Meu País é Minha Família

Pergunta: Como podemos alcançar a unidade em um mundo tão diverso?

Resposta: Deve haver um novo princípio aqui: a unidade acima de todas as diferenças. Nós não estamos tentando corrigir as diferenças entre nós ou se aprofundar em detalhes de correntes diferentes, partidos diferentes, ou de quaisquer diferenças.
Pode haver muitos povos e culturas em um estado, e isso não deve perturbar-nos. A história da Europa, por exemplo, está cheia de guerras, ódio e créditos recíprocos que são de séculos atrás. Mas, acima de todas as diferenças e os conflitos, abrimos um “guarda-chuva da unidade”. Sabemos que somos todos diferentes, e nós trabalhamos com um nível muito elevado.

Deve ser uma abordagem sistemática, sobre o nível de um plano nacional. Nós cortamos as bordas de cima e de baixo e, gradualmente, chegamos a uma distribuição justa e equitativa de recursos. Mesmo se isso acontecer duzentos anos a partir de agora, não importa. A principal coisa é que o processo já começou. Primeiro temos que levantar todos os pobres acima da linha da pobreza. Vamos cuidar do presente.

A educação é necessária aqui. Se começarmos a economizar no país da mesma forma que economizamos em casa, não precisaremos mais do que isso. Será suficiente para elevar todos acima da pobreza. Quanto aos recursos econômicos existem dados muito interessantes: por exemplo 17% do alimento produzido é descartado enquanto ainda estão nas embalagens originais.

Então é tudo uma questão de atitude. Se nós fornecermos um guarda-chuva “geral, então haverá alguma ordem. Nós só precisamos mudar a nossa atitude: A nação é a família. Na família eu economizo, eu me preocupo, eu continuo, apoio, reconheço… é assim que devemos viver a nível nacional, mas sem isolamento e parasitas, sem desperdício e protecionismo. Todo mundo é igual, e todo mundo se conecta à linha comum.

Pergunta: Pode está conexão começar em Israel?

Resposta:. Não somente pode começar aqui, mas deverá.

[69972]
Da 4 ª parte da Lição Diária de Cabalá de 16/02/12, “Introdução ao Estudo das Dez Sefirot”

Comente