nos outros, e, portanto, esse amor é essencialmente egoísta em relação ao seu verdadeiro eu, mas não em relação a quem você agora se parece como você.

Comentário: Suponha que eu esteja pronto para me anular em relação aos outros, mas esse “fulano” que fica dentro de mim segue junto com tudo e eu não posso fazer nada com ele.

Resposta: É muito bom que você sinta isso.

Comentário: Mas isso é algum tipo de oposição e eu preciso apagar o “fulano”.

Resposta: De maneira nenhuma! Nós temos que viver com essa oposição! Nós precisamos adorá-la!

Se a escuridão e a luz não fossem simultâneas, então não atingiríamos nada. O Kli é oposto à Luz e nós precisamos integrá-los com a ajuda da Masach. É uma terrível inversão, um contraste, não como em nosso mundo, mas entre o ódio completo e o amor completo. Não podemos sequer imaginar que oposições terríveis nós subimos até o ápice no mundo do Infinito.

E este pequeno “fulano” vai se transformar num gigantesco King Kong, mas em essência ele é completamente igual ao Criador, só que é Sua parte de trás.

E nós temos que estar entre os dois, porque você não pertence às características do Criador; você não é o Criador, e não quer pertencer ao objeto que é Seu oposto, o ego. Nisso você constrói a si mesmo entre eles, se encontra simultaneamente com duas características e sobe a um nível tal que se transforma, se torna aparentemente mais elevado do que o Criador, já você O alcança dentro da escuridão.

Pergunta: Suponha que existam pessoas completamente neutras no grupo, e eu não reajo a elas. E há aquelas que provocam uma reação intensa dentro de mim, eu simplesmente fervo. Em que caso isso é bom?

Resposta: Nenhum de nós é como o outro. Todo mundo tem diferentes pensamentos e sentimentos. Por isso, é necessário tolerar todos. Se uma pessoa não é contra o grupo, se ela concorda com nossas regras gerais, tenta segui-las, mas vai para o lado oposto o tempo todo, então é necessário tratá-la bem. Isto é porque ela não está intencionalmente tentando machucar o grupo. Não é de uma má intenção, e devemos tolerá-la.

Da Semana Mundial do Zohar “Convenção de Educação Integral”, Dia Três, 04/02/14, Workshop 5

Comente