A Crise Vai Nos Levar De Volta À Teoria De Marx

Dr. Michael LaitmanO nosso estado depende de como nós o avaliamos, de acordo com que valores. Uma pessoa recebe do ambiente uma escala de valores. Nós começamos o nosso desenvolvimento graças ao ambiente, quando descemos das árvores. Todo o desenvolvimento humano ocorre porque a sociedade promove que é necessário ser grande, forte e próspero. Assim começou o progresso da humanidade.

O desenvolvimento só é possível graças à comunidade. Se a sociedade não tivesse instilado novos valores em nós, além do que é exigido pelo corpo para a existência simples, nós teríamos permanecido como animais. Nós não somos diferentes deles, exceto pelo elemento de competição, que realizamos entre nós, um desenvolvimento devido ao ambiente.

O ambiente está evoluindo e nós estamos nos desenvolvendo junto com ele. Este desenvolvimento não é característica dos animais, apenas dos seres humanos. Um tipo especial de animal que pode crescer devido ao ambiente é chamado de ser humano neste mundo. E o tipo de ser humano que é capaz de se desenvolver ao desenvolver propositadamente seu ambiente é chamado de Cabalista. Trata-se de duas etapas que se elevam acima do nível animal: uma pessoa comum e um Cabalista.

Os Cabalistas desenvolvem seu ambiente para evoluir graças a ele, como se puxassem a si mesmo pelos cabelos. Pessoas comuns não fazem isso. A sociedade as desenvolve e as puxa em diferentes direções no mesmo plano deste mundo, mas não em direção a valores qualitativamente novos.

Assim, a humanidade evoluiu naturalmente até chegar a uma crise. O desenvolvimento baseado na competição leva a uma situação em que parte da humanidade é insanamente enriquecida e outra completamente empobrecida. A situação torna-se crítica porque não resta nenhuma classe média. Nós já passou a fase em que a sociedade tinha esperança em alcançar prosperidade universal, a realização do sonho americano que prometia a todos abundância pelo seu trabalho.

Mas isso é impossível; o egoísmo humano não vai deixar os ricos se sacrificarem nem um pouco. Ele vai forçá-los a manter 100% de sua riqueza. O máximo que eles vão se desfazer de si mesmos aos pobres é 0,1%, apenas para os pobres poderem de alguma forma sobreviver e servir aos ricos, mas não mais.

Portanto, nós voltamos à teoria de Marx porque o nosso ego nos separa dos polos antagônicos entre os quais a guerra é inevitável. A tentativa de construir uma sociedade de bem-estar pós-industrial desenvolvida falhou porque, neste caso, alguém tem que sacrificar seu lucro, o rico deveria compartilhar com os pobres. E por que eles devem, de repente, concordar com isso, se é possível espremer dos pobres tudo e deixar apenas o mínimo para que eles não morram de fome?

O nosso egoísmo nos priva da razão; você olha para o mundo e é surpreendido com o que acontece nele: os ricos estão se matando por suas ações, arriscando suas próprias vidas. Mas eles não conseguem parar. O ego está crescendo e forçando-os a agir dessa maneira.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 18/07/13, Escritos do Rabash

Comente