“A Desigualdade Está Atrasando A Recuperação”

Dr. Michael LaitmanOpinião (Joseph Stiglitz, professor de economia na Universidade de Columbia e Prêmio Nobel): “O longo mal-estar que a economia parece estar resolvendo e o crescimento dividem o 1 por cento do resto – uma desigualdade não só de resultados, mas também de oportunidade. Para mim, esses problemas são dois lados da mesma moeda: com a desigualdade em seu nível mais elevado desde antes da Depressão, uma robusta recuperação será difícil no curto prazo, e o sonho americano – uma boa vida em troca de trabalho duro – está morrendo lentamente.

“Há quatro razões principais para a desigualdade estar esmagando a nossa recuperação. A mais imediata é que a nossa classe média está muito fraca para suportar o gasto do consumidor que, historicamente, tem impulsionado o nosso crescimento econômico. …

“A segunda razão é o esvaziamento da classe média desde 1970, um fenômeno interrompido apenas brevemente na década de 1990, o que significa que as pessoas são incapazes de investir no seu futuro, ao educar a si mesmas e os filhos e ao iniciar ou melhorar negócios.

“Em terceiro lugar, a fraqueza da classe média está retendo receitas fiscais. ….

“Em quarto lugar, a desigualdade está associada a ciclos mais freqüentes e graves de expansão e desaceleração que tornam a nossa economia mais volátil e vulnerável. … O Fundo Monetário Internacional observou a relação sistemática entre a instabilidade econômica e a desigualdade econômica, mas os líderes americanos não têm absorvido a lição.

“A desigualdade leva à desigualdade política e um processo quebrado de tomada de decisão. A elevada taxa de desemprego, obviamente, deprime os salários. Ajustado pela inflação, os salários reais estagnaram ou caíram. … Desde a Grande Recessão, a maior parte do aumento da riqueza do país foi para o topo.

“Entretanto, como a renda estagnou ou caiu, os custos dispararam. …Nós poderíamos ter reconhecido que quando os jovens estão desempregados, suas habilidades atrofiam. Nós poderíamos ter a certeza que cada jovem estava na escola, num programa de treinamento ou num emprego. Em vez disso, nós deixamos crescer o desemprego dos jovens o dobro da média nacional. Os filhos dos ricos podem ficar em faculdade ou em cursos de pós-graduação sem acumular enorme dívida, ou realizar estágios não remunerados para reforçar seus currículos. Não é assim para aqueles no meio e no fundo. Nós estamos plantando cada vez mais as sementes da desigualdade nos próximos anos. …

“A globalização, e a forma desequilibrada que ela foi perseguida, mudou o poder de barganha dos trabalhadores: as empresas podem ameaçar mudar para outro lugar, especialmente quando as leis tributárias tratam tais investimentos no exterior de modo favorável. Isso por sua vez, enfraqueceu os sindicatos”.

Meu comentário: A desigualdade é o critério principal do nosso mundo: o egoísmo; ela só pode ser erradicada através da educação integral, que todos devem passar para que a humanidade possa se livrar de seu mal e sobreviver.

Comente