O Relatório Do Fórum Econômico Mundial

Nas Notícias (do Pew Research Center): Uum novo relatório do Fórum Econômico Mundial classifica as 10 tendências globais mais importantes, com base em uma pesquisa de 1.592 líderes de academias, negócios, governos e organizações sem fins lucrativos.

“Aqui estão alguns dados que comparam e contrastam opiniões do público ao redor do mundo com as tendências identificadas pelos peritos.

“1. Aumento das tensões sociais no Oriente Médio e norte da África – pessoas nesta região estavam em sua maioria insatisfeitas com a direção do país, de acordo com pesquisa do Pew Research Center, de pessoas em todo o mundo este ano. Isso inclui decepção particular no Líbano (88% insatisfeitos), territórios Palestinos (87%) e Tunísia (81%).

“2. Alargamento das disparidades de renda – um dos achados mais marcantes da nossa recente pesquisa do público geral em todo o globo foi o grau a que as pessoas veem o fosso entre ricos e pobres, como um grande desafio. Em 31 de 39 nações, metade ou mais dos entrevistados disse que a desigualdade é um problema muito grande em seu país.

“3. Persistente desemprego estrutural – a pesquisa feita na primavera descobriu que dois terços ou mais na maioria dos países dizem que a falta de oportunidades de emprego é um problema muito grande. Quando perguntado qual dos quatro temas – inflação, desemprego, desigualdade ou dívida – o governo deverá abordar primeiro 22 dos 39 públicos pesquisados, disse a pesquisa.

“4. Intensificação de ameaças cibernéticas – especialistas em política dos EUA estavam muito preocupados com a ameaça de ciber-ataques da China, de acordo com nossa pesquisa no ano passado. No entanto, enquanto a pesquisa do Fórum Econômico Mundial identificados ameaças virtuais como uma preocupação superior, 47% dos peritos admitiu que eles têm limitado conhecimento do problema.

5. Inação sobre mudança do clima – uma média de 54% ou mais das pessoas inquiridas no Canadá, Europa, a Ásia-Pacífica, América Latina e África viu o aquecimento global como uma grande ameaça para os seus países, de acordo com nossa pesquisa global. No entanto, apenas 40% dos americanos e uma mediana de 42% na região do Médio Oriente considerada mudança climática global como das principais preocupações.

“6. Diminuiçãio de confiança nas políticas econômicas – em nossas pesquisas realizadas em todo o mundo, pessoas manifestaram preocupações generalizadas sobre as condições econômicas em seus países. De fato, as atitudes eram particularmente desagradáveis em países europeus, como França (apenas 9% disse bom), 4% disseram o mesmo em Espanha, 3% na Itália e apenas 1% na Grécia. No entanto, em mercados emergentes como a China, 88% das pessoas disseram que sua economia estava indo bem.

“7. A falta de valores na liderança – entre 2007 e 2012, a confiança na organização para cooperação econômica e desenvolvimento (OCDE) os governos nacionais diminuiu de 45% a 40%, em média, tornando difícil para as autoridades nacionais mobilizar apoio para as reformas necessárias, de acordo com um relatório recente da OCDE. Nos EUA, a confiança pública no governo diminuiu substancialmente desde 1958 e é perto de um nível mais baixo.

“8. A classe média em expansão na Ásia – mais do que qualquer outra região, os asiáticos estão otimistas sobre as perspectivas econômicas para a próxima geração. Em contraste com a visão relativamente positiva da Ásia maiorias nos Estados Unidos, Canadá e em toda a Europa Ocidental acreditam que o futuro econômico será pior para a próxima geração.

“9. A importância crescente das megacidades – vida é cada vez mais vivida nos centros urbanos do mundo. De acordo com a divisão de população das Nações Unidas, mais de metade da população mundial vive em áreas urbanas. No entanto, nem todas as regiões do mundo são igualmente urbanas. África, por exemplo, está prevista para chegar a 50% de urbanização em 2035.

“10. A rápida disseminação de desinformação on-line – um terço (30%) da juventude do mundo ter sido ativa on-line pelo menos cinco anos, de acordo com a União Internacional de telecomunicações. Redes sociais também se espalharam pelo mundo. Em 19 de 21 países, cerca de três em dez ou mais desses sondados usar sites como o Facebook, de acordo com nossa pesquisa no ano passado.”

Meu comentário: O relatório está correto, só tira conclusões completamente incorretas, mas os organizadores podem compreender; eles não têm meios para resolver esta crise. Não é como no passado; não é ao nível do nosso mundo, mas a nível das forças que controlam o mundo. E isto pode ser resolvido apenas levantando a sociedade ao nível dessas forças.

Este rápido declínio da sociedade por todos os indicadores sócio-econômicos nos fala sobre a necessidade de disseminar rapidamente o método de Educação Integral e Formação, sem a qual nenhuma alteração é possível porque agora elas odem ser apenas no sentido da destruição ou da ascensão em direção à unidade de uma nova geração.

Material Relacionado:
Mikhail Delyagin Sobre A Crise
O Declínio Da Esperança De Paz

Comente