Esporte E O Futuro

Dr. Michael LaitmanOpinião (Boris Yakimenko, historiador, membro da Câmara Pública, chefe do Movimento Nashi [Nosso]): “A transformação, que nos últimos 10-15 anos tem experimentado todos os fenômenos socialmente significativos da vida, tocou o esporte, principalmente este fenômeno de larga escala do futebol. Há uma abundância de razões para essa transformação”.

“Em primeiro lugar, as capacidades físicas humanas atingiram o seu limite. A incapacidade de avançar traz para o primeiro plano não o resultado, mas o processo de participação, dos atletas e espectadores. Assim, os esportes (principalmente o futebol) se tornam mais um ritual”.

“A segunda razão: os esportes se transformam num negócio. O jogador, assim como tudo que se relaciona com ele, torna-se uma mercadoria”.

“A terceira razão – é que a esfera do esporte (principalmente o futebol) torna-se sagrada, quando não o resultado, mas o processo e a experiência de unidade com o ambiente vêm à tona. Pesquisadores traçaram paralelos entre o futebol e as práticas religiosas. A identificação com o clube de futebol ou a equipe é mais forte do que com religião e família. Movimentos fanáticos estão crescendo principalmente em países religiosos: Itália, Espanha, Portugal, Grécia, Turquia, Rússia.

“O componente dos negócios do esporte definitivamente destrói equipes esportivas nacionais e traz à tona os comerciantes, financiadores, proprietários do clube, etc., aqueles que possuem a tecnologia de promoção e venda de espetáculos, enquanto o jogador e o jogo ficam em segundo plano e perdem sua singularidade.

“O ambiente dos fãs, que transforma os jogadores em astros pop, mais cedo ou mais tarde, inevitavelmente, força estes a expandirem seus papéis – além de sua ocupação principal, eles se tornarão modelos, irão cantar, dançar, atuar no cinema, andar na corda bamba com um poste ou começar a fazer malabarismos.

“O processo, mas não o resultado, vai dar mais um passo para se tornar um alvo. Ou seja, os esportes vão se transformar numa esfera especial da vida social onde seria possível escapar dos problemas do mundo circundante, divertir-se, atualizar e no qual o próprio componente esporte é quase irrelevante”.

Meu Comentário: Recordes não importam se estiverem longe das pessoas comuns puderem repeti-los. O principal é o espetáculo, o show e tudo mais; os participantes e os resultados não importam. Enquanto isso se transformar nos habituais “esportes para casa”, mas profissionais, os esportes irão desaparecer.

Comente