Não Destrua!

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (do Project Syndicate): “Todos os anos, perdemos ou desperdiçamos 1,3 bilhão de toneladas de comida – um terço da produção anual de alimentos do mundo. A magnitude do número faz com que seja quase impossível de entender, não importa o quanto a pessoa o aborde. Tente imaginar 143 mil Torres Eiffel empilhadas uma em cima da outra, ou uma pilha de 10 trilhões de bananas.

“O número é ainda mais incompreensível, uma vez que, juntamente com este desperdício e perda maciça, 840 milhões de pessoas sofrem de fome crônica em uma base diária. Muitos milhões de pessoas sofrem de ‘fome silenciosa’ – desnutrição e deficiências de micronutrientes.

“Para os mais economicamente atentos, aqui está outro número: o desperdício e perda de alimentos, expressado em preços de produção, custa cerca de 750 bilhões de dólares por ano. Se fôssemos considerar os preços de varejo e os impactos mais amplos sobre o ambiente, incluindo as alterações climáticas, o número seria muito maior. …

“A perda de alimentos – em fazendas, durante o processamento, no transporte, e nos mercados – enfraquece a segurança alimentar na maioria dos países em desenvolvimento, onde as perdas pós-colheita podem atingir até 40% da produção. Investimento em infra-estrutura para o transporte, armazenamento e comercialização de alimentos é extremamente necessário, assim como programas de formação de agricultores em boas práticas.

“Nos países desenvolvidos, práticas de varejo de alimentos exigem um repensar”.

Meu Comentário: Há um princípio religioso no judaísmo “Baal Tashchit“: não destrua o útil, qualquer coisa que possa ser útil para outras pessoas. É proibido jogar fora as sobras, aptas à alimentação humana e animal, os resíduos industriais que poderiam ainda ser consumidos, etc., porque tudo é dado pelo Criador para a correção do mundo; portanto, devemos usá-lo justamente para corrigir o mundo. Só é possível usá-lo corretamente conforme a correção do ser humano, quando ele, de forma natural e instintiva, pensa no bem comum.

Comente