Tornar-se Parceiro Do Criador

Dr. Michael LaitmanO desejo chamado Israel (“direto ao Criador”) numa pessoa é corrigido em etapas, passo a passo, uma vez que deve chegar a um entendimento e realização de acordo com suas necessidades internas.

Nisto, ele difere dos tipos de desejos considerados “as nações do mundo”, que são corrigidos todos de uma vez. O desejo Israel exige que a pessoa consiga discernir e alcançar o mundo espiritual, conheça-o, mergulhe em seus detalhes, torne-se parceiro do Criador, e não apenas se ligue ao sistema e receba todo o bem dele em uma bandeja.

Israel deseja conectar-se com este sistema e trabalhar com ele, recebendo o prazer de conhecê-lo. Como está escrito: “Conheça o teu Criador e trabalhe para Ele”, e existem tais desejos ou pessoas que não aspiram a conhecer o Criador, mas está escrito que, no final, “pois todos Me conhecerão, do menor ao maior”. No entanto, isso é de conhecimento comum de uma pessoa simplesmente residindo no mundo espiritual.

Como em nosso mundo, nem todo mundo quer ser um cientista ou pesquisador e gosta de aprender sobre a criação, a compreensão de suas causas e efeitos. Há dois degraus de doação: explorar e conhecer o Criador, ou simplesmente juntar-se a fonte de todo o bem. Portanto, as almas que pertencem a  Israel avançam passo a passo, de forma gradual. Naturalmente, elas sofrem ao fazê-lo, uma vez que toda a realização se baseia na necessidade anterior não satisfeita, que deve ser cultivada.

Aqueles que se referem às “nações do mundo”, o degrau inferior, e que chegam a contar com isso, ao que parece, também devem fazer um monte de trabalho, mas isso não implica a adesão interna com o Criador como a de dois parceiros.

O surgimento de tal desejo numa pessoa depende da raiz da alma. Coração, fígado, e pulmões – todos os órgãos vitais do corpo – devem manter a conexão com o cérebro que os governa em primeiro lugar, e o resto da carne, compreendendo 90% do corpo, não tem uma conexão direta com o cérebro e interage com ele através dos sistemas complementares.

Isso não significa que um desejo é bom e outro ruim, porque no fim da correção (Gmar Tikkun), todas as almas serão absolutamente iguais. A diferença está apenas no caminho para ela. O forte desejo é obrigado a trabalhar em seu próprio caminho e a descobrir todos os segredos da criação, e os mais fracos, cada um em sua própria medida, simplesmente juntam-se e apoiam o anterior. Basicamente, todos devem chegar à raiz de sua alma, o que significa o fim da correção.

No mundo espiritual não há desigualdade; essa é outra diferença em relação ao mundo material. Estando no mundo espiritual, a pessoa age com base em seus desejos naturais e não pode desejar algo que não esteja plantado na raiz de sua alma.

Só no nosso mundo corpóreo eu posso cobiçar o carro de luxo do vizinho. No entanto, na espiritualidade, não posso desejar o que ele deseja. Eu desejo apenas o que é plantado em meus próprios genes informativos, (Reshimot) .

Eu posso ganhar inspiração e motivação dele, mas só para me corrigir. Assim, não pode haver divisão entre “grande” e “pequeno” lá.

Da 4a parte da Lição Diária de Cabalá 09/12/10, Escritos do Baal HaSulam

Comente