Leis sem falhas

Pergunta: Ao descrever nossa condição, Baal HaSulam cita o exemplo de um verme vivendo em um rabanete que, eventualmente, sai para a luz. Suponha que dois vermes decidem sair, mas no caminho um deles se desespera,  por que isso acontece?

Resposta: Isso acontece porque o Criador traz o “endurecimento do coração” e o verme não concorda: “Como assim? Por que alguém não pavimentou a estrada? Por que é todo assim esse caminho e não diferente?” Orgulho é o que humilha a pessoa e a leva fora da pista.

Pergunta: O que deve fazer o outro verme nesta situação?

Resposta: Tente ajudar tanto quanto pode. Mas não está no nosso poder fazer o trabalho de outro.

A questão principal aqui é baixar a cabeça, para abaixar o nariz e aceitar as rígidas leis da natureza. Hoje, você não as entende, e não importa o quão alto você grite, nada vai mudar. Você pode amaldiçoar a lei da gravidade, da mesma forma, ela vai ficar “melhor” como resultado, vai parar de afetar você?

Temos que entender que estamos em um mundo de leis absolutas e só em mantê-las podemos avançar. Mas se nós resistirmos, as leis funcionarão em conformidade. Esta é a diferença entre o caminho da Torá e o caminho do sofrimento.

A mesma coisa acontece no nosso mundo, mas aqui nós vivemos em uma sociedade com leis caseiras artificiais, e por isso parece que é tudo uma questão de compra e venda, e que tudo pode ser “dobrado”, e você só precisa esperar pela oportunidade certa.

Por outro lado, vindo da direção ao Criador, descobrimos que não há nada mais fixo e absoluto. Nós queremos trabalhar com Ele em um bom caminho ou em um mau caminho; não há estados intermediários.

Assim, quando o verme sente o “endurecimento do coração”, ele deve entender que ele não tem escolha.  Nosso problema é a falsa esperança de que o estado ruim vai desaparecer por si mesmo e o bom virá por si. Lembre-se do dito: “O que a mente não faz, o tempo faz.” Mas vai fazê-lo somente se durante esse tempo eu tento fazer todo o possível, apesar da mente e apesar da falta de compreensão do que está acontecendo.

Durante uma tempestade não há nenhum ponto em sentar e esperar pelo bom tempo. Eu tenho que agir, mesmo tolamente, sem uma mente, mas de agir, de me esforçar. Então o tempo vai fazer o que a mente não faz.

Em outras palavras, por muitas atividades, eu faço o que a mente provavelmente faria sem qualquer atraso.
[82783]

Da 4 ª parte da Lição Diária de Cabala de 12/7/12,”Introdução ao Livro do Zohar”.

Comente