No Que A Se Alma Veste?

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “A Paz”: …apesar de vermos os corpos mudarem de geração em geração, este é apenas o caso com os corpos. Mas as almas, que são a essência do próprio corpo, não desaparecem, para ser substituídas, mas passam de corpo em corpo, de geração em geração.

“O corpo” representa o desejo de receber. Se a intenção de doar está presente nele, então, de acordo com a lei de equivalência de propriedades, a Luz se veste nele. A menor partícula elementar da Luz (o nível inicial da alma) é chamada de “Nefesh“. Em geral, a Luz que se veste num desejo corrigido pertence a um nível diferente da alma e é chamada de “Neshama“. Nós nunca revelaremos completamente as mais Luzes mais elevadas como Haya e Yechida até chegarmos ao fim da correção.

Na verdade, tudo o que existe é o vaso e a Luz. Ocorre que a Luz não pode surgir no vaso; portanto, ela “ilumina” um pouco o vaso para que ele possa permanecer vivo. Ocorre também que o vaso torna-se semelhante à Luz ao adquirir a intenção correta. O desejo de receber e a Luz são, por definição, antagônicos, já que a Luz está constantemente doando. No entanto, se acima do desejo de receber existe a intenção de doar (“fé acima da razão”, ou seja, a “Luz refletida”), então o desejo de receber se torna um pouco semelhante à Luz e, portanto, pode ser preenchido com a Luz, porque há uma conexão entre eles. A Luz que desce até o desejo de receber é chamada de “Nefesh“, “Ruach“, ou “Neshama“.

A sabedoria da Cabalá fala sobre o “corpo” corrigido do desejo de receber. Por outro lado, não há alma no nosso atual desejo, nem mesmo no nível de “Nefesh“. Nós não estamos falando de corpos físicos aqui, já que os corpos são uma parte deste mundo “ilusório”.

Os livros escritos por Cabalistas não são manuais médicos, nem são escritos como livros de anatomia. Eles falam sobre a espiritualidade e a alma. A “alma” é uma partícula do Criador, ou seja, do desejo de satisfazer e agradar. É a Luz que se veste num desejo de receber corrigido. Não tem nada a ver com os nossos desejos atuais que “alimentam” este mundo e pertencem ao nível “animal”. Não mesmo! Trata-se do nosso desejo em relação ao Criador que pertence ao nível “falante”.

Onde nós podemos encontrar esses desejos? Eles só podem ser encontrados no grupo de amigos, nunca em nossas sensações físicas. Isso explica por que devemos “pular” a fisiologia e tudo o que diz respeito ao corpo. A Cabalá não fala sobre essas coisas. Ela explora os desejos que surgem em nós quando buscamos o Criador: sejam aqueles que são desejos “bons”, de doação, ou “maus” quando “roubam” Dele.

Essas relações são muito bem descritas no exemplo do convidado e do Anfitrião. Quando eu me sento à mesa que está cheia de iguarias, não se trata do que está na minha frente, mas sim de quem é o Anfitrião. O restante refere-se ao nível “animal” e deve ser deixado nos bastidores. A questão é que eu estou sentado em frente ao Anfitrião! Como me relaciono com Ele? Como Ele se relaciona comigo? O que está acontecendo entre nós? Esta é a sabedoria da Cabalá, e tudo se refere à espiritualidade.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 08/03/13, “A Paz”

Comente