A Economia Está Pior Do Que Em 2008

Dr. Michael LaitmanOpinião (FF Wiley, Cyniconomics blog): “As guerras e os sistemas políticos são os dois determinantes mais básicos da trajetória de longo prazo de uma economia.

“Os gastos militares requerem uma avaliação diferente porque eles têm êxito ou falham baseados em se as guerras são ganhas ou perdidas… De qualquer forma, os gastos militares não são o nosso foco aqui.

“Há 11 países na nossa análise, escolhidos de acordo com uma regra que usei no passado – o PIB deve ser tão grande quanto o da Holanda. Nós começamos em 1816 por quatro dos 11 (EUA, Reino Unido, França e Holanda). Outros são adicionados em datas posteriores, dependendo principalmente da disponibilidade de dados.

“Não só o orçamento global não relacionado com a defesa caiu para níveis nunca antes vistos, mas está caindo ao longo de uma linha de tendência que não mostra sinais de achatamento. A linha de tendência leva ao desastre fiscal. Ela sugere que nós nunca estivemos numa situação comparável à de hoje. Essencialmente, os países desenvolvidos do mundo estão novamente seguindo o mesmo caminho que não deu certo em nações cronicamente insolventes do mundo em desenvolvimento.

“Em grande parte do mundo, a Grande Depressão provocou uma expansão gradual do papel do Estado. Os funcionários públicos não conseguiram estabelecer uma estrutura sustentável para suas redes de segurança social e fugiram com isso em parte ao varrer os verdadeiros custos de seus programas para debaixo do tapete.

“Os banqueiros centrais suprimiram os mecanismos normais (e saudáveis) de mercado que forçam a responsabilidade, cortando as taxas de juros e comprando a dívida pública. Reguladores afastaram os mercados ainda mais da equação ao gratificar bancos privados por emprestar aos governos, enquanto os políticos e banqueiros centrais subscreveram efetivamente os riscos dos banqueiros privados.

“As políticas monetárias também incentivaram um perigoso crescimento do crédito privado e outros excessos financeiros, resultando em recuos destruidores do orçamento, como estagflação e crises bancárias.

“Decisões orçamentárias foram feitas sem levar em conta a inevitabilidade destes contratempos, porque os economistas, empunhando enorme influência sobre o processo orçamentário, assumiram uma utopia ingênua de expansão econômica sem fim.

“Pelo lado positivo, um desastre fiscal deve ajudar a desencadear as mudanças necessárias”.

Meu Comentário: Ou isso pode acontecer ao se perceber a necessidade de uma reestruturação fundamental de toda a sociedade, a sua reeducação. E ela vai levar à reestruturação de toda a vida: econômica, política, social, familiar, e assim por diante. Em nosso mundo, não há outro meio de mudar a nossa vida e evitar desastres, exceto transformando o próprio ser humano.

Comente