Ir Ao Exílio Voluntariamente

Dr. LaitmanEu estou perfeitamente ciente da atitude das pessoas em relação a mim. Quando eu visito diferentes cidades da Europa, eu sinto a oposição interna local, tento não justificar o Criador para não borrar esse sentimento de exílio que me dá a oportunidade do trabalho espiritual, e até gosto.

Afinal, eu vim de um país com uma sociedade que aprendeu a sentir fortemente o antissemitismo. Claro, tudo foi planejado dessa maneira de propósito.

Curiosamente, ele é mais evidente e é revelado de forma mais simples na Europa Oriental do que na França, por exemplo, onde é sutil e elegante. Quando os sentimentos negativos são revelados de forma mais simples, você pode falar sobre isso, discutir o assunto e diretamente se opor ao ódio que as pessoas sentem em relação a você, e pode analisar tais estados, mesmo em conjunto com os seus inimigos. Enquanto na Europa Ocidental tudo é velado.

É intrigante. Eu sempre fico feliz por sentir isso e muitas vezes tento evocar esses olhares tortos, de modo a sentir a atitude negativa em relação a mim. É essencial.

Pergunta: O que você ganha com isso como Cabalista?

Resposta: Nós sabemos que Rav Zosha e outros Cabalistas na Europa Oriental, na Rússia, costumavam ir para o exílio de propósito. Eles costumavam deixar a sua aldeia para trás e ir a lugares onde somente os gentios viviam: russos, ucranianos, etc., a fim de experimentar repulsa e ódio, as atitudes negativas que os outros têm em relação a você como pessoa.

O sentimento de exílio é essencial para sentirmos necessidade do Criador, especificamente a partir da oposição deste atributo. Não é uma inclinação ao sofrimento, mas sim o reconhecimento do estado em que você está realmente, mas que você pode estar escondendo de si mesmo.

Não podemos desfocar tais estados. Você tem que viver com todo mundo e senti-los profundamente, o que eles realmente são.

Comente