Textos arquivados em ''

Viver As Preocupações Dos Outros

Dr. Michael LaitmanPergunta: O que você quer dizer com a noção de “amor”?

Resposta: Quero dizer que cada um de nós vive constantemente as preocupações dos outros.

Isso funciona da mesma maneira no grupo, onde começamos a trabalhar de modo prático, onde cada um de nós pretende criar o estado mais confortável para os outros. Ou seja, eu tenho que entender e sentir os outros. Devo enviá-los continuamente os sinais correspondentes: verbais, físicos, pensamentos e etc.

Eu devo existir na garantia mútua com eles, onde cada um de nós oferece tudo aos outros com tal atitude ou sensação entre nós que eu estou certo de que ao influenciá-los, eu recebo a mesma influência deles sobre mim. Portanto, estamos constantemente subindo juntos acima do nosso egoísmo em qualidades opostas a ele. Este tipo de trabalho mútuo é o trabalho mais importante no grupo.

Depois de adotar este método, vamos sentir constantemente várias descidas ao egoísmo, a “gravidade”, e o surgimento de vários obstáculos. Isso continuará até a correção total, até a subida total acima do egoísmo.

No entanto, em qualquer estado dentro do grupo, e mesmo fora (em casa e com os outros), eu vou imediatamente me concentrar na mesma ideia, na mesma prática. Como resultado, eu vou ser capaz de interagir com o mundo inteiro corretamente.

Da Palestra sobre a Educação Integral, 27/02/12

Recusa Com Uma Mensagem Oculta

Dr. Michael LaitmanO grupo existe apenas para revelar o Criador, a força que doa e opera em nós. Ao aderir a Ele, nós ascendemos acima da nossa existência corpórea e sentimos a vida eterna que flui em seu fluxo infinito. Os corpos mudam de uma geração para outra, mas nós regulamos a conexão com a alma e existimos nela unidos para sempre.

Nós só podemos atingir isso através da conexão e união. Embora não esteja no nosso poder unir, a Luz superior, o Criador é o único que nos une, mas com a ajuda do grupo nós podemos descobrir a necessidade para isso. Precisamos de um grande desejo, uma grande necessidade pela Luz para nos unir. Então, em que circunstâncias é que vamos querer isso? No estado de separação.

É por isso que a negatividade é revelada no grupo: conflitos, separação e alienação entre os amigos. Temos que estar prontos, temos que saber que todas essas coisas são reveladas de modo que ajustaremos a conexão entre nós e nos uniremos acima delas.

No final, a seguinte imagem é descrita: Abaixo há o ego (Ego) que separa os amigos, e nós nos conectamos acima dele pelo nosso amor mútuo (Amor). Ao mesmo tempo, não perturbamos uns aos outros. Mesmo se eu não me dou bem com os amigos, mesmo que haja conflitos, por diferentes razões, tudo acontece no nível do ego humano que nos separa. Acima dele vamos construir as conexões de amor.

Refusal With A Hidden Message

O ego cresce constantemente, e nós temos que fazer maiores esforços para estarmos conectados acima dele, acima da inveja, ódio, paixão, orgulho e dominação. Eu abraço o amigo internamente, apesar de tudo que sinto contra ele.

O principal é que o amor não anula o ego, de modo que ambos irão crescer mais forte em sua resistência. O ego é Malchut (M), e o amor é Keter (K). Nós não sabemos com antecedência que tensão, que intervalo haverá entre eles (Δ), mas no final (℧) ela deve construir as primeiras dez Sefirot. Então, eu recebo um vaso onde sinto o mundo espiritual, o Criador, a Luz.

Refusal With A Hidden Message

Isso acontecerá somente se Keter já cresce dentro de mim, o que significa que o desejo de amar o amigo acima do grande ódio é grande o suficiente para criar as primeiras dez Sefirot.

Todos os problemas em nossos relacionamentos devem ser examinados como apelos que nos empurram para frente. Cada “mau funcionamento” indica que somos dignos de intensificar o amor e a conexão entre nós. Se uma pessoa não pode fazer isso, se ela não conhece a ferramenta que lhe permite construir a conexão acima da repulsa, seu ego não é aumentado e ela vive uma vida normal. É somente a partir de nós que o ego crescente constantemente exige estar nas conexões mútuas.

Nós fizemos um grande trabalho nos conectando durante a convenção. Sentimos o que significa estar juntos no calor da cooperação mútua. Mais tarde, vamos sentir como nosso desejo fica mais fraco, como a tensão diminui, e como a indiferença toma conta. Assim, nosso ego cresceu, fazendo uma “pergunta lógica”: “Pra que você precisa de tudo isso? Nós já comemoramos o suficiente…”.

Este é um sentimento perfeitamente natural para a pessoa, e ela não sente que está sendo manipulada de cima e que seu ego está sendo aumentado intencionalmente com a atração da rejeição, indiferença e fadiga. Tudo é feito de propósito, para que a pessoa supere os obstáculos. Tente não esquecer isso, faça um sinal para si mesmo, tente ver como a única força que existe acima está mentindo para você e lhe confunde, de modo que você vai começar a entender acima do seu humor “em que direção o vento está soprando”, e vai alacançá-Lo.

Ao rejeitar-nos, esta força quer que nós O queiramos. É como uma mulher que está cortejando um homem e parece mantê-lo afastado, rejeitando-o, apenas para inflamar o seu desejo. A sabedoria da Cabalá chama isso de “dança”: nós estamos nos aproximando e nos afastando, uma e outra vez, até que o desejo fique forte para ser 10 Sefirot completas. Então, o Criador vai ser revelado em nós e vamos nos aderir a Ele numa verdadeira conexão.

Da Convenção no Brasil 06/05/12, Lição 5

Como Podemos Alcançar Atzmuto?

Dr. Michael LaitmanPergunta: O Criador nos dá tudo; Ele oferece tradutores, salas de estudo, centros de aprendizagem, etc. Por que Ele não pode nos conceder a correção?

Resposta: O Criador pode nos dar tudo, mas Ele não pode fazer a criação alcançá-Lo e tornar-se semelhante a Ele.

O que isso significa que o Criador nos concede assembleias e nos dá a terra? Por que Ele cria nossos congressos e os países em que vivemos? Pra que nós precisamos deles? Nós poderíamos ter ficado no Mundo do Infinito e pronto. Por que descemos através de cinco mundos até este reino? Para detectar os problemas e experimentar os estados que todos nós passamos? Quem precisa deles? Se você perguntar a qualquer pessoa no mundo, você vai ver que ninguém os quer.

O Criador criou apenas uma coisa: um ponto! Nada mais. A Luz entrou no ponto e começou a interagir com ele. A qualidade da Luz é a doação; a qualidade do ponto é a recepção. Eles constituem dois estados opostos: positivo e negativo, o poder microscópico da Luz (doação) e uma pequena força de recepção contrária a ela. Estas duas forças continuam constantemente a evoluir.

O Criador criou somente isso. O Criador é algo intermediário, externo, que é chamado de Atzmuto (Por Si mesmo). A fim de atingir as qualidades de Atzmuto e ser capaz de percebê-Lo, nós temos que combinar as duas qualidades em conjunto para que elas se tornem iguais, semelhantes entre si; a qualidade de recepção deve se tornar idêntica à qualidade de doação. Em outras palavras, a qualidade de recepção deve aprender a doar como o poder de dar o faz.

How Can We Attain Atzmuto?

Quando nos tornamos igual à qualidade de doação (a Luz) nós começamos a nos equilibrar entre essas duas forças, experimentando assim a força chamada de Atzmuto, que criou a Luz e o desejo. A Luz se origina diretamente de Atzmuto e é de fato sua qualidade chamada de “existência a partir da existência”, enquanto que o desejo egoísta representa “existência a partir da ausência”. Ainda assim, ambos derivam do Criador.

Portanto, tão logo alcançamos a equivalência entre o desejo e a Luz, tornando-os paralelos entre si, nós começamos a sentir uma terceira força.

Na Cabalá, essa noção é expressa pela ideia das três linhas. A linha da esquerda representa a força do desejo (egoísmo), a linha direita significa a força da Luz (doação), enquanto a linha do meio é a terceira força que emerge da comparação entre as duas primeiras.

Quando recebemos a parte que pertence ao desejo e, ao mesmo tempo, obtemos outra parte da Luz, nós as comparamos dentro de nós de forma que elas se tornam equilibradas e equitativas; é assim que revelamos o Criador, utilizando a linha do meio.

How Can We Attain Atzmuto?

Nós estamos falando de leis físicas aqui; não há nada além delas. É como em qualquer ciência; nós usamos o método de comparação, a fim de encontrar um terceiro parâmetro, o valor inicial. De que outra maneira podemos defini-lo?

A fim de sermos conhecidos, nós precisamos demonstrar ao menos duas das nossas qualidades opostas, de modo que ao compará-las outra pessoa possa reconhecer e entender quem somos. Apenas contrastando várias qualidades é possível compreender, medir e pesar alguma coisa.

Esta é a razão pela qual o Criador nos deu a possibilidade de existir entre o “positivo e o negativo”. Ao receber Dele e comparando o que recebemos, nós O alcançamos. Isso se aplica a todas as esferas da nossa vida. Em tecnologia, nós determinar qual é a fonte de energia sabendo quem é o consumidor. Sem o egoísmo ou a Luz que flui através do nosso ego, não podemos perceber ou sentir com quem lidamos.

How Can We Attain Atzmuto?

Após o Criador gerar um ponto negro que é oposto à Luz, duas qualidades (positivo e negativo) continuam a evoluir por conta própria. Não há nada mais acontecendo. O ato da criação parou naquele ponto; além disso, nós vemos que o progresso acontece por si mesmo e origina os dois opostos. Não há mais interferência em Seu nome desde Atzmuto (Ele, Ele mesmo).

Nossa natureza evolui constantemente. Isso significa que podemos pronunciar: “O Criador não existe!”. Nós vemos que tudo à nossa volta está em conformidade com certas normas; a vida é definida por leis rígidas que existem universalmente.

No entanto, se nós nos esforçamos em encontrá-Lo (atingir o nível superior), nós temos que começar a equacionar. Como? Somente nos posicionando entre “o positivo” e “o negativo”. Como podemos nos colocar em tal condição? Somente se associarmos o nosso “negativo” ao nosso ego e conseguirmos ligar o “positivo” ao grupo.

How Can We Attain Atzmuto?

Sujeito ao “nosso ego” não significa o desejo de se divertir, beber, comer ou ter muito tempo de lazer. Não. Nós queremos dizer a nossa resistência em nos conectarmos com os nossos companheiros de grupo. Este é o único fator que faz a diferença. Se continuarmos tentando nos unir com os nossos amigos além do nosso ego, acabaremos ficando com um dipolo, a força de um campo magnético, que seremos capazes de revelar o Criador dentro dele. Neste nível de fusão com o grupo, a qualidade de Atzmuto emerge.

How Can We Attain Atzmuto?

Eu estou falando de condições e leis físicas elementares. Nós não podemos ignorá-las. O problema é que temos de estar situados dentro deste esquema. Vamos tentar!

Da Convenção de Vilnius 23/03/12, Lição 1

A Solução Encontra-se Na Educação Das Mulheres?

Dr. Michael LaitmanOpinião (Ashok Gadgil,Diretor da Divisão de Tecnologias em Energia Ambiental do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley): “Somos uma civilização global, temos operações globais, atividades econômicas globais, e somos dependentes dos recursos do planeta. Nossa civilização é tão grande e poderosa que podemos estupidamente destruir uma fina película de vida em nosso planeta…

“Como resultado, a tarefa principal, na minha opinião, é descobrir quais devem ser as leis da nova economia: consumo, população, indústria, gestão da sociedade.

“Estudos mostram repetidamente que a melhor maneira de controlar a população é educar as mulheres. A educação para a opressão da mulher e resolve um monte de problemas sociais.

Na natureza, toda espécie quer multiplicar e prosperar, mas todos os tipos convivem em harmonia com outras espécies, das quais dependem. Apenas o ser humano quer tomar tudo.

“Este comportamento não pode ser um padrão de comportamento a longo prazo. Nós temos que evoluir, em vez de aumentar o consumo, destruindo o mundo. Hoje, poucas pessoas pensam nas futuras gerações, todo mundo pensa no momento atual”.

Meu comentário: A Cabalá diz que se liberássemos as mulheres do trabalho e as enviássemos para os “cursos de educação e formação integral”, teríamos:

– nos libertado do fardo do desemprego;
– deixado de produzir bens indesejados,
– parado de esgotar os recursos,
– parado de poluir o planeta.

E as mulheres, livres do trabalho desnecessário, e com base no conhecimento adquirido, cuidariam da educação e formação de seus homens e filhos, e teríamos encontrado uma solução para a crise em todas as áreas.

O Ambiente Cria Consciência

Dr. Michael LaitmanNas notícias (de Socioline.ru): “Os psicólogos e sociólogos há muito assumiram que o comportamento antissocial pode se espalhar como uma epidemia, mas essa teoria permanece polêmica. Experimentos têm mostrado que muitas vezes as pessoas violam as normas aceitas de comportamento quando veem que os outros fazem isso. O “mau exemplo é contagioso” é interpretado de forma ampla: vendo que alguém violou uma das regras aceitas, as pessoas se permitem violar outras regras “.

De acordo com a “teoria da janela quebrada” de James Q. Wilson e George l. Kelling:

“Ao nível da comunidade, a desordem e o crime estão geralmente ligados, numa espécie de sequência de desenvolvimento. Os psicólogos sociais e policiais tendem a concordar que se uma janela num prédio está quebrada e não for reparada, todo o resto das janelas em breve serão quebradas. Isto é tão verdadeiro em bairros agradáveis como num em situação precária. A quebra da janela não ocorre necessariamente em grande escala, porque algumas áreas são habitadas por determinados quebradores de janelas, enquanto outras são povoadas por apaixonados por janela , mas sim que uma janela quebrada sem conserto é sinal de que ninguém se importa, e assim quebrar mais janelas não custa nada.

“Mas o vandalismo pode ocorrer em qualquer lugar onde as barreiras comuns – o sentido de respeito mútuo e as obrigações de civilidade – são reduzidas por ações que parecem sinalizar que ‘ninguém se importa”. Nós sugerimos que o comportamento ‘abandonado’ também leva à quebra de controles da comunidade. Um bairro estável, com famílias que cuidam de suas casas, que vigiam cada um de seus filhos, e com confiança desaprovam intrusos indesejados, pode mudar em poucos anos ou mesmo alguns meses, para uma selva inóspita e assustadora. Um pedaço da propriedade está abandonada, a erva daninha cresceu, uma janela está esmagada. Os adultos param de xingar as crianças barulhentas; as crianças, encorajadas, se tornam mais turbulentas. As famílias saem, adultos soltos se mudam. Adolescentes se reúnem em frente à loja da esquina. O comerciante pede-lhes para se moverem, eles se recusam. Lutas ocorrem. Lixo se acumula. As pessoas começam a beber na frente do supermercado; com o tempo, um bêbado despenca para a calçada, e é permitido dormir. Os pedestres são abordados por pedintes”.

Meu comentário: O ambiente molda a consciência e o comportamento de uma pessoa, e ela é incapaz de resistir aos que estão a sua volta. A capacidade de moldar-se de acordo com seu desejo e decisão se resume a encontrar um ambiente adequado que formará você. Assim, o livre arbítrio reside em escolher aqueles que lhe “moldarão”.

Uma Aliança De Almas Relacionadas

Dr. Michael LaitmanPergunta: Não está claro como pessoas modernas que não querem ter filhos, de repente, tenham esse desejo.

Resposta: É graças ao fato de que começamos a nos conectar mutuamente em todo o mundo. Através da formação de conexões com base no amor acima da repulsa e do desprazer, começamos a entender o poder interno que está oculto nestas relações. Nós veremos em que medida a doação aos outros nos preenche

Então, a mulher vai gostar de estar em tal relacionamento com seu marido, com certo esposo, e não algum parceiro aleatório, como nós vemos nos dias de hoje. Em seguida, eles serão capazes de estabelecer uma relação mútua e construir uma família, não no nível biológico, sexual, mas no nível da conexão espiritual. Em tal família eles vão sentir que é possível expandir o relacionamento, realizá-lo através das crianças. Este é o resultado da aprendizagem de uma pessoa para se conectar com o mundo.

Nós sempre vivemos egoisticamente. Nós demos e recebemos egoisticamente, mas agora o mundo inteiro vai chegar a uma conexão altruísta. Primeiro, é sob a forma de “doação a fim de doar”; depois, é sob a forma de “receber a fim de doar”. Vamos entender que vale a pena chegar a uma forma de receber, a fim de aumentar nossa doação.

Pode parecer uma linguagem sublime, mas de acordo com o ritmo do nosso desenvolvimento esse futuro está muito próximo. Claro, é muito difícil compreender isso, visto que a pessoa não muda. Mas mudando gradualmente, começamos a compreender o nível em que estamos e um pouco acima dele.

Eu acho que quanto mais a pessoa se corrige, tornando-se mais integrada e conectada aos outros, ao tratar os outros com amor, doação, preocupação, compreensão mútua e garantia mútua, a sua atitude para com o outro sexo, para com seu parceiro ou parceira, também será alterada, bem como suas atitudes em relação aos laços familiares e às crianças.

Afinal, nós nunca sentimos o que é amor. Nós agimos de acordo com nossos instintos naturais e, dessa forma, escolhemos o cônjuge direito. Mas agora nossos relacionamentos mais próximos serão baseados num sentimento interno, depois que aprendermos a viver acima do nosso ego.

A Natureza nos obriga a estabelecer tais relações globais em todo o mundo. Assim, nós não vamos olhar para o outro sexo no plano animal, físico, onde a família já entrou em colapso. Vamos criar uma aliança familiar num nível espiritual mais elevado, e estabelecer conexões de doação mútua.

Através dessa doação eu vou começar a me sentir de forma diferente em relação ao meu cônjuge e ele vai se sentir da mesma forma em relação a mim, de modo que haverá uma nova conexão entre nós, como se diz: “um homem e uma mulher, se tiverem sido agraciados, a Divindade está entre eles”, o que significa uma conexão especial. Graças a esta conexão, vamos começar a pensar em filhos. Esta será uma família totalmente diferente, não vamos voltar ao que era no passado, mas sim aumentar a nossa conexão, do nível material e físico, ao nível das almas, ao nível espiritual.

A família terá a mesma forma: um homem, uma mulher e filhos, mas o significado e o objetivo serão totalmente diferentes.

Da “Conversa sobre uam Nova Vida” #19, 02/02/12

Mesclando Grupos

Dr. Michael LaitmanPergunta: Vamos dizer que existam dezenas de grupos de aprendizagem integral num determinado bairro. Como eles podem mais tarde se fundir num só grupo?

Resposta: Hoje em dia, devido aos poderosos meios de comunicação de massa e às formas que as pessoas têm de se conectar, nós simplesmente precisamos inventar muitos jogos, formas para as pessoas serem incluídas mutuamente, como programas de TV ou atrações divertidas, como jogos de painel, quando grupos diferentes se encontram e interagem um com o outro. Eles começam a nos mostrar maneiras de mudar um ao outro, como uma pessoa se posiciona para afetar outras de uma maneira específica.

Mais tarde, os grupos geralmente tornam-se difusos. Eles não ficam para sempre estáticos, como uma organização, comunidade, cidade, habitação, ou união congelada. Eles não o fazem. No final, esta será uma sociedade onde muitas pessoas, ou mesmo todas (refiro-me ao futuro), vão entender como podem fazer cada situação trabalhar para elas e, ao mesmo tempo, ser para o bem dos outros.

Uma vez que elas entendam isso, vão ver claramente como interagem e se comunicam entre si. Em outras palavras, qualquer momento que elas interagirem será para ajudar a si mesmas e os outros a ter uma melhor interconexão integral. Elas irão trabalhar para se integrar com os outros a cada momento, e assim sempre sentirão certa união, que já sentirão e perceberão como se estivessem juntos num estado completamente diferente do mundo.

Elas se sentirão acima do nosso mundo nesta união, como se estivessem flutuando num concentrado humano completamente diferente, onde existem diferentes leis de comportamento, chamadas “leis de comutação”, leis de união e integração. Ao se apoiarem nisso e estando constantemente acima do nosso egoísmo, elas começam a perceber um tipo diferente de realidade.

Quando a pessoa está cercada constantemente de pessoas que concordam em jogar este jogo, este jogo gradualmente se transforma num tipo completamente novo de comunicação, e, depois, a percepção de um espaço diferente, onde, em vez de receber dos outros, damos aos outros. Nós trabalhamos numa direção que é oposta à nossa direção atual.

Esta nova orientação nos permite nos libertarmos de nossas limitações. Em vez de ver cada estado como um estado que me obriga e me oferece a oportunidade de tomar de fora, eu os considero como estados que me oferecem a oportunidade de sair de mim mesmo, tornar-me mais livre, e deixar de ser limitado e confinado a mim mesmo.

Além disso, todo mundo me apóia nisso. No final, eu vou chegar a um estado confortável, sem restrições. Ele não me obriga a nada. Pelo contrário, me dá a oportunidade de me sentir livre.

Refiro-me às relações entre as pessoas que ainda não se vêem em lugar algum hoje, mas se ensinarmos às pessoas esses tipos de relacionamentos, no final elas vão aspirar a esse estado. Uma vez que existem muitas pessoas como estas, elas vão vencer sua resistência egoísta e se comunicar com os outros de uma nova maneira, acima do seu egoísmo. Elas vão perceber uma realidade mais elevada. Nós precisamos trazê-las a isso.

Da “Discussão sobre Educação Integral” 27/02/12