Criação Genuína

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “Introdução ao Livro do Zohar“: E ainda, nós entendemos que de acordo com o Pensamento da Criação, não havia necessidade de criar algo mais do que o desejo de receber. Isto porque a nova criação é suficiente para Ele satisfazer todo o Pensamento da Criação, que Ele tinha pensado em doar-nos. Mas todo o preenchimento no Pensamento da Criação, todos os benefícios que Ele tinha planejado para nos render, derivam diretamente de sua essência (Atzmuto), e ele não tem motivos para recriá-los, uma vez que já são extraídos, existência a partir da existência, ao grande desejo de receber nas almas. Assim, evidentemente, nós vemos que toda a substância na criação gerada, do começo ao fim, é apenas o “desejo de receber”.

Baal HaSulam enfatiza que há Atzmuto, a raiz original, a partir da qual a ação se origina. A ação do Criador é o ser criado. Mas os seres criados não se originam do próprio Criador; Ele os cria a partir do nada. O que vem de Deus é a decisão, mas o “material” a partir do qual eles são criados, é produzido a partir do nada. Este é o ato de criação. O Criador fez só isso.

Nós somos incapazes de compreender e fazer isso. Nós revelamos cada pensamento, cada decisão, tudo onde a atitude de Atzmuto em relação à criação se expressa. Isto é o que não sabemos nada. No entanto, nós descobrimos a Sua atitude em relação a nós. Isso é chamado de “pensamento da criação”.

Pergunta: Será que nós criamos algo novo que não estava na criação? Caso contrário, como é que nos tornamos semelhantes ao Criador?

Resposta: Não. Nós nos tornamos semelhantes a Ele pelas propriedades, mas não pela criação. Sendo Seus seres criados, não podemos criar nada de novo. Nós acumulamos, unimos forças, para que a equivalência do Criador seja formada em nós. No entanto, isso não pode ser chamado de uma “nova criação”, porque nós usamos as forças e os “materiais” que foram criados. Nós não criamos.

Pergunta: Mas a revelação do Criador, não é criação?

Resposta: Não. O conceito de “criação” (Beria –בריאה ) significa algo externo, estendendo-se para além dos limites do existente (Bar –בר ), “existência a partir da ausência”. Nós já usamos os meios existentes e realizamos a correção, imitando a criação. Nós revelamos o que já existe e, assim, voltamos ao mundo do Infinito.

Da 4a parte da Lição Diária de Cabalá 30/12/13, Escritos do Baal HaSulam

Comente