Textos arquivados em ''

Uma impressão do negativo das Trevas

A dificuldade reside no fato de que uma pessoa tem que começar a sentir a necessidade de voltar para o meio ambiente e pedir a grandeza do objetivo, caso contrário, ela não vai realiza-lo. Esse ato é considerado como”Lo Lishma” (não pelo seu nome) por onde tudo começa.

Uma pessoa quer atingir o mundo espiritual e, não tendo outra opção, se volta para o meio ambiente e busca nele a grandeza do objetivo, se não, ela vai se retirar da meta para o bem. Então ela começa a receber todos os tipos de impressões a partir dessa grandeza, embora ela primeiro a viva egoisticamente e não sente a necessidade do ambiente em si, exceto para o objetivo. Uma pessoa que só quer usar o ambiente para alcançar a meta e por enquanto não tem ligação antiga com o último.

[Leia mais →]

As reuniões recentes da UNESCO e da ONU

Nos últimos dias, temos estabelecido uma relação ativa com as Nações Unidas, em particular, a UNESCO, através de atividades em Paris, Moscou e Nova York.

Poucos dias atrás, eu estava numa reunião face-a-face na França, com a Diretora-Geral da UNESCO, a Sra. Irina Bokova. Na minha qualidade de presidente e fundador do Instituto de Pesquisa Ashlag (IRA), juntamente com a nossa delegação, que apresentou sua proposta de uma educação integral e global novo método que implementa as regras de um mundo interdependente e integrado electrónico. Junto comigo estavam Rachel Laitman, Norma Livne, Leonid Makaron e Seth Bogner, como membros do conselho da ARI. Mrs. Bokova foi muito receptiva aos nossos princípios de um sistema de educação global para preparar novos filhos atualmente e os jovens para uma vida plena em um mundo altamente dinâmico e global.

[INICIAR SLIDEESHOW – IMAGENS]

Após o encontro, recebemos um convite especial para participar da apresentação da Unesco anual da avaliação “Educação para Todos – Relatório de Monitoramento Global”. O evento aconteceu em Março de 2011, na Universidade de Columbia em NY.

Nossos delegados, Seth Bogner, Rachel Laitman e Norma Livne tiveram a oportunidade de expressar nossos pontos de vista para uma melhor educação, juntamente com o embaixador israelita na ONU, Meron Reuben streghten e também os contatos com a Diretora Geral da Unesco, a Sra. Irina Bokova. O evento foi liderado pelo secretario geral e diretor executivo da secretaria da Mulher da ONU, Sra. Michelle Bachelete.

Em Moscou, Ylia Vinokur, Leonid Makaron, Anatoly Ulianov, e Leonid Elizarov, como representantes do IRA, tiveram um papel ativo na Unesco na conferência “Participação dos Jovens nas Transformações Sociais: Iniciativas e participação”. Nossos materiais serão publicados no resumo do evento e as atividades futuras têm sido discutidas.

Em 11 de março, nossos representantes do ARI, Leonid Makaron e Seth Bogner participaram da conferência “Construção da Paz: Reconciliação através da Educação, Ciências, Cultura e Comunicação”, na sede das Nações Unidas em Nova York.

O Fórum foi aberto pelo Secretário -Geral, Ban Ki Moon e Director Geral da Unesco. O Alto Painel sobre a Paz e Diálogo entre Culturas, incluiu também: o príncipe Turki Al Faisal, da Arábia Saudita, ganhador do Prêmio Nobel em Fisiologia, Günter Blobel, e outras personalidades internacionais.

Os resultados positivos de todas essas atividades marcam o início de um processo contínuo de colaboração mútua no campo da educação por causa de uma humanidade melhor.

[38309]

A Origem da Liberdade

Pergunta: A maioria das pessoas ficam horrorizados com a idéia de não ter livre arbítrio no nosso mundo. Como devemos abordá-las?

Resposta: Isso é verdade, pois se não há livre-arbítrio, nenhuma pessoa quer. Eae não é uma pessoa, mas um brinquedo mecânico, uma marionete controlada por cordas. E não importa que inclui você também: Uma pessoa que vê nela a sua atitude para com ela. Você, de certa forma, discute a sua própria não-existência. Afinal, eu só existo se eu tenho livre-arbítrio, uma opinião pessoal e realizar ações autônomas.

Mas nós estamos falando sobre o sistema onipotente da natureza, onde tudo é regido por leis absolutas. Mesmo se não trouxermos a sabedoria da Cabala para pensar logicamente, onde a liberdade pode aparecer neste mundo? De uma perspectiva global, o que é liberdade? São ações espontâneas aparentemente, ainda que não seja o caso? Ou será que são alguns desejos repentinos que, na verdade, são condicionados pela força da vida?

[Leia mais →]

Pensamentos de liberdade são mentiras sobre mentiras

De “Os Princípios da Educação Global”: Mesmo quando começamos a vida adultoa, independente, a nossa percepção do mundo é um produto acabado, composto por três componentes: a nossa “matéria” (características genéticas individuais e inclinações) e dois fatores que formam essa matéria em seu próprio caminho: a educação que recebemos e da influência do meio ambiente. Nenhum de nós tem livre arbítrio, nem na decisão nem na avaliação de qualquer coisa na vida.

A questão é até que ponto estamos conscientes disso. Não percebemos que estamos presos na rede de forças? Não somos livres em pensamento ou intenção. Nós não temos liberdade, mesmo a compreensão deste fato. Começamos a reconhecer a falta de vontade por falta de esperança. Não é nem bom nem ruim, já que estamos falando sobre a natureza. Mas o que exatamente podemos descobrir fora dela?

[Leia mais →]

Purim: O Fim Da Correção

Geralmente é costume de diferentes nações celebrar feriados como uma forma de honrar certos eventos históricos que aconteceram neste mundo. Mas já que a nação de Israel se separou das outras para realizar uma missão especial, para concluir a correção da natureza humana sobre si mesma e então para toda a humanidade, seu feriado, então, tem um significado especial : O pergaminho (Megilat) de Ester, que foi dedicado a Purim e que fala sobre Mordechai, o rei Ahashverosh, e a Rainha Ester, que salvou os judeus da destruição após o mau Haman planejar sua morte, realmetne explica como obter tal objetivo. è por isso que está escrito que todos os feriados serão cancelados no futuro com a exceção do de Purim porque em tal feriado, naquele nível, a Luz Brilha e inclui todos os níveis prévios.

[Leia mais →]

Haman e a Sua Família

Pergunta: O feriado de Purim simboliza a oposição de duas forças: Mordechai e Haman. Então, por que somos “estimulados” a ficar tão bêbados nesse dia que não podemos dizer a diferença entre Haman e Mordechai?

Resposta: Isso acontece após a análise em que você usa todos os Kelim, quando tudo já está bem claro. Você pendurou Haman e seus dez filhos em uma árvore, ou, em outras palavras, na cauda da letra Kuf (ק). A iluminação não vem mais debaixo do Tabur, a fim de dar vida às forças impuras (Klipot). Não há Klipot se você tenha destruír todas as intenções egoístas. [Leia mais →]

O Feriado luminoso de Purim

Estamos dentro de uma tela em que as nossas qualidades são retratadas. E se elas são egoístas, então, nesse sentido, são retratadas antes do nosso desejo vegetal, animal, humano e níveis (0, 1 e 2, para desfrutar do inanimado, 3, e 4). Assim, os vemos como o mundo ao nosso redor. Isso significa que a realidade que vejo, sinto, e em que eu vivo é uma marca ou a reflexão dos desejos e pensamentos que estão dentro de mim.

Se para além do meu carácter geral, as qualidades de recepção, eu também adquiro uma segunda natureza, a qualidade de doação, em seguida, como numa tela de computador eu revelo mais uma janela em que eu vejo a parte superior do mundo – a força da minha alma. Agora, eu reconheço que o que eu vejo na primeira janela é uma projeção das minhas forças de recepção, enquanto na segunda janela, retrata a forma da minha unificação com outras pessoas em prol da doação.

[Leia mais →]