A Empilhadeira

Pergunta: Como podemos medir esforços? A história nos mostra que, para alguns cabalistas o caminho foi fácil e outros sofreram muito. Como pode ser que um atravessou a Machsom (barreira) em cinco anos, outro em 30 anos, e ainda outro fez grandes esforços e não conseguiu absolutamente nada?

Resposta: Não podemos comparar os esforços das pessoas. Afinal, não sabemos a sua posição de partida e seu lugar no sistema geral.

Suponhamos que alguém está na quinta posição superior na pirâmide de almas. No entanto, nesse sentido, ela nasce com os piores desejos, com os atributos mais corruptos, e ela tem que trabalhar com eles muitos anos não apenas trinta anos, mas 30 anos multiplicado por dez ciclos de vida. Quanto tempo leva para ela chegar aos Estados que lhe permitem alcançar seu “lugar” e para atingir a raiz da sua alma?

Nesse meio tempo, você sente pena dela: “Pobre alma!” Mas outra pessoa pode pertencer às camadas médias e fazer o seu trabalho facilmente em um par de anos.

Tanto quanto nós, as pessoas com o ponto no coração, as que pertencem à categoria de “Israel”, temos que trabalhar muito duro. Primeiro, ao contrário das “nações do mundo”, que estavam no topo e já passaram por ruptura. Seus desejos de receber sempre foram assim, mas nossa situação é muito pior, e portanto, nossas correções são muito mais difíceis. O ódio contra a nação de Israel e os problemas que passaram ao longo da história atestam isso.

 

Mesmo o caminho espiritual, a subida à montanha, é muito mais difícil para nós do que para o resto do mundo, para quem a subida vai ser fácil. As pessoas só vão se juntar a nós: “Sim, nós queremos, nós estamos prontos.” Elas vão realmente sentir que vale a pena. A inclinação para o mal, o desejo quebrado, se esconde em nós, e não nelas. Elas só trazem seu “peso”, a carga que está vinculada a seus pés. Agora você tem que inventar o mecanismo que irá levantar esse peso.

 

Como podemos criar tal “empilhadeira”? Como é que vai funcionar? O que bloqueia e que ligação necessitamos? Temos que decidir isso. As pessoas nos trazem a sua bagagem e as deixa no terminal, como no aeroporto, e nós temos que carregar e entregá-las.

 

Não há nenhuma razão para estar indignado com isso. Além disso, ninguém pode alegar que seu caminho é mais fácil ou mais difícil, em comparação com outra coisa de alguém. Afinal, você não “veste” na outra, e, portanto, você não pode comparar ou reclamar. Por natureza, você está absorto em si mesmo, e você não pode medir esforços.

[58287]

Da 5 ª parte da Lição Diária de Cabala de 21/10/2011: “Um mandamento”

Comente