“Porque As Crianças Protestam Para Ir À Escola: Mais Uma Incompatibilidade Evolutiva”

Dr. Michael LaitmanOpinião (Peter Gray, Ph.D., professor de psicologia na Faculdade de Boston): “A maioria das crianças em nossa sociedade protestam para ir à escola. Eu estou lhe dizendo algo novo? Elas protestam de muitas maneiras: fingindo doença, arrastando os pés na parte da manhã, fazendo o mínimo possível para atender às demandas da escola (ou não fazem nem isso), e violando as regras da escola quando podem escapar delas. …

“Será que essas crianças são apenas ingratas mimadas? Se assim for, então você e eu, e, basicamente, todos os outros que sempre frequentaram a escola depois que o ensino se tornou obrigatório, também foram ingratos mimados. Nós todos protestamos. Na verdade, de volta aos dias em que as escolas se tornaram obrigatória, as crianças protestavam ainda mais do que agora, mesmo que houvesse muito menos do que então. Elas tinham que apanhar com varas de bétula para fazê-las permanecer na escola e fazer o que os professores lhes diziam para fazer”…

“Como eu disse em um dos primeiros ensaios neste blog, os meios pelos quais as crianças foram educadas em culturas de caçadores-coletores eram o oposto dos meios pelos quais tentamos educar as crianças em nossas escolas hoje. Um dos valores mais queridos em todos os bandos das sociedades de caçadores-coletores que já foram estudadas por antropólogos, é a liberdade. Caçadores-coletores acreditavam que é errado coagir uma pessoa a fazer o que ela não quer fazer e eles consideravam as crianças como pessoas. Eles raramente faziam sugestões diretas, porque isso pode soar como coerção”.

“Eles acreditavam que as pessoas, por iniciativa própria, iriam aprender a contribuir para o bem-estar do bando, pois iriam ver a sabedoria do fazer e experimentar sua alegria. Por centenas de milhares de anos, este foi o princípio de organização da sociedade humana”.

“A vida de caça e coleta exigia iniciativa pessoal e criatividade, e exigia a confiança de que as pessoas iriam compartilhar e cooperar porque queriam. As pessoas pareciam entender isso, e também pareciam entender que as crianças cresceriam melhor para serem livres, com confiança, cooperativas, adultos criativos, se fossem autorizadas a ter liberdade durante toda a sua infância, no contexto da comunidade moral e modelos que o bando fornecia”.

“Durante o nosso imenso período de caçadores-coletores, as crianças eram livres para brincar e explorar todo o dia, dia após dia, e dessa maneira se educar. A educação sempre era autodirigida”.

“Na verdade, a razão pela qual as crianças são naturalmente tão brincalhonas, curiosas e sociais, é porque esses traços eram as forças motivacionais por trás das habilidades das crianças de se educar. Esses traços “infantis” foram promovidos e moldados pela seleção natural, exatamente para servir à educação, em condições de liberdade infantil”.

“Portanto, quando nós forçamos as crianças a se sentar em seus lugares e a ouvir um professor, e fazer apenas o que lhes é dito, cada osso do seu corpo, e cada neurônio e músculo, resiste. Seu corpo lhes diz: ‘Isso está errado. Eu preciso controlar minhas próprias ações; eu preciso participar com as habilidades que parecem ser importantes para mim; eu preciso explorar as questões que me deixam curioso, não as que me incomodam; eu preciso prestar atenção ao que as pessoas no mundo real estão fazendo, não ao que este professor, que nem parece fazer parte do mundo fora da escola, está me dizendo. Se eu não faço essas coisas que preciso fazer, eu não vou crescer para ser um ser humano competente e digno’. Nos tempos dos caçadores-coletores, a criança que não se sentisse tão fortemente impulsionada a administrar a sua própria vida e educação teria crescido para ser uma desajustada”.

“Portanto, nossas crianças têm instintos que as levam a se educar através de sua liberdade de ação, exploração e socialização. Mas nós temos escolas que insistem que elas desistam dessa liberdade e façam o que lhes é dito para fazer. As escolas nunca funcionaram bem, e até mesmo, em teoria, não podem trabalhar bem, porque sempre colocam a escola contra a criança e, assim, causam resistência”.

“Esta abordagem radical é para deixar que os nossos filhos se eduquem, enquanto nós fornecemos as condições que tornam isso possível”.

Meu comentário: É isso que a educação integral fornece às crianças.

Comente