Uma Refeição Aquecida

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “A Paz”: … Quando todos os problemas, esforços e angústias que nos caem sobre nós ao longo do tempo parecem um anfitrião que se incomoda muito consigo mesmo para preparar uma grande festa para os convidados. E ele compara a meta prevista, que deve ser finalmente revelada na festa, cujos convidados participam com grande prazer. Por isso se diz, “e o julgamento é verdadeiro, e tudo está pronto para a festa”.

Assim, há uma refeição e os convidados devem ser convidados. Os convidados devem ter um apetite saudável, o que significa que devem estar com fome e ter uma deficiência que seja grande o suficiente para corresponder ao desejo do anfitrião. Ele preparou tudo para eles, mas o problema é que os convidados não podem ser indiferentes à refeição, mas devem realmente querer esse preenchimento. Seu desejo deve ser revelado de forma independente, de acordo com o seu livre arbítrio.

Nós sabemos como pode ser desagradável estar com fome se não houver uma refeição à vista. No entanto, não devemos vê-la antecipadamente, uma vez que, se a virmos, com isso diminuiríamos o nosso apetite e chegaríamos à mesa sem a preparação adequada, sem um desejo verdadeiro, que é a coisa mais importante.

Portanto, o inferior deve fazer algo a fim de se preparar para a refeição. Trata-se de uma preparação muito cuidadosa e “astuta”. Não é o anfitrião que desperta o convidado, mas sim o próprio convidado que prepara todas as deficiências necessárias para saborear com prazer todas as delícias que o anfitrião preparou para ele. Além disso, ele deve comer só por causa do anfitrião e não para seu próprio bem.

Não devemos usar o nosso apetite de forma natural. Não devemos ser preenchidos pelos prazeres que o nosso ego está acostumado. Primeiro nós temos que passar por toda uma série de correcções graduais, até que o convidado suba para o mesmo nível do anfitrião. Não, não se trata mais de uma refeição. Isto não está mais em primeiro lugar; desaparece. Seu espírito está acima da refeição e independente do alimento que é servido.

A criatura deve passar por uma série de mudanças graduais na sua deficiência. Primeiro, ela ansiava por prazeres materiais menores apenas para seu próprio benefício, totalmente separados do anfitrião. Durante a primeira fase, havia a necessidade do padrão mais simples de prazer e sofrimento, a fim de começar a experimentar esse sentimento.

Mais tarde, porém, o esclarecimento é dirigido para um nível superior e não apenas para receber os refrescos que o anfitrião serve. Nosso relacionamento se torna mais pessoal e novas perguntas surgem acima do cálculo do dar e receber, e novas camadas são reveladas.

É só o convidado que se desenvolve, é claro, até que ele sente que deve simplesmente devolver um favor ao anfitrião, pois, caso contrário, ele vai queimar de vergonha.

Mais tarde, descobre-se que o problema não é anular a vergonha, mas sim que é muito bom que eu sinta isto, uma vez que graças a ela, eu posso sentir a minha doação ao anfitrião e desfrutar muito mais do que qualquer alimento que está em cima da mesa. Não importa o quanto de alimento exista, está apenas no nível de Nefesh, e a chance de dar satisfação ao anfitrião já está no nível de Ruach.

Mais tarde, eu receberei os refrescos dele, mas só por causa dele, e este é já o nível de Neshamah.

No entanto, eu ainda sinto o resultado em mim, enquanto a verdadeira dádiva tem que ser incondicional, pura, sem esperar qualquer recompensa. Eu simplesmente quero dar, subir acima de qualquer resultado pelos esforços que fiz. Eu já passei por todo o caminho, e agora não quero nem saber que a minha doação alcança o Criador. A principal coisa é que Ele vai se sentir bem, e não importa se Ele não sabe de quem Ele recebe essa bondade, se é de mim ou de outros. Este é o nível da Luz de Haya.

Assim, nós podemos alcançá-lo independente dos cálculos entre o convidado e o anfitrião à mesa com os refrescos. Esta é a Luz de Yechida.

Ascendendo aos níveis de doação, a pessoa alcança o Criador.

Neste processo, apenas o convidado muda e a carência que ele adquire se torna a sua própria carência genuína. Ele deve ser separado do anfitrião, a fim de se deparar com uma nova carência a cada vez, apesar da revelação do Criador.

Nosso problema é manter o ponto de separação, o “algo a partir do nada”. O convidado confia neste ponto cada vez mais, e o enfatiza cada vez mais, pois sem este ponto, ele não tem o direito de existir.

A refeição e todas as Luzes e os vasos que estão relacionados a Ele permanecem apenas até o fim da correção, quando nós revelamos o anfitrião e estamos em adesão com Ele.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 19/7/13, Escritos do Baal HaSulam

Comente