Velocidade E Aceleração

Dr. Michael LaitmanPergunta: O que é a velocidade e a aceleração na espiritualidade e como podemos usar isso?

Resposta: A ideia é que a natureza nos empurra para o desenvolvimento por meio do sofrimento, ou seja, através de um sentimento de falta de satisfação no estado atual e a possibilidade de realização no próximo estado. Estas são as forças da evolução: a força negativa por trás e a força positiva pela frente.

Quanto mais avançamos, mais forças negativas são reunidas por trás e menos forças positivas nos atraem pela frente. Nós vemos que já que avançamos de acordo com a nossa natureza egoísta, muito pouco é iluminado para nós na frente. Por isso, o mundo está num estado de apatia e depressão.

E aqui nós estamos chegando a uma situação em que temos que explicar às pessoas que todas as forças negativas não estão nos conduzindo para que possamos fugir delas, e para que possamos entender a nova forma do nosso desenvolvimento, ou seja, para mudar a intenção, a relação com o outro, com o mundo, e, desta forma, com o Criador.

A principal coisa é a intenção. Os desejos são determinados, surgem e são realizados apenas na medida em que é possível satisfazê-los com a intenção correta.

Em nosso mundo, a velocidade de avanço é determinada por nós por trás, na medida em que ela se move e nos empurra pela frente através da influência negativa e que avançamos a uma velocidade constante.

Estudar a Cabalá possibilita que nós realizemos uma aceleração ou contração do tempo, que é a mesma coisa, com a ajuda de três componentes: o grupo, o estudo e a disseminação.

A velocidade é o parâmetro que não depende de nós; a natureza nos move em direção à meta. Por outro lado, a aceleração depende de nós.

Velocidade não é uma contração de tempo. Sabe-se que a forma de correção leva 6.000 anos, desde a primeira correção que foi feita por Adam 5780 anos atrás até a última correção que vamos alcançar em mais 220 anos, quer queiramos ou não. Este é o chamado caminho da velocidade.

Mas, ao mesmo tempo, existe a possibilidade da aceleração. Na medida em que nós aceleramos o nosso caminho, nós o transformamos qualitativamente, porque nós mesmos queremos isso.

Por exemplo, há uma diferença entre uma criança pequena que precisa aprender e está constantemente sob pressão, e uma criança que está interessada em tudo e estuda com sucesso. Ela pode acabar rapidamente as lições na escola e sente que está neste processo como se estivesse num jogo fácil e bom. O mesmo ocorre conosco, também.

Se nós escolhemos um grupo e dentro dele, como em um mundo pequeno, em uma pequena sociedade, criamos todas as condições que nos avançam para frente, assim vamos atingir a meta muito mais rapidamente do que sob o rolo compressor e a pressão da natureza.

Da Convenção Virtual em Moscou “Unidade Sem Limites” 14/12/13, Lição 2

Comente