O Mundo Já Está Mutuamente Conectado, E Nós?

Dr. Michael LaitmanPergunta: Nós trabalhamos principalmente em nossos grupos locais. Como podemos dividir corretamente o nosso esforço entre o trabalho em grupo e atividades conjuntas com outros grupos?

Resposta: Primeiro, temos que tentar fazer parte do plano geral, de acordo com o qual, no final, todos os nossos grupos ao redor do mundo deverão se sentir como um grande grupo. O problema é que nós não temos gente suficiente, especialmente gerentes de projeto. Temos que organizar o trabalho de modo que cada grupo participe do processo geral, de acordo com o caráter do país e região.

Agora, por exemplo, o mundo experimenta um período de revoltas, e temos que ter todos os nossos grupos trabalhando em resposta a isso. Naturalmente, isso tem que ser feito considerando as condições locais, de forma gentil e razoável, e de forma  compreensiva. Não pode ser que um grupo queira lidar com isso e outro não. Afinal de contas, é a necessidade atual. Se o mundo já sente que está mutuamente conectado, nós temos que tratá-lo como um grupo. Ele pode ainda não entender a situação, ele pode estar confuso, mas isso já foi criado.

O sistema espiritual está sendo revelado hoje, Malchut do mundo de Assia. Portanto, todos já reconhecem a unidade global. Antigamente, ela era percebida de forma diferente, mas agora ela é exatamente assim. Os Cabalistas costumavam dizer que a sabedoria da Cabalá seria revelada no final do século XX porque Malchut do mundo de Assia desceria sobre o nosso mundo. Nós podemos descrever isso de forma diferente: ela é revelada desde dentro, como uma rede que sobe do fundo do oceano e se fecha sobre nós, os pequenos peixes que são capturados dentro dela.

Esta é a situação no mundo atual. Nós estamos nesta rede, mas nós estamos nela de bom grado, ao contrário dos outros, porque ela os leva a uma crise. É por isso que temos que nos esforçar ao máximo para explicar àqueles que estão presos na rede: “Esse não é o fim do mundo. Não podemos mais fugir dessa rede, nem sequer sonhar com isso. Nós podemos entender suas leis e usá-las em nosso favor. Se entendermos a situação, vamos alcançar o prazer, a eternidade, a totalidade e uma nova vida maravilhosa. As coisas não serão as mesmas. Então vamos ver o que é isso. Afinal, não temos outra escolha”.

Temos que “anunciar” a nova realidade. Hoje, os políticos, especialistas e cientistas já falam disso. Este é o nosso trabalho no que diz respeito ao mundo e nossos grupos.

Muitos de nós ainda estão preocupados com seus próprios problemas. A pessoa quer alcançar o mundo espiritual e não se vê em conexão com os outros. Eu me lembro como eu, pessoalmente, achei difícil digerir esta idéia. Eu ouvia e lia muito sobre ela e ainda assim não conseguia conectá-la diretamente a mim. “O que está escrito lá é uma coisa, e eu sou outra coisa”. A pessoa pode usar palavras bonitas externamente, mas internamente tratar o mundo de uma maneira totalmente diferente. Então, somente a força geral do grupo, que ageem todos nós juntos, pode nos levar gradualmente ao entendimento correto.

Agora, nós estamos diante de uma condição nova e mais avançada, e não podemos retardar o processo de evolução. Isso não depende de nós. Nós só aceitamos que, se o processo se encaminha para essa direção, iremos junto com ele, porque não há outra escolha.

Hoje, o mesmo problema é revelado em todo o mundo. Mas ele se manifesta de forma diferente no mundo e parece transformá-lo em nossa direção. As pessoas estão começando a sofrer com o fato de estarem conectadas umas com as outras. Nós queremos isso no grupo e, ao mesmo tempo, não podemos alcançar essa conexão mútua. É o oposto do mundo. A conexão liga a todos contra sua vontade. Se o grupo também fosse nessa direção, as coisas seriam muito mais fáceis.

Mas nós não vemos que estamos conectados. Nós estamos vivendo como ilhas isoladas no oceano da humanidade. Ela descobre uma conexão firmemente crescente da qual não há como escapar, enquanto nós, nos grupos, parecemos estar totalmente desconectados.

É assim que nós somos obrigados a nos conectar de bom grado e de forma independente, e a construir a rede geral entre nós. Eu tenho que conectá-la a mim . Dentro da enorme rede de almas, nossos grupos estão livres das cordas do sistema geral. Assim, nós recebemos a oportunidade de nos conectar à rede usando nossas próprias forças e criando essas conexões. Este é o nosso trabalho.

Vamos torcer para que possamos explicar isso melhor a nós mesmos, incluindo àqueles que “mudaram de lado” porque não puderam aceitar esta situação. É por isso que eu tenho grandes expectativas para a convenção de dezembro. Afinal de contas, hoje o mundo inteiro já está mutuamente conectado, enquanto nós não estamos. Isso significa que somos nós que devemos nos preparar para a conexão e gritar: “Vamos nos unir!”.

Nós temos que perceber que o mundo está mais corrigido do que nós. Todos estão conectados de Cima sem qualquer preparação. Eles estão simplesmente “presos na rede”. Nós, porém, temos que descobrir esta rede e construí-la por nós mesmos, e então nossas “ilhas” vão atrair o mundo inteiro até elas e ensiná-lo a agir corretamente no novo mecanismo espiritual.

Esperemos conseguir dar um passo importante nessa direção na próxima convenção.

Lição 1 da Convenção de Arava 27/10/11

Comente