Não É O Lugar Que Santifica A Pessoa, Mas A Pessoa Que Santifica O Lugar

It Isn't The Place That Sanctifies A PersonPergunta: O que significa ser o “povo escolhido”? Por que escolhido? Para sofrer?

Resposta: Ele é escolhido para fazer um tipo especial de trabalho no mundo, e isso é expresso ao longo da história. Sim, a sua missão é difícil, e é realizada de diferentes maneiras.

Em primeiro lugar, a nação judaica deu ao mundo a Torá, a conexão com o Criador. Essa conexão foi adotada de diferentes maneiras por diferentes partes da Malchut geral, que são chamadas de “nações do mundo”. Elas perderam a ideia original e a utilizaram para o benefício próprio, cada uma a sua própria maneira.

Assim, as religiões (Cristianismo, Islamismo, Judaísmo) foram formadas, como nós sabemos, após a destruição do Templo. Diferentes crenças e métodos também surgiram a partir disso, cuja origem às vezes precede Abraão.

Em geral, o conceito de Divindade é interpretado de diferentes maneiras por cada um dos setenta vasos quebrados e seus descendentes. No nível individual, nós também percebemos a vida e as nossas relações com o mundo e com a Divindade de diferentes maneiras, cada um se relacionando com a vida à sua maneira.

Quanto ao povo escolhido, apesar de seus vasos quebrados, eles podem executar ações que visam à correção graças a sua preparação preliminar.

Ele passou por quase tudo que se possa imaginar e foi atirado para os lugares mais estranhos! No entanto, ele finalmente alcançou a “linha de chegada”, a última fase da autorealização. Esta fase pode durar décadas e envolve processos que eu preferia não falar, mas é assim mesmo, e a linha de chegada está se aproximando.

Estes são os resultados da preparação preliminar destes vasos onde existem centelhas da quebra, e, portanto, eles respondem de forma diferente a Luz que Corrige. A Luz derrama sobre todos igualmente, mas cada nação desperta de acordo com a sua singularidade, e todos avançam da sua própria maneira. A Luz atinge todos, mas o ritmo e o tipo de mudança são diferentes.

Se vocês vissem a Luz Circundante que vem e avança toda a humanidade, se soubessem a essência interna de cada nação, não teriam que assistir ao noticiário. Vocês saberiam exatamente o que iria acontecer com cada nação e cada indivíduo, mesmo sem seguir a notícia.

Pergunta: Mas, ainda assim, o que é o “povo escolhido”? Quem pertence a ele?

Resposta: Trata-se de um grupo de vasos, desejos, que têm certo Aviut (espessura). Eles são estão conectados a um grupo, a fim de realizar um trabalho coletivo e, assim, seguir em frente. Há uma centelha nesta nação que está separada do desejo egoísta, uma centelha que, no futuro, pode ser transformada numa força de doação, que cresce no desejo geral de uma pessoa.

Pergunta: Será que tem alguma coisa a ver com as pessoas que vivem em Israel?

Resposta: Não tem nada a ver com a localização geográfica. No entanto, ao mesmo tempo, esta nação tem condições externas especiais na terra de Israel e, consequentemente, condições internas que são diferentes das condições de outras partes da nação que estão dispersas por todo o mundo.

De um modo geral, existe uma ordem de desenvolvimento das diferentes partes da humanidade. Primeiro, é o nosso grupo global, depois a nação de Israel que vive na Terra de Israel, depois a nação de Israel que vive fora da terra de Israel, e depois o resto da humanidade, e isso é de acordo com a ordem de atração do povo para a correção.

No passado, a nação de Israel eram os vasos corrigidos que estavam além da Machsom (barreira), além do Parsa. Posteriormente, ela foi destruída e afundou-se na intenção egoísta, a fim de se misturar com AHP e, por fim, atingir o mais alto nível geral da correção do mundo.

Antes da destruição do Segundo Templo, estes vasos pertenciam à GE (Galgalta ve Eynaim). Eles tiveram que ser quebrados e penetrar os vasos das nações do mundo, já que o Criador realmente queria lhes dar primeiro a Torá. A “nação de Israel” é a fase de preparação, o elo. Ela precisa passar por todas as diversidades do seu destino, de modo que agora, finalmente, assegure a correção do mundo. Isso é o que nós estamos tentando fazer, ser a vanguarda, os pioneiros. Portanto, o povo judeu recebeu a chance de voltar à terra de Israel, e a partir daqui, voltar às suas raízes e começar a correção.

Pergunta: A terra de Israel é santa de qualquer maneira, no sentido geográfico?

Resposta: Não, mas a conexão com ela, mesmo no nível inanimado, já inclui a intenção altruísta.

A pessoa santifica a terra. A pessoa santifica a natureza inanimada, vegetal e animal. No entanto, nós não pertencemos ao nível “humano”, uma vez que ainda estamos no nível animal. Assim, a “Terra de Israel”, que significa o desejo de receber no nível inanimado – não é santa. Afinal de contas, eu não atribuo esse desejo a mim e santifico-o. Eu vivo na terra de Israel simplesmente porque me sinto confortável aqui. Se eu sentir pressão aqui, vou deixar este lugar, assim como aconteceu há dois mil anos.

Eu conheci muitos israelenses durante a convenção de Nova Jersey, e nenhum deles quer voltar, com exceção de alguns indivíduos que estão ligados a nós. As pesquisas mostram que os judeus nos EUA estão se afastando de Israel e não querem ser identificados com Israel. Eles preferem ser judeus americanos, como membros de outras nações. Embora eles estejam com raiva que eu escreva sobre isso no meu blog, estes são os resultados de pesquisas que eles realmente participaram. Eu vejo a mesma coisa em conversas e palestras que dou nos EUA.

Eu não os culpo, de forma alguma. É muito natural quando você vive num determinado país e está conectado a ele de forma egoísta e quer se sentir bem lá. Você pode se lembrar de sua terra natal uma vez por ano. A maioria dos judeus nos Estados Unidos, incluindo aqueles a quem eu conheci, nunca foi a Israel. O que eles realmente têm que fazer aqui?

Pergunta: Então, a pessoa tem que viver em Israel para completar a correção?

Resposta: Baal HaSulam diz que a pessoa que é atraída à espiritualidade é atraída à terra de Israel. Afinal, há algo aqui. Esta atração não pode ser expressa em palavras; ela é causada pela centelha em nós. É por isso que as pessoas que estudam a sabedoria da Cabalá vêm para cá, mesmo que não sejam judias. Elas sentem que a fonte está aqui, que este lugar é diferente e único, e que você se sente mais diferente aqui do que em qualquer outro lugar. Isso não tem nada a ver com a dinâmica e a qualidade da vida externa, mas com razões muito mais profundas.

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 14/05/13, Escritos do Rabash

Comente