Louvar Não É Bajulação

Dr. Michael LaitmanRabash “Poderosa Rocha da Minha Salvação”: Na canção de Chanucá nós dizemos, “Poderosa Rocha da minha salvação, louvá-La é um prazer; Restaura minha casa de oração, e lá vamos trazer uma oferta de ação de graças”. A música começa com palavras de louvor: “Louvá-La é um prazer”, e depois começa com palavras de oração, “Restaura minha casa de oração”.

Em seguida, ela retorna às palavras de agradecimento e louvor: “E lá vamos trazer uma oferta de ação de graças”.

Nós sempre avaliamos os estados de acordo com a ordem dos vasos. Afinal, a Luz está em repouso absoluto, e tudo depende se eu consigo alinhar os vasos entre si e usá-los corretamente de acordo com as medidas adequadas de “profundidade” e “transparência”, de uma forma ou de outra. Desta forma, eu alcanço a influência máxima e mais efetiva da Luz.

Da mesma forma, nós organizamos o nosso pedido se, por exemplo, apelamos às autoridades públicas. Este recurso deve ser corretamente formulado e levado às pessoas “certas”, e, às vezes, nós precisamos usar um patrocínio (auxílio) em nosso mundo não corrigido…

Em suma, o procedimento deve ser muito claro. Nós agimos, começando com os desejos mais puros e continuando com os desejos “mais grosseiros”, do menos importante ao mais importante, e em caso de necessidade, vice-versa.

Mas, antes de nos voltarmos ao Criador, eu tenho que “desenvolver” a gratidão dentro de mim, a consciência da importância da meta, a importância do Doador e sua grandeza. Ela é projetada na imundície do nosso mundo como bajulação e subserviência para ajudar a obter o que você deseja. No entanto, não há nenhum patrocínio (auxílio) na espiritualidade; eu O elevo aos meus olhos, e este organiza meus vasos (desejos) corretamente. Assim, eu me aproximo Dele.

De qualquer forma, as mudanças ocorrem apenas nos vasos ea Luz permanece inalterado. Graças e louvor são obrigados a não agradar o Criador, mas para nós mesmos, pois eles vamos chegar mais perto Dele.

Mas não porque Ele alivia um pouco para nós. Nada muda Nele. Agora eu vejo que Ele está sorrindo e, em seguida, está com raiva. No entanto, não importa o que, eu revelo tudo isso em minha própria percepção. E Nele, todos os rostos são os mesmos, sem qualquer distinção, sem qualquer forma…

Da 4a parte da Lição Diária de Cabalá 03/12/13, Escritos do Rabash

Comente