Por Que Sofrer?

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “A Arvut (Garantia Mútua) “: Mas devido à queda da natureza humana para o nível mais baixo, que é o amor-próprio que rege irrestritamente a raça humana, não havia mais como negociar com eles e persuadi-los a concordar em assumir, mesmo como uma promessa vazia, sair deste mundo limitado para espaços amplos de amor ao próximo. A exceção foi a Nação de Israel, pois eles foram escravizados no selvagem império Egípcio por terríveis quatrocentos anos.

Nossos sábios disseram: “Como o sal adoça a carne, a agonia poli os pecados do homem”.

Pergunta: O povo de Israel sofreu ao longo de sua história, e eu não vejo como isso ajudou. Afinal de contas, a correção é feita pela Luz. O que os tormentos nos dão?

Resposta: Na verdade, essa é a forma como isso é apresentado e nós somos guiados por aquilo que vemos. Cada um de nós tem nossos próprios “óculos” e nada pode ser feito.

Você acha que o exílio egípcio foi um período de sofrimento físico, mas aos meus olhos foi a revelação espiritual do mal. Você considera que tenha sido o ataque do Faraó, mas eu considero como um surto da inclinação ao mal. Os egípcios atormentam você externamente, e eu, internamente. Sob uma chuva de golpes, você fugiu do Egito geográfico, e eu do Egito interior. O aspecto espiritual é tão forte que eu experimentei o exílio egípcio, e não externamente, mas principalmente como problemas internos. Eles me tiraram do Egito para alcançar o mundo de Atzilut. Para você, isso foi o suficiente para se livrar da opressão física do Faraó, da escravidão externa.

A mesma distinção é característica do mundo contemporâneo. Nas dificuldades e problemas atuais, eu vejo um apelo, um gatilho necessário para nos movermos à meta. Você os percebe como uma maldição ao invés de um meio para o avanço. Você quer evitá-los, e eu, ao contrário, digo que não devemos fugir deles, mas sim devemos nos autocorrigir para que em vez de males, nos sintamos confortáveis, benevolentes, e seguros no mundo futuro.

Hoje, quando o processo se esforça para alcançar a redenção geral, torna-se ainda mais claro que não há para onde correr. Isto significa que se o povo judeu não iniciar o processo de autocorreção, eles terão que enfrentar as misérias por todos os lados, impasses econômicos, emocionais e físicos, seja onde for: em Israel, nos Estados Unidos e em outros lugares.

O lugar mais seguro é a terra de Israel. Seu povo terá que lutar fisicamente, mas principalmente internamente. É por isso que nós temos que difundir o conhecimento Cabalístico em Israel, e acima de tudo temos que disseminar a metodologia da educação integral. Afinal, depende do quanto somos capazes de transferir o povo judeu enfrentando problemas como batalhas convencionais para uma batalha espiritual.

As pessoas devem entender que se lutarmos internamente para nos unir, vamos “amolecer” e “adoçar” forças negativas. Eles não as destroem, o que é impossível, mas as transformam em boas e úteis. A unidade vai nos permitir ficar mais fortes, fazendo com os nossos inimigos se retirem. Nós não teremos que lutar com eles e eles vão parar de lutar conosco. Pelo contrário, eles virão até nós para aprender os caminhos para se unir.

Afinal de contas, a separação irá afetá-los ainda pior do que nós. Em Israel, isso leva a conflitos políticos; em outras áreas, todos os dias dezenas e centenas de pessoas são mortas, e o caos só vai continuar crescendo.

Portanto, se quisermos paz e harmonia, temos que começar aqui. Nós não temos escolha. E não faz sentido se debruçar sobre as aflições físicas dos judeus no Egito. Neste caso, você não entende isso, e todas as outras catástrofes que se abateram sobre os judeus ao longo da história, seja a inquisição, pogroms, ou o Holocausto. Claro, isso não pode ser explicado do nosso nível atual, já que não vemos toda a realidade ou todo o sistema para entender o que está acontecendo ou suas causas.

Em suma, é uma deficiência qualitativa e nós estamos numa fase muito importante, crucial.

Em geral, as nações do mundo pressionam inconscientemente o povo de Israel para lhes ensinar a metodologia de correção. E a pressão pode assumir várias formas.

Mas o que é surpreendente: antes que as nações do mundo cheguem a Israel, elas vão lutar entre si. No entanto, nós já podemos ver em torno do que toda a “trama” gira. Israel é quase invisível no mapa; no entanto, é o verdadeiro centro dos eventos, e com o tempo, esse fato vai aparecer de forma mais clara.

Em última instância, os processos atuais obrigam o povo judeu a se unir, para dar o exemplo ao mundo, para levar todos à unidade global, e para elevar a humanidade.

Este é o “esquema” simples. No entanto, em nosso mundo, ele é implantado em investimentos multibilionários, exige enormes recursos, e afeta diretamente milhões de pessoas, transformando este mundo numa arena do comércio incontrolável.

Comente