Todos Somos Pequenos Artistas

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “O Ensino da Cabalá e sua Essência”: Além disso, até mesmo as coisas que imaginamos que alcançamos por sua essência, como rochas e árvores, após um exame honesto, ficamos com nenhuma realização em sua essência, uma vez que só atingimos suas ações, que ocorrem em conjunto com o encontro de nossos sentidos com elas.

Eu percebo tudo e sinto apenas como uma impressão, criada em meus órgãos sensoriais e não na forma original. A verdade está fora de mim e desconhecida para mim. Só percebendo algo dentro de mim mesmo, distinguindo o que foi “representado” na minha visão, audição, paladar, olfato e tato, eu posso considerar algo. Todos os nomes e símbolos, todos os fenômenos e as respostas, todos os tipos de matéria, tudo o que acontece é devido à percepção dos meus órgãos sensoriais. A essência permanece “nos bastidores”, ilude sensações materiais, encontra-se fora da imagem do mundo que elas “desenham” para nós.

Pergunta: Como, então, podemos nos comunicar e entender um ao outro?

Resposta: Nós podemos nos entender porque cada um tem um programa semelhante com um modelo inato semelhante em nossos órgãos sensoriais. Sua correspondência permite que a pessoa passe suas emoções aos outros, porque eles estão na mesma ilusão que ela. Nós estamos todos em um determinado nível de percepção e essa situação nos permite discutir a questão entre nós.

Com base na atual “imagem”, nós admitimos a existência do nosso mundo, no qual há as naturezas inanimada, vegetal e animal, bem como as pessoas que percebem a realidade. O que existe na realidade, nós não sabemos. Talvez sejam apenas ondas como dizem os físicos, ou quase um vazio primordial, porque a distância entre as partículas subatômicas é incomparavelmente maior do que seu tamanho.

Como nós percebemos o mundo? Como isso nos afeta? Como podemos imaginar o que está acontecendo? Por que a realidade toma especificamente essas formas em nossa percepção? Como nós vamos processar os dados recebidos? Como podemos compará-los com os resultados do passado? Como e com a ajuda de que código nós vamos passar a informação para o outro? Como podemos armazená-la para usar a experiência acumulada depois de encontrar alguma coisa, para fazer uma analogia? Tudo isso são derivados.

E a coisa mais importante é que as pessoas neste mundo material percebem apenas uma imagem subjetiva. Se elas receberem outros órgãos sensoriais, elas vão ver um mundo diferente. Se o seu programa de percepção for alterado, a imagem vai mudar. Hoje já inventaram dispositivos que nos permitem alterar e aumentar a realidade percebida, para criar ilusões e falsas imagens.

Além disso, os animais, em comparação a nós, percebem o mundo de forma completamente diferente. Um cão se orienta por odores de “reconhecimento” Ele não olha para uma pessoa, mas a cheira e, desta forma, constrói uma imagem humana. Ele reconhece um gato que corre não tanto com os olhos, mas com o campo de cheiro. Uma cobra determina a temperatura de objetos por frações de graus, e isso lhe dá uma imagem clara.

Em geral, é claro que tudo no mundo é relativo. É relativo mesmo entre as pessoas, apesar de, por natureza, não haver uma diferença tão grande entre nós.

Pergunta: Neste caso, como podem os Cabalistas, discutindo o mundo espiritual, entender um ao outro?

Resposta: Um Cabalista é uma pessoa que reside em um corpo, como você, e que percebe o mundo através dos sentidos corporais, como você. Além disso, ele tem uma percepção adicional, em que distingue as forças que controlam o mundo e sua ligação com elas. Há uma rede de forças diante dele, isso é tudo. Mas é realmente tudo.

Da 4a parte da Lição Diária de Cabalá 08/12/13, Escritos do Baal HaSulam

Comente