Primeiro Vem O Apetite, Depois A Refeição

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, Shamati # 3, “A Questão da Realização Espiritual”: …o Criador quis que alcançássemos e compreendêssemos a abundância como “Seu desejo de fazer o bem às Suas criações”.

Pergunta: Em geral, por que precisamos de todos estes segredos ao longo do caminho?

Resposta: O “segredo” é um lugar que estamos prestes a descobrir, aos poucos, através da aplicação de esforço suficiente; ele aparece cada vez mais em “pequenas doses”, que se alternam com os nossos esforços. Assim, pouco a pouco, nós estamos moldando os vasos, o desejo de finalmente revelar a Luz do Infinito, o mundo inteiro, que vai nos permitir reconhecer, entender e estar em adesão. O Criador quer nos satisfazer e agradar; por isso, nós temos que alcançar equivalência de forma com Ele, seguindo o Seu exemplo e a construção de nós mesmos em conformidade.

Nesse meio tempo, é um mistério para mim. Ele está na minha frente, mas eu ainda não posso alcançá-Lo, porque não tenho vasos adequados.

No entanto, eu tenho que querer isso. Qual é o valor de lhe dar-lhe um presente que você não quer? Como você pode apreciá-lo? Digamos que me foi oferecida uma refeição maravilhosa que inclui peixe, carne, numerosas saladas e frutas, vinhos, as carnes mais ricas e requintadas; ao mesmo tempo, eu estou limitado por um desejo muito estreito, muito pequeno, tanto em magnitude como em qualidade, ou seja, pela capacidade de distinguir os gostos.

Como pode o Criador desencadear o nosso “apetite”? Eu não posso simplesmente comprar este “jantar”; primeiro algo precisa ser agitado, estimulado, aberto. Um forte desejo deve ser cultivado em mim, para que eu vá até Ele e peça-Lhe esta refeição. Ao mesmo tempo, Ele me dá obstáculos até que o meu desejo se torne completamente formado, o qual só precisará ser preenchido.

Pergunta: Existe outra maneira de atingir este estado, exceto passando por golpes?

Resposta: Estes não são problemas ou infortúnios; eles são um meio de despertar as verdadeiras necessidades. Eu as transformo em problemas. O Criador sofre, mas Ele não tem outra opção. Afinal de contas, Ele quer que eu desfrute. Ele preparou tanta coisa para nos dar, mas o meu desejo é atraído para coisas diferentes: comida crua em vez de Seu banquete. O apetite está lá, mas não pelos Seus pratos.

Assim, a forma de ocultação e despertar, interioridade e exterioridade, todo este mundo que me traz confusão, o grupo, etc., eu ainda vejo outra maneira, que tudo isso vem do Infinito, que o Criador quer dar para mim.

“O fim de um ato está no pensamento preliminar”. Há apenas a Luz do Infinito e o desejo de receber; de acordo com o objetivo da criação, o desejo de receber prazer deve ser preenchido completamente com a Luz. No entanto, a Luz contém certos detalhes que, a fim de apreciá-los, eu tenho que atingir a altura do Criador.

Portanto, nós temos três fatores:

  • Gozo
  • O embrião do desejo
  • As condições em que o desejo deve ser estendido até que o prazer seja “engolido” por completo, e “provado” totalmente em todas as suas propriedades intrínsecas. No final, eu compreendo toda última migalha, sinto todos os gostos que o Criador preparou para mim.

Esses três fatores dão origem a mais uma descida a este mundo para me apresentar todos os meus “problemas”. Essa é a forma como todas as condições necessárias são ordenadas, e não há como nos escondermos disso. O estado final é pré-estabelecido no início; tudo está ligado ao mundo do Infinito, ao pensamento que acabará por nos levar à alegria completa.

Isso significa que tudo o que nós passamos é para revelar o nosso “apetite”: o desejo de ser satisfeito com as iguarias do Criador. A Luz Superior permanece em repouso absoluto e aguarda apenas as minhas necessidades.

Como eu posso gerar uma necessidade de receber Sua Luz? Onde eu posso encontrar um estímulo que vai “agitar” a minha alma na medida em que a fome “desperta” o meu estômago? Como podemos entrar em sintonia com os gostos do criador?

Para isso, nós precisamos de um tipo especial de aspiração que é formado através do nosso trabalho no grupo, com os nossos amigos. O grupo é o lugar onde um novo desejo começa. Quando nós conseguirmos corrigir a quebra, vamos reconhecer nossas novas necessidades que são instigadas não pelos nossos impulsos “animais”, mas pela autêntica “inclinação ao mal” que nos impede de nos conectar uns com os outros.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 13/11/13, Shamati # 3

Comente