Convenção Das Mulheres: Uma Agradável Surpresa

Dr. Michael LaitmanPergunta: A Convenção surpreendeu muitas mulheres. Acabou sendo uma transição brusca: da obrigação de estarem juntas em torno dos homens, mas cada mulher por si mesma, para o estado de “uma mulher unificada”.

Resposta: O mundo mudou, e agora o estado se manifesta quando temos que dar um passo adiante. As circunstâncias obrigam isso e não há como fugir disto.

Eu nunca pensei que teria que lidar com grupos de mulheres, conversar com as mulheres sobre Cabalá, sobre a correção, educação, e tudo mais. Falar sobre a criação dos filhos tudo bem, mas não sobre a criação de uma imagem unificada da mulher.

Mas, de repente, surge a necessidade de unir as mulheres ao redor homens para empurrá-los para frente. A propósito, eu já falei sobre isso há alguns anos atrás. Então, na Convenção, nós tiramos uma foto, criando um círculo na forma de um coração, homens dentro, e as mulheres em torno deles, como que os pressionando, como se exigindo a espiritualidade.

A hora chegou quando surgiu a necessidade das mulheres não ficarem apenas atrás dos homens, e cada uma delas empurrando o marido para frente, mas de se unirem entre si na imagem da mulher unificada, que está pronta para estar na frente de nós, a imagem unificada dos homens.

Esta circunstância do próximo nível surgiu tão de repente que até me surpreendeu. Em princípio, eu estou habituado a todos os tipos de mudanças (por quantas já passei!), mas estas mudanças eram novas para mim.

É por isso que nós precisamos entender que estamos entrando num nível completamente novo, uma subida à correção espiritual. Se trabalharmos com isso e pudermos fazê-lo muito rapidamente, vamos receber a revelação espiritual, a séria fusão com o mundo superior. Nós vamos começar a sentir um pouco como este “respira” sobre nós, esperar  que ele se aproxime. Eu realmente espero que isso aconteça.

Da Lição Virtual 06/01/13

Um Comentário

  1. Por favor, tenho alguns comentários e duas perguntas a fazer:

    Sou nova nos estudos do Bnei Baruch e algumas colocações ainda não entendo. Como, por exemplo, sobre “mulheres unificadas”, “necessidade das mulheres se conectarem e/ou trabalharem em conjunto” porque isso na minha vida sempre aconteceu e eu nem sabia que algumas mulheres poderiam ser diferentes e “isoladas” e precisasse acontecer uma convenção para uma conscientização. Sou filha de um cabalista (ocidental) e desde que nasci já tenho estes conceitos incutidos em mim, sempre atuei juntamente com outras mulheres e quanto aos conceitos cabalistas, sempre os apliquei independente de me ligar a um homem…

    Para não estender muito meu comentário e ir direto à minha pergunta, apenas cito que, recentemente me ofereci como voluntaria numa instituição judaica e fui recusada porque meu sobrenome não é judeu (ainda que seja considerado sobrenome próprio de judeus convertidos à força ao cristianismo e eu tenha voltado ao judaísmo por minha própria vontade), entro aqui e me deparo com a necessidade de convenção para conscientização das mulheres… Desculpem se pareço irônica, minha intenção é mesmo sanar minhas duvidas mas minha principal pergunta é:

    Esta sociedade fechada, essa visão limitada não é contraria ao que a Cabalá ensina que é o compartilhar, doar incondicionalmente? Se as pessoas ainda precisam ser convencidas da necessidade de união e doação, quando é que entenderão a essência simples que é amar e se doar incondicionalmente?

Comente