Descarte Os Óculos Distorcidos

Dr. Michael LaitmanPergunta: Você poderia dar um exemplo específico de uma correta relação familiar? Eu ainda não entendi completamente isso. 

Resposta: Por exemplo, a mulher pensa que seu marido não a está apoiando; ela se sente solitária. No entanto, ela precisa tratar e falar com ele, como se sentisse seu apoio cem por cento. Em vez de ficar chateada de que ele não lhe dá nenhum apoio, ela lhe agradece por ser tão útil e apoiador. Como o marido vai responder? 

Em primeiro lugar, ele vai ficar chocado porque pensava que ela ia começar a brigar com ele. Ele vai pensar que ela está sendo sarcástica, mas esta situação não está apenas  invertida. Aqui temos algo oposto que vem de outro oposto e de outro oposto. Isso é porque ela vê falhas em você, e as aplica em si mesma e lhe diz que o que teria realmente visto em você se seu egoísmo não tivesse ficando no caminho. 

Pergunta: Eu não entendo como posso dizer o oposto do que sinto! 

Resposta: Por favor, entenda que nós não vemos o mundo. Nós só vemos a nos mesmos! Cada pessoa tem um filtro diante dos seus olhos que só lhe permite ver o que é bom e o que é ruim para si. 

Isso é para que eu possa me distanciar das coisas que me prejudicam e me aproximar das coisas que são boas para mim. Eu vejo o mundo muito seletivamente. 

Eu não conheço e não estou familiarizado com o mundo real, que existe fora de mim, do outro lado das minhas mãos que uso para cobrir meus olhos. Eu não entendo e não sei nada disso. 

Ele se apresenta a mim do jeito que meu desejo egoísta o pinta, mas quando começo a perceber esse desejo egoísta como um inimigo, e desejo ver o mundo como bom, desejo remover esses óculos egoístas e distorcidos, e, para isso, eu também falo bem sobre todas as coisas que vejo como más.

Isso não significa que eu estou mentindo para você, porque trato você como uma mãe trata seu filho, e gosto de todas suas qualidades. Isso é como eu o verei depois de remover os óculos egoístas, porque só um mundo perfeito existe fora de mim. 

Pergunta: Mas eu ainda estou usando esses óculos distorcidos e críticos! 

Resposta: No entanto, você deseja ver além deles. Elevar-se acima de seu conhecimento. Seu egoísmo natural está soldado nestas lentes. Eis porque você só vê falhas em sua parceira quando você olha para ela. 

Se estes fossem óculos normais, você simplesmente os tiraria e os jogaria fora, mas estas lentes estão implantadas em você, e por isso você deve aceitar tudo o que é mau como bom. Lembre-se, você está olhando através de óculos distorcidos. 

“O amor cobre todas as transgressões”. Isso significa que não restará nenhum crime, só o amor, em vez dele. Você ama tudo em sua parceira. Você simplesmente não percebe quaisquer falhas nela porque o hábito se torna uma segunda natureza. Tente tão arduamente quanto puder até isso que se torne um hábito! 

Vamos decidir que, a partir deste momento, iremos nos comportar em casa como se fôssemos ambos perfeitos e não houvesse nenhuma contradição entre nós, como se realmente quiséssemos fazer tanto bem quanto pudéssemos um pelo outro e fossemos como um só corpo, não fisicamente, na cama, mas emocionalmente, internamente. Você vai ver que tudo isso se materializou depois de uma série desse tipo de exercícios. 

No entanto, naturalmente, aqui você não pode fazê-lo sem a pressão social do ambiente. Você nunca deixa este workshop interminável. Você simplesmente existe dentro dele, e de repente verá que a natureza dentro e fora de você começa a mudar. Você verá que o mundo será diferente, bem como você mesmo e todos os seus relacionamentos. Tudo vai mudar. Como está escrito, “Eu vi um mundo oposto”.

Este parece ser um exercício psicológico, mas há muita profundidade nele. Nós precisamos de uma força coletiva que nos influencie e ajude a começar estes exercícios. No entanto, há uma condição muito importante aqui: neste grupo o professor precisa vir da comunidade do Bnei Baruch.

Da “Nova Vida” 12/07/12

Comente