Na Entrada Do Túnel

Dr. Michael LaitmanO avanço através da “aceleração do tempo” (Achishena) só é possível se você anda como um velho curvado, que está à procura de algo aparentemente perdido. Então, quando você revela o mal, o bem é revelado imediatamente em oposição a ele, porque você já procurava falhas enquanto estava no bom estado.

Tudo depende da tendência do avanço. Se eu vejo uma mesa posta diante de mim, eu me preocupo com um bom apetite para desfrutar as refeições, ou seja, eu procuro uma deficiência.

Se tivermos bastante influência do ambiente, então não importa o que acontece conosco. Estes dias estamos seriamente envolvidos no esclarecimento sobre o que significa a garantia mútua, e é claro que de acordo com isso nós experimentamos golpes fortes, problemas comuns, mas podemos superá-los de forma rápida e fácil. Tudo depende da tendência.

Isso significa que eu nunca vou estar confiante da minha força e sempre preciso de mais garantia mútua. Isso nunca vai ser suficiente. De fato, no momento, enquanto eu me equipo com alguma medida de garantia mútua, eu imediatamente me torno distante, e diversos distúrbios surgem que eu posso transformar na linha do meio com a ajuda da garantia mútua, tendo os transformado em avanço.

Portanto, nós devemos nos esforçar pela garantia mútua, tanto quanto pudermos, e isso causará o nosso cansaço, rejeição e sentimentos desagradáveis. Todos estes obstáculos estão presentes no trabalho da garantia mútua porque há três linhas na linha média, e na esquerda e na direita. Por isso, nós queremos desenvolver a nossa alma ao começar a trabalhar com os nossos estados internos.

Nós nos esforçamos para alcançar a garantia mútua mais forte possível, e quando sentimos que a nossa unidade obteve força suficiente, nós mesmos começamos a despertar a linha de esquerda, o apetite, o que é chamado de “despertar o amanhecer”, e não esperamos até que “o amanhecer me desperte”. Normalmente, essa oportunidade vem através de um ambiente mais amplo. Então, nós temos que trabalhar na importância do nosso grupo em relação à sociedade externa.

Dentro do grupo, eu trabalho para que o grupo seja mais importante do que eu. Agora, eu tenho que trabalhar com o meu grupo, unidos, para que o resto do ambiente externo seja menos importante do que este grupo. Ou seja, o grupo é mais importante do que eu e toda a sociedade externa (a sociedade externa não significa o nosso grupo mundial). Então, eu vou ser capaz de atrair novos desejos de lá e aumentar a nossa garantia mútua.

Não há nada com que se preocupar, exceto a garantia mútua, porque, na medida de nossa força de unidade, as forças de quebra, novas Reshimot, serão despertadas. Nós iremos começar a trabalhar com elas, a fim de alcançar a imagem humana, ao colarmos todas as partes. Não precisamos nos ​​preocupar com as Reshimot que emergem da quebra, mas apenas com o nosso combustível e energia. Em garantia mútua, nós recebemos força apenas como “matéria-prima”. Vários distúrbios que vêm nos ajudar dão uma forma concreta a esta garantia.

A força da garantia não tem forma; a forma vem do negativo, das falhas. Se eu não se deparo com obstáculos, eu não sinto que existo. O ar exerce pressão sobre mim, todos os meus órgãos sensoriais recebem diferentes efeitos sem os quais eu não sinto que existo. A mesma coisa acontece com a força da garantia mútua: se eu tenho essa força, mas não sinto nenhuma resistência, eu não sinto que estou no mundo espiritual.

Nós só sentimos que estamos no mundo espiritual devido às forças das trevas. A Luz em si não atrai quaisquer formas, a forma nasce da escuridão.

Nós passamos por esses estados no caminho até nos encontrarmos no feixe direto (Kav), ao longo do qual continuamos o nosso movimento em direção à meta. Esta entrada para o túnel no “tubo”, a linha do meio, é muito importante e difícil. Durante muito tempo, nós andamos em círculos na entrada, sem nos atrever a entrar, dando um passo e fugindo. Mas quando entramos, graças às lições que aprendemos, nós continuamos a avançar.

Da Preparação para a Lição Diária de Cabalá 01/01/14

Comente