Não Tenha Vergonha De Brincar

Dr. Michael LaitmanO primeiro grau espiritual é o mais difícil. Que trabalho uma criança pequena realiza para dar seus primeiros passos. Quanto trabalho é para ela captar alguma coisa, dizer a primeira palavra. Quanto esforço interno a natureza faz ela realizar. Por quê? Por que não podemos nos desenvolver pacífica e livremente?

Veja como as crianças mais velhas agem sem parar, sete dias por semana. A criança pode ter febre alta, e ela ainda brinca, joga, quer alguma coisa. Sem perturbações, nada a impede; ela é tão teimosa e persistente. E nós precisamos seguir seu exemplo. Nós temos que fazer a mesma coisa para entrar no mundo superior, para nos tornar adultos.

Bem, depois de tudo, isso é conhecido e compreendido, mesmo que ainda não totalmente. A mesma criança que já sabe andar e falar, com a idade de quatro, cinco, seis anos, inicia um processo completamente diferente de adquirir conhecimento, com mais consciência. Aqui, no processo de atingir o estado superior, nós adquirimos ferramentas mais conscientes. Nós já passamos a primeira fase, já sabemos como conectar, com quem “brincar”, como uma criança, que com a idade de três anos adquire o sentido daqueles a sua volta e começa a entender um pouco que é melhor brincar com eles do que sozinha.

Assim, nós desenvolvemos relações com os outros: o modo como podemos interagir com eles, como é possível se desenvolver muito sabiamente, mutuamente, através da construção de nossos “jogos”.

É por isso que brincamos muito. Parece absurdo, mas na verdade, são jogos muito sérios. Nós não queremos isso, nos sentimos ridículos. Afinal de contas, nós somos adultos, pessoas sérias! O que vamos fazer? Vale a pena perder tempo?

Na verdade, sim, se entendermos que o desenvolvimento de novas propriedades em cada fase do processo ocorre da mesma maneira como nas crianças; em jogos, em workshops, em todos os tipos de ações comuns, nós temos a possibilidade de nos aproximar uns dos outros e, assim, atrair a Luz superior até nós.

Embora a nossa mente egoísta veja essas ações como irracionais, fúteis e infantis, na verdade, elas são os maiores exercícios, porque queremos ir contra a nossa natureza.

Então, depois de ter subido ao primeiro nível, nós temos uma recarga substancial da mente, a compreensão do esquema inicial, como uma criança pequena que já tem experiência em nosso mundo e compreende até certo ponto o que é bom e ruim, como avançar, para onde levar os brinquedos e como usá-los, como se desenvolver, aprender algo novo, etc. A criança começa a entender como usar o mundo adulto para seu avanço. O mesmo ocorre conosco em relação ao mundo superior.

Assim, o importante para nós é subir ao primeiro grau. Depois, tudo ficará claro para nós, compreendido. Depois disso, ninguém vai fugir de nossos grupos e voltar para a vida de novo, porque nesta vida ele não tem a paciência de descobrir a camada superior.

Nós temos que nos apressar em chegar a esse nível, para que possamos ajudar a todos. Para este fim, nós recebemos um despertar para o próximo nível. Nossa tarefa é revela-lo, para alcançá-lo. Na medida em que nos esforçamos em realizar esse esforço para o bem de todos, essa será uma manifestação de nossa atração para doação. Assim, nós receberemos uma parcela ainda maior da Luz superior.

Da Convenção na Carcóvia “Unir para Ascender” 17/08/12, Lição 1

Comente