Fim Dos Sete Anos De Carência

Dr. Michael LaitmanPergunta: O fim do exílio deve significar o fim de todo o nosso sofrimento. Portanto, por que nós alcançamos vazio total e falência?

Resposta: Todos nós sabemos que o exílio começa com os sete anos de saciedade e há os sete anos de carência que terminam na escuridão do Egito, em golpes terríveis. Quem recebe esses golpes? É o meu corpo, o meu “Faraó”. Isso é chamado de falência, quando, enquanto estou nas minha últimas dez Sefirot nas últimas dez pragas, eu sinto total desespero que me separa totalmente do meu desejo de receber.

Então, eu estou pronto para sair do Egito, para escapar de lá. Esta é a falência, já que quando eu vim para o Egito havia comida e a vida lá era boa; você podia encontrar tudo o que queria lá! Primeiro o Egito era como a terra de Israel aos filhos de José, a terra de leite e mel; José era o governante do Egito e todos os egípcios trabalhavam para os judeus, para os filhos de Israel.

Eu estou em um estado em que o ego me proporciona diferentes prazeres; eu estou feliz que encontrei a sabedoria da Cabalá, o que significa que encontrei um meio de receber o prazer superior e ter sucesso na vida. Antes eu não tinha nada e agora espero receber tudo neste mundo e todos os mundos superiores e conquistar tudo. Isto é o que uma pessoa que vem aqui para estudar sente; é como se ela tivesse encontrado um grande tesouro que pode preencher todos os seus desejos de receber. Não é por acaso que ela é chamada de sabedoria da Cabalá (a sabedoria da “recepção”, em hebraico).

Mas quando eu gradualmente avanço e participo no trabalho coletivo, eu sinto como se os sete anos de carência e falência tivessem começado. Onde está o prazer prometido? Onde está a realização, a compreensão, os sentimentos, o controle? Não há nada! A pessoa se deteriora mais e mais. Assim, nós vemos que “mil entram numa sala para aprender e só um sai”, o único que consegue suportar tudo isso.

Os outros fogem, uma vez que existem outros prazeres do lado de fora. Mas agora nós também vemos que não há nada do lado de fora, de modo que todo mundo vai voltar no final. Nós estamos prontos e felizes em receber a todos. É claro que a pessoa foge, já que os sete anos de fome começaram. Afinal de contas, ela não entende que deve receber o novo mundo em novos vasos, e se ela não preparou esses vasos, o que ela pode sentir?

Os sete anos de fome chegaram ao fim na falência final, nas dez pragas do Egito, quando eu não vejo que tive sucesso em algo. Eu me desespero devido à impotência que sinto em todas as dez formas de minhas relações com o mundo: na educação, saúde, segurança, economia, finanças, desejos por comida, sexo e família.

Não há nada com que eu possa reviver a minha alma; todas as fontes de prazer secaram. Então, eu cheguei à conclusão de que tenho que fugir do meu desejo egoísta e deixar o sistema que me obriga a pensar apenas em como me preencher. Afinal, nada pode entrar na minha boca de acordo com este método; eu preciso encontrar um novo método.

Então eu fujo do Egito, cruzo o Mar Vermelho, que são sentimentos, minha compreensão e minha consciência. Eu fujo do meu ego, me afasto dele; eu estou com medo e no escuro, mas já entendo que não há mais nada que eu possa fazer no Egito… Então a ajuda vem de cima e me tira de lá, mas eu estou preparado para isso.

Em seguida, da fase do Monte Sinai em diante, eu começo a tomar outra forma. Este é o caminho que nós temos que percorrer agora com todo o mundo. Tudo o que fizemos antes era apenas a preparação, ou seja, a correção de uma pequena parte do desejo: GE, Israel. Agora nós temos que fazer a mesma coisa com o mundo inteiro.

O mundo inteiro vai ter que passar e já está passando pela mesma situação que Israel experimentou com o exílio no Egito. O mundo inteiro vai gradualmente ao Egito. Os sete gordos anos de prosperidade do sonho americano, quando todos pensavam que a humanidade se desenvolveria, conquistaria o espaço e cruzaria todas as fronteiras, acabaram. Agora nós estamos gradualmente revelando todos os nossos programas e não queremos mais nada. Isso é chamado de “sete anos de fome”.

As dez pragas do Egito que atingirão o mundo se aproximam e nós já vemos o início de um desastre ecológico. Em seguida, haverá problemas com a oferta de petróleo e gás e com vírus e pragas, se não conseguirmos suavizar esses ataques. Os golpes virão, não importa quais, mas nós podemos suavizá-los, ao nos aproximarmos deles. Se agirmos com conhecimento de causa, de forma consciente, podemos realmente suavizá-los.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 02/08/13, Escritos do Baal HaSulam

Comente