O Começo do Trabalho Espiritual foi Iniciado

Rabash, “A entrada para o Trabalho”: O início do trabalho deve ser em Lo Lishma (não por sua causa), o que significa que por acreditar no Criador “um” terá uma vida de prazer. Isto significa que, se ele faz isso, o que é chamado de fé, então ele se sente euforia e tem maiores poderes mentais do que ele tem quando ele não executa essa ação.

Acontece que esta é uma qualidade única pela qual ele pode provar gostos maiores em quantidade e em qualidade do que ele prova quando executa outras ações especiais que trazem o prazer… prazeres e qualidades únicas trazem-lhe prazeres limitados em quantidade e em qualidade. No entanto, a qualidade única de fé lhe traz prazer maior em quantidade e em qualidade. E tudo isso é chamado Lo Lishma desde que sua intenção era apenas a fim de atingir um maior prazer.

Somente depois que ele atinge o nível que é chamado LoLishma,ele é recompensado com outros fenômenos e chega a um estado mais elevado. Isso significa que ele não tem interesse próprio, mas todos os seus interesses e pensamentos são verdadeiros. Isto significa que sua intenção toda é apenas para anular-se na verdadeira realidade, sentindo que ele só tem de servir o Rei desde que ele sinta a supremacia do rei e sua importância.

Então ele esquece, o que significa que ele não tem necessidade de se preocupar com si mesmo de qualquer forma, uma vez que ele anula-se como uma vela na frente de uma tocha, porque ele sente a presença do Criador. Então ele está no estado de Lishma (por causa dela), para trazer contentamento ao Criador, e todas as suas preocupações e desejos são a forma como ele pode trazer prazer ao Criador. E a sua própria realidade, o que significa o desejo de receber, não existe. Em seguida, ele é considerado alguém que concede a fim de doar.

Acho que você já sentiu esses dois estados na convenção. O primeiro é quando uma pessoa anseia por receber o prazer espiritual para si mesma, se ela admite ou não, e faz isso apenas para benefício próprio. Com isso, ela espera atingir uma boa vida neste mundo e no outro mundo, para ganhar mais e mudar seu destino para melhor. Em todas as suas contas há apenas: “Eu, eu, eu”, e ela não pode sair desse quadro.

Isso acontece inconscientemente. Mesmo que uma pessoa tenta não levar-se em conta, no momento em que não tiver êxito, ela retorna gradualmente a si mesma cada vez. Em seguida, ela descobre que o auto-benefício, o interesse pessoal, sempre foi a “imagem” espiritual que ela desejava. Assim, sua participação no grupo, a inclinação para o Criador, o trabalho e os esforços dependem apenas de seu sentimento de que tudo isso iria pagar.

A realização de que ela opera apenas para si mesma já é uma revelação. Entretanto, ela executa ações sem a intenção correta, o que significa que age com a sua intenção natural egoísta, e não a fim de doar por não retirar a ação de auto-benefício.

Mas, graças a essas ações de LoLishma, ela passa por quatro fases de desenvolvimento: 1. para receber de modo a receber, 2. para doar a fim de receber, 3. para conceder a fim de doar, 4. para receber a fim de doar, e tudo isso está no estado de LoLishma.

Assim, ela esclarece o que é “permitido” e o que é “proibido” em Lo Lishma uma vez que esses quatro estados são os que determinam a combinação de suas ações e sua intenção. Mas, devido ao fato de que uma pessoa realiza todos esses “atos maliciosos” por causa de seu ego inato já que ela não tem escolha, a inclinação para o mal criada pelo Criador, a Luz superior opera constantemente sobre ela, e, gradualmente, pouco a pouco, a tira da escravidão do ego, limpando-a da intenção de, a fim de receber para si mesma.

Ela atinge o nível em que ela começa a pensar em auto-anulação, ela sente uma grande medida de graça e de atração, ela começa a valorizar devoção e auto-anulação, e não sob a pressão de sofrimentos, mas porque ela valoriza o atributo de doação se mais e mais, a tal ponto que ela acabou anulando a si mesma.

Se uma pessoa se aprofunda e trabalha nisso persistentemente, depois de um tempo ela recebe o atributo de doação da Luz: Então ela se esquece, o que significa que ela não sente necessidade de cuidar de si mesma de qualquer maneira desde que anule a si mesma como uma vela na frente de uma tocha, porque ela sente a presença do Criador.

Mas ela não anula a si mesma para benefício próprio, mas por elevar o estado real de auto-anulação. “Então, ela está em um estado de Lishma, para trazer contentamento ao contentamento ao Criador, e todas as suas preocupações e desejos são a forma como ela pode trazer o prazer Criador, e sua própria realidade, o que significa que o desejo de receber, não existe. Então, ela está em um estado de quem concede a fim de doar.

Começamos os esclarecimentos de auto-anulação na convenção de Arava. Nós a sentimos na massa geral dos participantes como um. Agora temos que continuar focando mais sobre esse ponto, de modo que todas as distâncias e as interrupções que surgem no tempo entre as convenções nos ajudem. Elas vão nos fornecer a densidade que precisamos anular a fim de anular a nós mesmos.

[98658]

Da Preparação para a Lição Diária de Cabala de 24/1/13

 

Comente