Da Perfeição À Perfeição

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “Introdução ao Livro do Zohar “: Quando você examina os três estados acima, vai descobrir que um necessita completamente do outro, de forma que, se um fosse anulado, os outros deveriam ser anulados também.

A queixa mais comum e compreensível contra o Criador é: Por que Ele não criou tudo na forma final? Aparentemente, o que seria mais fácil?

Por que Ele precisa que nós soframos e, portanto, consciente ou inconscientemente, O amaldiçoemos como a causa do nosso sofrimento? Por que Ele não nos criou perfeitos, mas completamente opostos? Por que na medida em que nos desenvolvemos nos tornamos cada vez piores e reconhecemos isso sucessivamente? Nós nos tornamos conscientes disso ao ponto que não cause mais desconforto e se torne um hábito.

Talvez o Criador tenha “esquecido”, “perdido” ou “deixado algo inacabado”? Como podem tais ações imperfeitas se originarem da perfeição? “Essas “queixas do cliente” parecem bastante justas.

Por outro lado, se você tentar olhar a questão do lado do Criador: de fato, por que Ele tem que criar os três estados da criação e nos conduzir pelo caminho do grande sofrimento do primeiro ao terceiro estado? Como o segundo estado, a queda do Infinito até o nosso pior mundo contraditório do qual subimos de volta, se tornou possível? Como Ele mesmo pode gerenciar todos esses sistemas, ser incluído, “vestido” neles, de modo a se manifestar em várias formas de relações e nos ensinar lições?

Nós entendemos que os pais em nosso mundo não têm alternativa, porque, como se diz, “o impulso do coração do homem é mal desde a sua juventude”. Aqui, o rigor em relação às crianças é necessário. Mas por que o Criador Todo-Poderoso recorre a tais métodos?

Em suma, todas as questões-chave com respeito ao ser criado estão focadas em seus três estados, na espiral da perfeição (1) através do sistema dos mundos (2) até a perfeição (3), e aqui reside o problema da vida e da morte, o problema do sofrimento, completamente divorciado da consciência espiritual. Nós não podemos justificar tudo isto no âmbito da nossa mente.

No entanto, se entendermos a verdadeira relação entre os três estados, vamos resolver todos os problemas semelhantes, realizando uma abordagem sistemática para eles, conforme eles surgirem diante de nós uma e outra vez. Na verdade, o Criador criou o primeiro estado perfeito e único. Ele é imutável, nada acontece lá contrário à perfeição. No entanto, esta perfeição não é revelada no Criador, mas nos seres criados que recebem, e somente em seu estado interior que chamamos de “terceiro”.

No primeiro estado, os seres criados não sentem a si mesmos, pois eles realmente não existem. Eles começam a se manifestar como existentes na medida em que atingem a perfeição. Ao subir do estado atual e atingir níveis espirituais, neste mesmo ponto eles sentem a sua existência até que se elevam à sua altura máxima, em equivalência com o Criador.

Assim, a perfeição inerente no primeiro estado deriva do terceiro estado, no qual o ser criado a atinge. Mas, no início, eles apenas representam Reshimot potenciais e têm que passar por um determinado processo para, finalmente, atingir a perfeição. Este processo é o segundo estado.

Da 4a parte da Lição Diária de Cabalá 05/01/14, Escritos do Baal HaSulam

Comente