Superando O Auto-Engano

Dr. Michael LaitmanPergunta: Nós estamos falando de uma pessoa que está conectada ao grupo. E a pessoa na rua que vê, sente, reage, e escolhe? Isso é uma superposição de todos os desejos, o resultado coletivo de toda a pessoa, todo o desejo mundial?

Resposta: Depende da localização do observador.

Se o observador sou eu, eu posso dizer que tudo o que vejo em torno de mim agora é uma manifestação do Criador. Por um lado, é Ele quem brinca comigo desta forma. Por outro lado, tudo o que eu sinto fora de mim é parte da minha alma. O que eu sinto em mim é meu Eynaim Galgalta, e tudo o que sinto fora de mim são minhas partes que ainda não consigo conectar a mim porque entre eu, a minha parte interior, e as partes fora de mim, há o egoísmo que não me deixa percebê-las corretamente.

Ou seja, a minha alma geral foi quebrada em duas partes, e uma das partes eu percebo como minha, e a outra parte não. Eu não sinto que ela é minha. Pelo contrário, sinto-a como oposta a mim, eu a odeio, não gosto, não quero senti-la como minha.

Esta visão foi criada em mim artificialmente. No entanto, eu preciso encontrar o caminho para senti-la como minha. Na verdade, ela é minha, mas eu a vejo de modo tão estranho que machuco àqueles que estão ao meu redor, todos os tipos de objetos inanimados, vegetais, animais e humanos, e desfruto prejudicá-los. Como pode ser? O superior sou eu, mas quanto mais eu os submeto e uso (a minha parte externa pela minha parte interna), mais confortável, melhor e mais feliz eu me sinto; eu gosto disso.

Este é um terrível engano. Então, a pessoa começa a revelar que por machucar a todos e, assim, perturbar o equilíbrio no mundo, ela fere os elementos mais próximos a ela, aqueles que estão muito mais próximos dela do que seus filhos, do que ela mesma. Na realidade, estes são os Kelim (vasos) que são mais caros para nós. É uma condição horrível chamada “tormentos do inferno”. Mas depois a sua redenção dá à pessoa novas oportunidades.

Portanto, tudo depende de como eu olho para o que está fora de mim mesmo: ou de acordo com o princípio “Não há ninguém além Dele”, ou como partes da minha alma, que, em princípio, é a mesma coisa.

Quando a pessoa se conecta ao método Cabalístico, quando ela vai ao Criador e se une com todos os outros, isto é, com todo o universo e o Criador, então, naturalmente, tudo se torna um: era o Criador diante de mim e Ele me mostrou que tudo aquilo era partes minhas.

Da “Lição Virtual sobre Fundamentos da Cabalá” 23/09/12

Comente