Textos arquivados em ''

Somente A Integração Total Pode Salvar A Europa

Dr. Michael LaitmanOpinião: (Nouriel Roubini, Nicolas Berggruen, do The Guardian): “A crise da Zona do Euro está arrastando para baixo toda a economia global – a verdadeira união econômica e política é urgente agora.

“Depois de muitos meses se arrastando, sem alcançar as raízes sistêmicas da crise econômica, fiscal e financeira, a Europa se encontra num ponto chave. Se continuar por mais tempo com o status quo de hesitação, ao invés de decisão, a zona do Euro vai quebrar e as suas economias nacionais irão se enfraquecer. Apenas avançando na direção da completa integração, agora, pode a Europa se salvar.

“Junto com o impasse partidário persistente e da derrapagem clara da recuperação nos EUA, a crise de governança da Europa está puxando para baixo toda a economia global.

“É necessária uma ação para restaurar a credibilidade.

“Além disso, na busca da necessária austeridade fiscal e reformas estruturais, temos que ter cuidado para não minar qualquer frágil recuperação no curto prazo.

“Para competir no mundo globalizado, a Europa necessita implementar uma agenda ambiciosa de crescimento e emprego, para incentivar a competitividade e a produtividade a longo prazo… Sem crescimento, a tentação para o nacionalismo econômico surgirá.

“Uma maior integração e união política só pode ser construída em conjunto, passo a passo, através de um compromisso amplo e profundo do público.

“É por isso que uma maior integração européia, e não menor, é a única solução”.

Meu comentário: Nós não seremos capazes de nos desenvolver ainda mais; tudo será reduzido até atingir a condição de produção e consumo razoável, ao invés de superprodução e superconsumo para o bem da superacumulação. A natureza nos forçará a nos tornar sua parte integral, ou seja, receber e dar de uma forma razoável.

Nós chegaremos a esta economia; particularmente, a integração, a confiança e a união nos permitirão criar tal união harmoniosa. Não haverá pobres nem ricos: a natureza não permitirá. A pessoa será recompensada por seu investimento no desenvolvimento da forma de respeito, reconhecimento, criatividade e sensação do próximo nível de harmonia, superior a esta vida…

A Goldman Sachs Governa O Mundo

Opinião: (Alessio Rastani, corretor): A Goldman Sachs governa o mundo, e a zona do Euro está prestes a entrar em colapso, de acordo com o corretor Alessio Rastani.

 “Agora não é hora de se enganar pensando que os governos vão resolver as coisas”, disse Rastani em uma entrevista para a BBC, na manhã de segunda-feira. “Os governos não governam o mundo, a Goldman Sachs governa o mundo”.

“As economias de milhões de pessoas vão desaparecer em menos de um ano, disse ele.

“Esta crise econômica é como um câncer, se você apenas esperar, pensando que ela vai desaparecer, assim como um câncer que vai crescer, será tarde demais”, continuou ele.

“O medo da fragilidade da economia européia tornou-se acentuado nas últimas semanas.

“Mas a queda será uma boa notícia para os investidores, Rastani disse ao atordoado âncora da BBC.

“Para a maioria dos investidores, nós realmente não nos importamos em ter uma economia estável, uma situação fixa; nosso trabalho é ganhar dinheiro com isso”, disse ele. “Pessoalmente, eu tenho sonhado com este momento por três anos. Vou para a cama todas as noites e sonho com outra recessão”.

“Rastani disse que os investidores não são os únicos que podem se beneficiar com a crise.

“Quando os mercados quebrarem… se você souber o que fazer, se você tem o plano certo configurado, você pode fazer um monte de dinheiro com isso”.

Onda De Protestos Ao Redor Do Mundo

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (do The New York Times): “Centenas de milhares de indianos desiludidos incentivam um ativista rural numa greve de fome. Israel vacila ante a maior demonstração de rua da sua história. Jovens enfurecidos na Espanha e na Grécia tomam as praças públicas em de seus países.

“Suas queixas vão desde a corrupção à falta de habitação e desemprego, reclamações comuns em todo o mundo. Mas, do sul da Ásia até o coração da Europa e agora até em Wall Street, esses manifestantes partilham algo mais: cautela, até mesmo desprezo, para com os políticos tradicionais e para com o processo político democrático que eles presidem.

“Eles estão tomando as ruas, em parte porque têm pouca fé nas urnas.

“Nossos pais agradecem porque estão votando, disse Marta Solanas, 27 anos, referindo-se às décadas mais antigas que os espanhóis passaram sob a ditadura de Franco. ‘Nós somos a primeira geração a dizer que o voto é inútil’.

 “A alienação corre de forma profunda especialmente na Europa, com boicotes e greves que, em Londres e Atenas, acabaram em violência.

“Cada vez mais, cidadãos de todas as idades, mas especialmente os jovens, estão rejeitando as estruturas convencionais, como os partidos e sindicatos, em favor de um sistema menos hierárquico e mais participativo, moldado em muitos aspectos na cultura da Web.

 “Os manifestantes criaram seu próprio espaço político online que é frio, algumas vezes abertamente hostil, para com as instituições tradicionais da elite.

“Em muitos países europeus a decepção é dupla: nos governos federais extremamente endividados abandonando os gastos sociais e numa União Européia vista como distante e pouco democrática. Os líderes europeus têm ditado duras medidas de austeridade em nome da estabilidade do Euro, moeda comum da região, carimbadas por políticos nacionais corruptos e cativos, dizem os manifestantes”.

Meu comentário: A decepção com a elite deve dar lugar à decepção com a nossa natureza – o egoísmo, de modo que começaremos a transcendê-lo. A redistribuição da riqueza, sem um despertar moral das massas, não trará resultados positivos. Todas as soluções são parciais, ou seja, ninguém tem a solução real para o problema, e o que a Cabalá propõe não é considerado, porque é percebido como um novo comunismo, que foi completamente “esgotado” em si mesmo.

Os economistas relutam em reconhecer que a natureza coloca diante de nós a condição da unificação completa em um único mecanismo. É hora de criar um modelo econômico de consumo razoável, relações altruístas mútuas e o benefício de doar. Tendo essa visão do futuro próximo e inevitável que nos espera, como resultado de nosso desenvolvimento (evolução), é preciso educar a todos sobre a entrada em um novo mundo.

Uma Estrela Desconhecida Está Esperando Por Você

Dr. Michael LaitmanNão importa se eu entendo corretamente o que li no livro ou quão confuso estou – o que conta é o meu desejo de entender! A pessoa avança graças à influência que recebe do sistema superior, como ela o estuda, ouve sobre ele, quer ser incluída nele, executa todos os tipos de atividades em relação a ele, e trabalha com seu ambiente e na disseminação.

Aos poucos, ela começa a sentir esse sistema à distância: ela começa a discernir o que é Aba ve Ima, partes interna e externa, a Luz de Hassadim (Misericórdia) ou Gevurot (forças severas de restrição, limitações), que a influenciam conforme ela está incluída dentro deste sistema.

É um mundo completo, e é impossível explicá-lo a alguém que não vive nele. Do mesmo modo que é impossível explicar brevemente a uma criatura de outro planeta sobre o que acontece neste mundo. Ela precisaria estar nele para receber nossas ferramentas, sentimentos, inteligência e gostos. Se ela abraçasse nossa vida, então depois de algum tempo ela absorveria todos os tipos de impressões da sociedade ao seu redor e entenderia o que acontece neste mundo.

É impossível entender qualquer coisa através de palavras. Tudo tem que passar por você e deixar em você impressões internas. Então, você vai entender, como eles dizem, “uma coisa dentro de outra”.

Nós também somos assim. Despertando a Luz Circundante sobre nós mesmos com nosso desejo de entrar neste sistema, nós começamos a sentir o que está diante de nós: que todo o sistema é baseado no amor e doação.

 “Eu sou para o meu Amado” – afinal de contas, eu anseio doar através desse sistema composto dos meus amigos. “E o meu Amado é para mim” – porque assim eu começarei a sentir como Ele me transforma com a ajuda da Luz Circundante do mesmo sistema que eu quero entrar. Então, a minha correção ocorre.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 04/10/11, Shamati #42

Operando O Gerador Da Energia Da Vida

Dr. Michael LaitmanSe nós quisermos nos comportar entre nós de acordo com a mesmas regras pelas quais o sistema superior opera, isso será chamado “Cabalá prática”. Afinal, nós desejaremos descobrir entre nós os mesmos laços que existem no mundo espiritual.

O mundo espiritual é uma estrutura permanente, como um motor desligado que eu opero através do meu desejo. No momento em que o meu desejo desaparece, o motor pára de novo. O motor irá trabalhar de acordo com a quantidade de “combustível” que eu coloco nele, dependendo de como eu o influencio, e assim, eu vou despertar e colocar em movimento todo este sistema. Desta forma, vou satisfazer a todos através deste sistema.

A preparação para entrar neste sistema é chamada de o começo do Ano Novo, de acordo com a qual a pessoa tenta com todas as suas forças sentir o enorme valor da doação. Através do grupo e da disseminação ela tenta evocar sobre si a influência externa que irá mudá-la e levá-la para mais perto da doação, como foi dito: “do amor pelos seres criados ao amor pelo Criador”.

Graças à sua boa atitude para com os outros seres humanos e a sua boa influência sobre eles, isto é, graças às tentativas de aproximá-los do Criador e de se aproximar Dele juntamente com eles, ela merece a Luz do Criador que Corrige. Assim, ela entra neste “clube” especial e começa a conhecê-lo, através da sensação da Luz da vida que flui através dela.

Da 1a parte da Lição Diária de Cabalá 04/10/11, Shamati #42

Ciência Em Vez De Instintos

Dr. Michael LaitmanAo contrário dos animais, nós nos desenvolvemos com a ajuda da ciência. Porém, isso ainda não é o livre-arbítrio. A ciência só nos faz avançar um pouco. Os animais são movidos por golpes e seus instintos, mas visto que são poucos os nossos instintos, nós nos desenvolvemos por golpes e ciência.

Os avanços científicos nos permitem ver e resolver os problemas com antecedência. Por exemplo: os raios-x nos permitem identificar uma doença e começar a tratá-la sem ter que esperar que ela realmente apareça. Sem os raios-x, somente a dor poderia nos dizer que há um problema ali.

Assim, a ciência nos ajuda a sofrer menos, e nós pagamos caro pelo conhecimento científico. No entanto, ainda é a mesma tendência animal: o desejo de se livrar dos problemas. A ciência não nos eleva ao nível humano, já que ela é parte do nível animal. Ao usá-la, nós compensamos nossa falta de instintos, isso é tudo.

Os animais se viram muito bem sem médicos. Eles sabem como comer direito, como dar à luz e como construir um abrigo. Os animais fazem tudo por instinto, enquanto que nós substituímos os instintos pela ciência. Este é realmente o papel da ciência: servir nosso egoísmo para que soframos menos.

Portanto, nós também examinamos nosso desenvolvimento no nível animal. Mesmo quando as pessoas se conscientizam da necessidade de se unir e se conectar, elas não sabem como alcançar isso.

Da 5a parte da Lição Díaria de Cabalá 04/10/11, “Paz No Mundo”

A Alternativa Ao Sofrimento

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “Paz no Mundo”: Quatro propriedades são fornecidas para esse propósito:  misericórdia, verdade, justiça e paz. Esses atributos têm sido usados por todos os reformadores do mundo até agora. É mais correto dizer que é com esses quatro atributos que o desenvolvimento humano avançou até agora…

Somente por estes quatro atributos é que nós temos que nos organizar para chegar ao fim da correção. Portanto, como discerni-los? Muitos podem falar por horas sobre a misericórdia, a verdade, a justiça, e a paz, mas será que nós podemos concordar com o que esses atributos são?

Não é simples, mas o Baal HaSulam, conhecendo a natureza espiritual, escreveu que é isso que temos que esclarecer, a fim de organizar a nós e o mundo. Nós não sabemos o que é um mundo corrigido. Todos nós somos corrompidos e por isso parece-nos que qualquer melhoria egoísta já é uma correção. No entanto, para o Baal HaSulam, o mundo corrigido é um mundo onde todas as possíveis deficiências são totalmente satisfeitas. Como isso é possível? Teremos que descobrir.

Primeiro, nós temos que entender que nunca seremos capazes de nos satisfazer egoisticamente, mas apenas em doação, pois embora não exista nenhuma restrição na doação, existe na recepção. Então, como podemos desejar receber de tal maneira que a própria recepção vai nos fazer entender que vale a pena doar?

Nós podemos nos desenvolver nesta direção através de golpes: toda vez que eu quero receber algo, eu recebo mais e mais golpes, até que finalmente chego à conclusão que é melhor não querer receber egoisticamente. Então, eu começo a odiar meu desejo de receber, e não sei mais o que fazer com ele. “Então, talvez eu desfrutarei doar?”.

Assim, diferentes falhas me levam ao ponto onde peço pelo desejo de doar, pelo poder de doar, o poder de me conectar com os outros. Este é o caminho do sofrimento e da ascese, sobre o qual se diz: “Coma moderadamente pão com água e durma no chão”. No passado as pessoas costumavam aceitar isso e, assim, avançar para a doação.

O mesmo ocorre hoje. Se as pessoas não aceitarem a sabedoria da Cabalá e a explicação sobre o desenvolvimento do mundo, elas também avançarão do mesmo jeito. Elas vão querer mais e mais, porém vão conseguir cada vez menos, e como resultado do sofrimento, elas vão começar a sentir que vale a pena estar juntas, doar umas às outras, conectar-se, restringir o ego, e até mesmo apagá-lo totalmente.  

Nós vemos que em tempos de guerra, quando os problemas atingem a todos, as pessoas começam a se conectar. Mesmo os animais não têm medo uns dos outros quando há um incêndio na floresta ou um terremoto, e todos eles escapam do perigo juntos. O problema comum os une porque o medo da morte é maior do que o medo da fome. Certamente, eles não se tornam “justos”, mas o desejo de satisfazer sua fome é deixado de lado por um desejo maior de sobreviver.

Nós somos iguais. Obviamente, nós podemos avançar em direção à correção pelo sofrimento. Ele vai nos obrigar a aspirar à doação e destruir nosso ego, a fonte de todo o mal em nosso mundo. Mas este é um caminho longo e doloroso.

É por isso que nos foi dada uma alternativa, o caminho da Torá. Por quê? Por que nós precisamos desse outro caminho? Porque nós não alcançamos o livre-arbítrio pelo sofrimento. Nós só fugimos dele, como animais. Por desespero, nós estamos até mesmo dispostos a doar, mas só porque nos sentimos mal quando recebemos. Nós não escolhemos doar por vontade própria, mas como resultado de nosso sofrimento não temos escolha. Este é o grau de um animal, não do homem.

A fim de nos levar ao nível humano, nós precisamos de duas forças: a força de doação e a força de recepção, com o livre-arbítrio entre as duas. Este é o caminho das pessoas que têm o ponto no coração.

As pessoas que não têm o ponto no coração também terão o livre-arbítrio: elas poderão escolher seguir aqueles que podem levá-las para frente.

Da 5a parte da Lição Diária de Cabalá 04/10/11, “Paz No Mundo”

Pensamentos Rápidos Sobre O Shamati, “O Que Significa Que O Hábito Se Transforma Numa Segunda Natureza”

Dr. Michael LaitmanQuando nós criamos um filho, nós sempre tentamos habituá-lo a tomar certas medidas para que estas possam se tornar um hábito, como se lavar, escovar os dentes, ou limpar a mesa. Nós insistimos nestas coisas dia após dia, até que ele não possa mais viver sem elas: ele começa a se sentir desconfortável. Finalmente, esse hábito o liberta do esforço.

Minha mãe me lembrou de escovar meus dentes tantas vezes. Eu tentava me livrar disso, mas ela não deixava. Agora, sou obrigado a escovar meus dentes, mesmo sem me lembrar da minha mãe, porque eu me acostumei a isso.

Isto implica que nós podemos criar hábitos que vão literalmente se tornar inatos e não vão exigir nenhum esforço da nossa parte fazê-los. Pelo contrário, será difícil não fazê-los, porque eles se tornaram parte da nossa natureza. Tudo isso vem das ações que estamos constantemente repetindo até que elas se tornem hábitos.

Como funciona esta lei dos hábitos se transformarem numa segunda natureza? Nós recebemos uma força de correção toda vez que nos esforçamos em repetir uma ação tantas vezes, que ela se torna impressa em nós. Esta é a regra segundo a qual o hábito se transforma numa segunda natureza.

É por isso que uma pessoa pode se acostumar a qualquer coisa. Pode também alcançar sentimentos que ela nunca experimentou antes. Desta forma, ela vai se acostumar com a Luz superior que ela nunca sentiu antes. Agora, nós estamos num oceano de Luz, mas quem o percebe? Então, o que nos falta? Nós precisamos nos acostumar a ele.

Nós devemos sempre tentar nos tornar sensíveis à Luz. Onde ela está? Como ela funciona? Você a sente? Ela já está aqui? Ela chega cada vez mais mais perto, e eu quase posso sentir que ela está aqui. O que eu preciso fazer dentro de mim para começar a senti-la? O que eu preciso mudar? O que eu preciso fazer para me tornar mais sensível a ela?

Quando uma pessoa tenta revelar a Luz desta forma, ela começa a fazer perguntas: “Como posso senti-la? Falta-me a qualidade de doação, um pouco mais de sensibilidade para o que existe fora de mim, e assim vou perceber essas vibrações até que a Luz se revele, não temporariamente, mas constantemente”.

Tudo se materializa através do hábito, e é por isso que o nosso trabalho consiste em adquirir hábitos. Todos os conselhos que os Cabalistas nos dão são direcionados para nos habituar a ações relativas aos nossos amigos, a disseminação e o estudo. Por que isso?

Tente sair de sua “besta”. Comece se acostumando com o fato de que você existe fora de si mesmo. Tão logo você realmente adquira essa inclinação, você vai perceber a Luz. Você nunca vai revelá-la dentro de si mesmo, somente fora.

Da 6ª Lição na Convenção de Toronto 18/09/11

Uma Mensagem Carregada

Dr. Michael LaitmanPergunta: Hoje a crise atingiu todos os cantos do mundo e ninguém vê uma solução para ela. Por que não examinamos o sistema econômico de forma análoga ao nosso sistema de educação, e o oferecemos ao mundo?

Resposta: Nós podemos fornecer uma descrição maravilhosa da economia no período da correção final: uma sociedade equilibrada, o consumo dentro dos limites da necessidade razoável, a conservação da natureza e do homem, o desenvolvimento exclusivo de projetos que economizam tempo e energia e benefíciam a saúde das pessoas… Tudo isso é lógico e fácil de teorizar, se você não estiver teorizando sobre a gratificação egoísta, mas sobre a necessidade básica, a harmonia entre nós e a natureza.

Mas como podemos fazer a transição para esta fase? Como podemos explicar isso aos magnatas modernos que, basicamente, são os únicos a decidir o destino do mundo? Eles manipulam os governos, que por sua vez manipulam as pessoas. Então, como podemos apresentar esta meta final a eles? Como podemos dizer-lhes sobre as fases no caminho para isso? Eles vão perguntar: “O que será deixado para nós?”. O que nós vamos dizer-lhes em resposta?

“Vocês vão receber exatamente o mesmo valor que uma dona de casa normal, e seus bilhões serão devolvidos às necessidades da natureza a fim de corrigir a bagunça que vocês fizeram por proliferar o consumo excessivo no mundo. Além disso, vocês poderão desfrutar interna e espiritualmente. Vocês deixarão de ser ‘os maiores galos do galinheiro”, orgulhosamente desfilando nos poleiros. Vocês vão amadurecer e isso vai deixar de lhes dar prazer. Pelo contrário, vai evocar desprezo. Vocês serão satifeitos com a conquista de um nível mais elevado”.

Será que você será capaz de explicar tudo isso a um magnata, de modo que ele seja seduzido pela idéia da vida eterna, perfeita? Será que ele desejará entrar na eternidade da própria natureza, juntar-se a ela e revelar nela um nível mais elevado de existência?… “Você vai viver lá como um magnata respeitável. Mesmo quando o corpo animal morre, ele não é realmente você. Afinal de contas, você vai se tornar humano, no sentido verdadeiro, espiritual…”.

Isso só funciona para pessoas refinadas, enquanto que outras podem entendê-la agora mesmo. É por isso que hoje nós estamos disseminando a força da garantia mútua para o mundo inteiro, e não estamos abordando os magnatas, mas o povo. “Para nós vale a pena nos aproximar um do outro de modo que a vida fique melhor”. Entretanto, com uma visão no futuro, nós injetamos Luz nessas pessoas, a força da união. Uma vez que elas são preenchidas por esta força, elas começam a entender mais e concordar conosco, vendo um benefício real na garantia mútua. É assim que elas avançam.

O caminho para o coração não é através da mente. Você não consegue persuadir a sua mente com isso, porque ela corresponde ao nível do desejo que ela serve. A mente nunca pode elevar-se acima do desejo. Enganados pelas ilusões, nós podemos olhar para baixo em nosso ser animal, mas a mente parece ser o ápice da criação para nós. No entanto, na realidade, nossa mente é ainda menor do que o desejo animal, sendo um simples servo dele.

Portanto, a única oportunidade que temos é a de mudar o desejo das pessoas, o qual só pode mudar sob a influência da Luz. Isto é o que temos de fornecer-lhes. Suas conclusões lógicas por si só não vão ajudar. As pessoas não vão entender você e vão pensar que você é simplesmente um idiota ou um místico, ou, na melhor das hipóteses, um cara legal sonhando com paz e amor no planeta.

Só há uma solução: unir-nos e dar às pessoas a força da união. Apenas isso irá elevá-las a um novo nível de compreensão, percepção e concordância conosco. Além disso, mais tarde, uma vez que elas concordarem, elas vão perceber que vale a pena nos seguir, porque não conseguem entender plenamente a nossa mensagem. Ao adquirir a força da união, elas se elevarão a um nível onde ficará claro que elas têm que se segurar em nós, como está escrito na Torá: Eles vão “agarrar suas roupas”, ou seja, a vestimenta, os vasos externos, e dirão: “Leve-nos lá!”.

Obviamente, você está certo quando diz que devemos falar um pouco sobre a economia, a educação e o mundo do futuro, para não afastar as pessoas no início. Mas a coisa mais importante é transmitir-lhes sa força de união . Esta é a disseminação. Na Introdução ao Panim Meirot UMasbirot, o Baal HaSulam escreve que quando os filhos de Israel forem preenchidos com esta força de união, ela será derramada deles para todos os outros. Nós precisamos estar prontos para receber essa força e, depois, ela realmente vai se espalhar para as pessoas, que serão receptivas à influência da Luz de Hassadim, entregando-se a ela de todo coração.

Da lição em 24/10/11