O Cérebro: Um Segredo Inacessível À Ciência

Dr. Michael LaitmanPergunta: Os estudos atuais mostram que os neurônios no cérebro tornam-se flexíveis quando se conectam. A “matéria” permanece a mesma, mas as conexões mútuas nela mudam. É possível fazer uma analogia entre a “matéria” do cérebro e a “matéria” do desejo de receber?

Resposta: Nós nunca seremos capazes de compreender a forma como o cérebro opera usando as ferramentas científicas “corpóreas” padrão. Eu suponho que os cientistas já entendem isso. O cérebro depende de seu estado atual, e os dados neste campo dificilmente permitem aos pesquisadores chegar a todas as regras estatísticas ou encontrar alguma consistência. O cérebro não é apenas “um quilo e meio de massa cinzenta”. Ele muda constantemente e, embora nós classifiquemos as funções de todas as suas partes, elas ainda podem desempenham funções totalmente diferentes.

Na “cabeça” do Partzuf espiritual, onde as decisões são tomadas, há uma Luz Direta e uma Luz de Retorno, a conexão entre o Criador e a criatura. É o mesmo em nosso cérebro, mas num nível diferente. Então, se não descobrirmos a parte do Criador em nós, não seremos capazes de descobrir os princípios do trabalho do cérebro. Isto porque metade da imagem dificilmente pode ser vista na neblina e não sabemos o que a opera.

No conjunto, nós podemos comparar o nosso cérebro a um detector, a um receptor que recebe sinais do espaço que nos rodeia. Portanto, não há grande razão examiná-lo separado deste espaço. Se estudarmos apenas o cérebro em si e deixarmos a sua conexão com a fonte dos dados fora da imagem, nunca saberemos algo. Isso ocorre porque o nosso cérebro percebe importante informação externa de algum campo.

Nós somos construídos de maneira definitiva: nossa natureza é dividida nos níveis inanimado, vegetal, animal e falante; nós nos dividimos em Partzufim, Sefirot, em partes de acordo com a espessura do desejo (Aviut) e da pureza da Masach (tela), mas na verdade na espiritualidade tudo é um, e tudo é uma totalidade onde nós existimos. É onde estão o passado, o presente e o futuro, as três fases do nosso desenvolvimento, está tudo lá.

A atividade cerebral é como um receptor ou uma atividade mútua dentro de um sistema, que eu percebo apenas conforme a minha própria doação. Nós podemos dizer que o cérebro é parte do sistema geral. Mas, na verdade, o cérebro, a mente, está espalhado por todo o Ein Sof (Infinito), que uma pessoa deve realmente alcançar. Nesse meio tempo, só sentimos partes dele.

Eu não acho que a ciência vai continuar seguindo a abordagem antiga. Chegará um momento em que os cientistas vão parar, mudar a sua abordagem, e começar a descobrir um nível superior, assim como no passado a humanidade deixou de usar um motor a vapor e passou a usar um motor a combustão interna. Pesquisadores do cérebro vão querer subir para a “camada de informação” que está acima do nosso mundo. É só a partir daí que eles serão capazes de continuar com seus estudos, enquanto que a abordagem atual não levará a nada.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 16/07/12, “Introdução ao Livro do Zohar

Comente