Desemprego Ou Um Trabalho De Corrigir O Mundo?

Dr. Michael LaitmanPergunta: É necessário para aqueles que estão envolvidos no método de educação integral ter certa imagem e possuir um conhecimento específico, ou sua capacidade de unir-se corretamente com os outros é a única coisa que importa?

Resposta: No futuro próximo, toda a humanidade vai ficar desempregada. Mesmo agora, se quisséssemos nos limitar com o que é necessário para a vida, em vez de produzir inúmeras coisas inúteis apenas para comprá-las e depois jogá-las fora, se vivêssemos em harmonia com a natureza e criássemos uma sociedade normal, equilibrada, nós iríamos descobrir que não há nenhuma necessidade de trabalharmos.

Há uma quantidade enorme de recursos para satisfazer as necessidades de todos. Se fosse distribuída entre todos, seria suficiente para a vida.

Não importa o quê, nós estamos nos aproximando deste estado. Nós vemos que a cada ano o desemprego cresce e a necessidade de trabalhadores cai. A sociedade vai alimentar os desempregados, vesti-los, construir apartamentos para eles e assim por diante. No entanto, no que estas essas pessoas estarão gastando seu tempo? Elas estarão “ajustando” comunidades e toda a civilização, tornando-a assim integral.

Isso explica por que o método de educação integral fala não só das formas de atrair as pessoas para grupos e realizar seminários em parques com jardins verdejantes, mas centra-se no fato de que as pessoas estarão trabalhando como reformadoras do mundo. É um trabalho muito sério que tomará todo o seu tempo.

Elas serão responsáveis por uma distribuição correta dos produtos do trabalho social entre todos, servindo umas às outras. Todos esses processos vão ser impregnados com as corretas relações sociais. Antes de qualquer coisa, nós devemos ensinar às pessoas este método do ponto de vista das leis integrais da natureza que mantêm a colaboração correta nos níveis inanimado, vegetal e animal. É da exclusiva responsabilidade dos seres humanos abraçar esta natureza e tratá-la como elemento integral essencial.

A explicação das peculiaridades vai levar muito tempo. Elas devem ser explicadas detalhadamente com exemplos evolutivos, históricos e psicológicos concretos. Além disso, nós temos que continuar a desenvolver as pessoas culturalmente, já que mesmo sentimentos harmoniosos, que são construídos em conformidade com a regra da “seção áurea”, ainda precisam de um bom ajuste para que elas sejam orientadas em direção à união e a um entendimento mais profundo. Nós temos que estar no mesmo cumprimento de onda e entender grandes cientistas, poetas, escritores, músicos e assim por diante.

Claro, isso não significa que temos que transformar todos em sábios e esperar que eles sejam semelhantes aos grandes escritores medievais, poetas, músicos, médicos e cientistas, que conseguiram combinar estas grandes características numa pessoa. Ao mesmo tempo, todo mundo vai ter que avançar em inúmeras áreas como desenho, dança, música, ciência, e assim por diante, já que elas ampliam as pessoas internamente. Elas começam a compreender o mundo e a adquirir uma chance de se conectar com outras pessoas. Tornam-se muito mais desenvolvidas e ricas, tendo assim mais em comum com outros. Elas terão mais assuntos para discutir, mais pontos de interesse em comum e um maior desejo de compartilhar suas opiniões.

Não se trata de uma existência limitada, quando alguém ganha, compra e joga fora, ou na parte da manhã leva uma criança ao jardim de infância, e à noite, corre de volta para casa, tendo o mesmo cenário repetido todos os dias.

Nós devemos transformar as pessoas em seres humanos. Nos últimos cem anos (desde os filmes de Charlie Chaplin mostrava-se a produção em massa através de correias transportadoras e até hoje) as pessoas praticamente se transformaram em robôs. Por conseguinte, nós estamos diante de uma enorme quantidade de trabalho, que não se trata apenas de criar pessoas, mas também de educá-las.

Não há nenhum sentido em reunir as pessoas em seminários e convencê-las a dizer palavras bonitas, segurando as mãos umas das outras como se fossem crianças pequenas. Primeiro, nós temos que criar um ser humano dentro delas, ou seja, “deificá-las” e elevá-las para o nível de Homem. Adão deriva de “semelhante ao Criador”, bem como com a natureza.

Assim, apenas realizar seminários não é suficiente. Deve ser um trabalho muito sério durante todo o dia. Parcialmente, as pessoas gastarão o tempo cuidando de si mesmas e dos outros e tomando conta de todos ao seu redor. Por exemplo, nossos jovens estudam por meio-dia e, no resto do dia, eles participam criando materiais educacionais especiais.

Da Palestra sobre Educação Integral 04/04/2013

Comente