Descobrindo O Código Dos Mundos Superiores

Dr. Michael LaitmanPergunta: O público em geral gosta muito das regras gerais das mesas-redondas para  os workshops. Eles podem aplicá-las na vida e no trabalho, como uma forma de cooperação mútua entre as pessoas?

Resposta: Em todos os casos, se eles tentarem aplicar o método integral em casa, na família, quando problemas surgirem no trabalho, num coletivo, durante as discussões em reuniões, com isso eles certamente vão provar que o método funciona.

A pergunta é: será que eles mesmos podem alcançar a “bola de framboesa” no centro do círculo, ou seja, o despertar da característica geral de doação e amor? Eu estou certo de que eles não podem, porque não têm contato com o poder superior. O contato só pode existir para aqueles que aprendem a sabedoria da Cabalá. Por isso, eles precisam de nós.

Mas aos poucos isso vai se fundir em um único sistema. Afinal de contas, na Cabalá, quais são os nomes de todos os tipos de qualidades: “Sefirot”, “Partzufim”, “Mundos”? Trata-se do sistema de conexões entre nós.

Quando este sistema começar a ser descoberto, as pessoas de repente vão descobrir que isso é chamado assim, e que é aquilo é chamado de outro jeito. “De onde você sabe que isso é chamado assim?” “O que, isso não é compreendido” E não é porque uma pessoa lê isso em um livro; em geral, ela não pode abri-lo, mas vai simplesmente dizer: “Isso é chamado de ‘Arich Anpin‘.

Pois todos esses nomes aparecem a partir da descoberta das conexões internas entre as pessoas. Até então, elas não existiam. Adam HaRishon foi o primeiro que trouxe a linguagem dos mundos superiores. Em princípio, isso não é nem mesmo uma linguagem, mas um código, como em um computador.

Portanto, mais cedo ou mais tarde as pessoas vão perceber tudo isso. Mas, apesar de tudo, devemos guiá-las. Sem nós, nada será realizado.

Da Discussão sobre Grupo e Disseminação 24/11/13

Comente