Textos arquivados em ''

Tornar-se Aluno Do Criador

Na atitude de uma pessoa para com o Criador, devemos primeiro desenvolver a importância da parte superior dentro de nós, o que é chamado de “fazer de si próprio um Rav ” para que o Criador se torne grande aos nossos olhos. Agora Ele está escondido e não sentimos que Ele é importante. E na medida em que ganhamos a fé no Criador, apesar de não vê-lo, mas desenvolvemos o sentido da sua importância com a ajuda do grupo, o Criador parece grande para nós. Então, nós estamos prontos para fazer todo tipo de ações, a fim de conectar-nos a ele. Este é todo o nosso trabalho com o Criador.

Eu venho ao grupo, começo a estudar, oiço e tenho a oportunidade de descobrir a realidade superior. Enquanto isso, ela se esconde de mim e eu não sinto isso, não entendo, não vejo nada, mas eu já tenho um desejo para ela, que não está muito claro ainda, e quero cumpri-lo.

É difícil para mim viver sem cumprir esse desejo, sinto que a vida é vazia e sem sentido. Tudo o que eu tenho , perdeu o seu significado e se tornou insípido. Disseram-me que eu não sinto o Criador uma vez que meus atributos são opostos dos Seus, como eu tenho certos atributos na minha realidade atual que eu não escolhi.

De acordo com estes atributos , eu percebo a realidade de acordo com a lei de equivalência de forma. Sabemos que é possível captar um determinado comprimento de onda só pelo detector apropriado. Eu vejo cores e oiço sons apenas de acordo com os meus sentidos que podem perceber e descobri-los porque eles têm os mesmos atributos que o fenómeno observado. Tudo é de acordo com a equivalência de forma.

Assim, de acordo com meus atributos, vejo apenas um fragmento minúsculo do mundo que está diante de mim. Este fragmento é o mundo que eu sinto e vejo. Pode haver milhões de outros fenómenos ao meu redor que eu não percebo, já que não desenvolvi o sentimento e os sentidos por eles.

Toda essa realidade é chamado o “Criador”. Ele criou toda esta realidade, mas Ele me mostra apenas um pequeno fragmento dele em que eu possa viver e desenvolver-me independentemente, a fim de descobrir e senti-Lo.

Eu desenvolvo os meus sentidos por mim, e assim eu entendo o que eu faço e o que eu sinto. Assim torna-se o meu sistema, porque eu desenvolvo meu próprio sistema por mi mesmo, desenvolvendo e melhorando a mim mesmo. Por isso, eu construo a imagem do Criador dentro de mim, até que eu sinta toda a realidade completamente. Isto significa que eu tenha recriado a imagem de toda a realidade externa, a imagem do Criador, dentro de mim. Portanto, eu sou chamado Adão, um ser humano inteiro, que se assemelha (Domeh) com o Criador.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabala de 23/01/13, Escritos do Rabash

A Parte Instrutória Do Mundo

Nunca nos é revelado de antemão o que temos de fazer e como o fazer. O Criador está oculto, o Seu sistema está oculto, são-me dados vários meios com os quais eu consigo tentar recriar o sistema dentro de mim. É-me dada apenas uma certa parte do sistema do Criador como um exemplo e pedido para criá-lo por mim. Então descubro que tenho os exactos atributos opostos em respeito às propriedades que tenho que criar. Mas também isto é ajuda, desde que me é mostrado o exacto oposto! Tenho que encontrar este oposto, para compreendê-lo e senti-lo, e das propriedades opostas adivinhar o atributo certo.

Isto significa que aprendo porque sou corrompido desta forma e porque devo concordar com o oposto apesar da minha relutância. De forma a realizar isto, tenho que me anular, baixar a minha importância e aumentar a importância do Criador. Estou numa luta e não concordo em rebaixar-me.

Por exemplo, existem pessoas a quem eu mais odeio, que me causaram tantos problemas, que eu não quero ver e que despoletam raiva em mim quando as vejo. Agora tenho que desenvolver uma atitude diferente em relação a elas, a atitude oposta. Começo a descobrir que minhas intenções são opostas às intenções que me são apresentadas como desejáveis.

Sou trazido até ao grupo e é-me dito para me conectar com eles e para os amar. Se começo a amá-los, irei corrigir a minha percepção e os meus sentidos e calibrar-me-ei ao sentido e revelação do Criador. Posso senti-Lo nos meus amigos, nesta relação corrigida que eu crio. Apesar dos amigos, irei sentir o Criador. Não existem amigos; existe apenas o Criador.

Tudo isto é graças ao facto de eu ter estilhaçado o meu ego e invertendo-o, retorcido de dentro para fora, por ter modificado minhas atitudes em relação aos meus inimigos de ódio a amor, de rejeição a conexão. Mas faço tudo isso de forma a construir um sistema de compatibilidade para com a força superior. Desenvolvendo e implementando a importância do Criador de maneira a trazer-Lhe contentamento sem qualquer conexão a mim, eu trago-Lhe contentamento de uma forma que Ele nem mesmo me veja, tal como eu não O vejo agora. Ele não sente que vem de mim, tal como eu não sinto que tudo vem Dele. É como se Ele, como se, me ignorasse, tal como O negligencio agora por causa da ocultação e por isso Ele deixa-me sentir que realmente me oculto. Estou pronto para que Ele me ignore e que Ele não saiba nada de mim, desde então minha doação, minha atitude em relação a Ele será justamente a Sua atitude em relação a mim, de acordo à maneira que me parece de momento.

Por tudo isto aprendemos a atitude correcta em relação ao Criador acima do nosso desejo corrupto. Isto significa que corrigimos o nosso desejo e nossa atitude e por isso atingimos doação. Isto significa que desenvolvemos o sentimento da importância do Criador de forma a conectarmo-nos a Ele.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabala de 23/01/13, Escritos do Rabash

Síndrome Da Pipoca

Pergunta: Quando o vicio do ego nos rejeita e nos lança para fora da meta, nós vamos para o grupo para receber ajuda. Ao mesmo tempo, como podemos não apagar ou extinguir essa nova situação? Porque ela precisa de nos trazer benefício.

Resposta: Depende do grupo: ele deve ser como um comando, ele precisa de valorizar a labuta.

Pergunta: De tudo isso o que depende de mim?

Resposta: Eu estou feliz com a minha conexão com o grupo, e eu sinto muito se não estou ainda em adesão com o superior. Você precisa imaginar o estado desejado e, em seguida, a falta de estar em conformidade com a atual realidade dentro de você, você vai convidar tristeza que deve se tornar mais tarde em dores de amor.

Vamos supor que eu atingi um estado espiritual, e então o que chamamos de “Eu bati com a cabeça” e de repente me esqueci o objetivo e me vi em algum lugar, no cinema. Eu gosto de comer pipoca , beber Coca-Cola, e ver um filme interessante, isto não é sofrimento, mas o prazer de desconexão com a coisa principal. Além disso, eu gosto não só de prazeres animais, mas além disso, estou desconectado da espiritualidade.

Mas, então, a falta de sentido na minha vida de novo me faz lembrar de sua existência, e eu começo a voltar. Eu volto ao grupo novamente, ouço os amigos, e anulo-me a eles por falta de escolha, até que novamente começam a influenciar-me com a importância do Criador, a importância da meta. Eles lavam o meu cérebro com propaganda descarada que é misturada com uma mentira, mas eu intencionalmente passo por tudo isso e, eventualmente, o objetivo torna-se importante para mim.

Então eu recebo com amor tudo que eu experimento: o esquecimento, o prazer do cinema, e da descida do valor da espiritualidade nos meus olhos. Se eu quero ou não, isso vem do Criador e eu tive que passar por isso, a fim de ser corrigido.

Agora eu começo a recolher dentro de mim outros sofrimentos, tormentos do amor, porque eu, como se quiser alcançar a adesão e conexão, mas, eu não tenho sofrimento por isso, ainda não estou arrependido por não estar lá, eu não tenho uma deficiência, ou mesmo a ausência de deficiência. Eu só tenho um botão pequeno de alguma coisa, e desta grande distância, começo o caminho.

A questão que se coloca é: o que estou eu a sofrer? Que o Criador, por assim dizer, está rejeitando e atirando-me para fora? Ou que eu ainda não alcançei o objetivo? E aqui o principal é preocupar-me que o meu sofrimento seja sempre doce. Porque o que quer que aconteça, eu recebo tudo do Criador e, portanto, cada estado tem de ser justificado e junto à meta, onde todas estas situações receberão adoçante e correção.

Baal HaSulam escreve na Carta 5: Eu estou feliz por essas corrupções reveladas e as que estão a ser reveladas. O quanto eu reclame e lamente as corrupções que ainda não foram reveladas, e serão reveladas, porque a corrupção que está escondida está perdida, e uma grande salvação do Céu é sua revelação.

Da 4ª parte da Lição Diária da Cabala 23/01/13, Shamati # 9

Desejos Materiais Como Uma Ajuda Para Desenvolver Uma Alma

Pergunta: Quando se passa para o próximo nível espiritual a aspiração por dinheiro é transformada em uma certa propriedade anti-egoísta chamada de “tela“. Então em que é que o desejo sexual se transforma?

Resposta: Nem desejos sexuais, nem desejos de riqueza, poder, fama, ou quaisquer outros desejos egoístas de nosso mundo aparecem transformados no próximo nível. Todos eles são apenas desejos egoístas ao nível do nosso mundo. Por conseguinte, nós simplesmente realizamos uma restrição sobre eles.

No próximo nível, novos desejos aparecem: desejos de se tornar próximo e os seus opostos, desejos para a rejeição. Todos os desejos voltados para a rejeição são os de egoísmo que têm que ser corrigidos. E se você quiser comer dois jantares ou desfrutar de algo mais, estes não são os desejos que uma pessoa precisa de corrigir.

Pergunta: Será que eles têm de se desenvolver no seu máximo?

Resposta: Quando você está envolvido no avanço espiritual, você, obviamente, está limitando-os. Isto significa que quando eles despertam você tem que realizá-los de alguma forma. No entanto, eles são apenas o meio para a sua alma avançar, assim como é o seu corpo.

De KabTV de “Conversas com Michael Laitman”, 3/11/12