Educação Integral Em Universidades Americanas

Uma série de lições de educação integral, com base em dois cursos do Programa de Inglês Intensivo do Instituto da Língua Inglesa, foi concluída na Universidade Comunitária de Westchester, em Nova Iorque. Ambas as classes experimentais, com o comparecimento de cerca de quarenta estudantes, permitiam-lhes construir uma imagem de um bom ambiente.

2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_discussion 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_final2 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_final_postdiscuss 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_final_preptowatchcrossroads 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_final_watched_crossroads

2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_finalclass1 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_game 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_game1 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_game2 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_game3

2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_game4 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_groupwork 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_rounddiscussion 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_studentspresentbalancewithnature1 2013-08-07_kurs-integr-vosp_usa_workshop

Estes cursos informais, sem créditos, baseiam-se no ensino intensivo da língua falada pelos estudantes que vieram para os EUA para estudar negócios, engenharia e pesquisas médicas, etc. Entre eles havia vários futuros sacerdotes católicos, um instrutor de mergulho, tutores e babás, bem como jovens, preparando-se para uma variedade de ocupações nos Estados Unidos.

A idade média do grupo foi de 25 anos; o nível de educação anterior variou entre ensino médio e pós-graduação. A demografia geográfica incluiu: 30% – Ásia (China, Coreia, Japão), 40% – América Latina e do Sul, 5% – Oriente Médio (Síria, Irã, Emirados Árabes), 2% – Africano, 3% – Haitiana 20% – Europeus, Norte Americanos e Russos.

O nível avançado da linguagem e da educação dos alunos permitiu a construção de um programa baseado no treinamento em educação integral e nas entrevistas do programa “Nova Vida” com Dr. Michael Laitman sobre a vida no mundo futuro. Os alunos se reuniram com o professor e entre si numa aula de três horas por dia, cinco dias por semana durante três meses, o que permitiu ao professor usar a linguagem mais livremente como uma ferramenta de apresentação do nosso material, dando aos alunos um sentido de interrelação, o desejo de estar integrado e uma compreensão do novo mundo e seu papel e o potencial para alcançar a felicidade e o bom futuro juntos.

Os estudantes receberam os materiais de treinamento na disseminação da educação integral, artigos e vídeos para discussão. Os alunos se divertiram jogando jogos, constantemente trabalhando em grupos e criaram cinco projetos de equipe com apresentações visuais para demonstrar sua compreensão e a percepção do que tinham aprendido e para compartilhar seus sentimentos e impressões com relação à aula.

O curso continha mais de dez tópicos, incluindo: a diferença entre liderança e autoridade, o melhor caminho para o sucesso, se a concorrência é benéfica para as crianças, como encontrar o equilíbrio entre nós e a natureza, o que é uma pessoa adulta, e outros. Quanto mais eles trabalharam juntos, mais próximos se tornaram uns dos outros e mais profundamente sentiram como são semelhantes, apesar das diferenças de etnia, e quais são suas esperanças comuns para o futuro.

Há duas semanas, o diretor do programa veio ver o trabalho na sala de aula por uma hora e meia, e aconteceu dele assistir a uma apresentação da equipe sobre o tema do sucesso. Os alunos estudaram o sucesso de várias pessoas famosas e acharam que seu sucesso dependia da contribuição global de pessoas ligadas a um objetivo, uma visão e a lealdade à causa como uma família.

O que surpreendeu o diretor, bem como o professor, foi que alguns dos participantes concluiram sua parte da apresentação dizendo que as escolas ensinam-lhes muitas coisas, mas ninguém os ensina a viver e amar, e isso é o que eles gostariam de continuar estudando. Mais tarde, o diretor do programa disse que ficou impressionado com o fato de que os alunos aprenderam a trabalhar bem juntos, harmoniosamente em problemas complexos.

A sessão terminaou com a projeção do filme Crossroads com discussões em grupo em círculos, compartilhando experiências e usando jogos. O filme Crossroads foi usado como material visual, acadêmico, e os alunos adoraram o filme. Após o café, assistindo um filme e as atividades, os alunos foram convidados a partilhar suas conclusões sobre o que precisam para sobreviver no mundo e construir um futuro melhor.

Quase todo mundo respondeu “mudar a si mesmo e começar a estar integrado com outras pessoas”. Embora durante todo o período eles estivessem imersos no tema da educação integral, depois de ver o filme, eles encontraram fórmulas mais exatas de como mudar o mundo através de si mesmos – começando com pequenas ações no seu ambiente imediato, na sala de aula, em casa, com amigos, no trabalho e em seus países, para onde eles poderiam regressar em breve.

Esperava-se que alguns meses de treinamento em educação integral e um bom ambiente dessem a esses jovens, mas não a tais representantes ingênuos do povo do mundo, informações úteis sobre a vida e sentimentos que os ajudarão a determinar o que eles querem do seu futuro e o que precisa ser feito para parar de temê-lo.

Atualmente, alguns professores da universidade trabalham em conjunto para estruturar um curso de educação integral oficial, possivelmente com crédito no futuro próximo, para incluir o curso na universidade e depois fazer uma proposta para o Departamento de Educação do Estado de Nova Iorque e outros estados dos EUA a fim de ajudar a lançar uma reforma do sistema educacional.

O show de fotos: uma apresentação da equipe “Como chegar ao equilíbrio entre homem e natureza”, a projeção do filme Crossroads e eventos relacionados.

Comente