O Cronômetro Continua Seu Tique-Taque

Todas as manhãs, antes da aula, nós nos levantamos novamente em nossos pés e começamos com uma ardósia limpa. A mesma coisa pode acontecer também ao longo do dia. Está escrito: “Deixe as coisas velhas que você já ouviu serem novas para você todos os dias”. A pessoa deve sempre sentir que ela é uma nova criação, sempre e estabelecer contato, a partir do trabalho espiritual, e chegar mais perto do Criador.

Toda vez que ela faz essa renovação, ela percebe o Reshimot, até que ela adquira uma quantidade suficiente deles. Esse número não é conhecido com antecedência, mas o cronômetro está passando e as rodas estão girando, mudando os números após o ponto, e em algum momento a roda principal do lado esquerdo vai saltar de um número para o próximo.

A mesma coisa nos acontece. É por isso que a cada momento precisamos renovar a conexão, a intenção, e a aspiração para o objetivo. Está escrito: “O final da ação situa-se no pensamento inicial”. Eu já devo manter o objetivo em mente agora, que eu espero chegar no final. Para onde vou? O que eu quero exatamente? Cada vez eu devo imaginar isso de novo, mas mais precisamente, de forma clara, palpável e perceptível.

Na meta final, todas as minhas esperanças, os esforços, desejos e decepções se juntam, fundem-se num, e são preenchidos. Meu trabalho é concluído no momento do contato final, o ponto que é chamado de “queda da unidade.” Nela, eu, e minha realidade inteira perceptível, e o Criador (a qualidade de doação, a Força Superior), todos se tornam um inteiro. Este é o estado que eu já devo imaginar agora.

Baal HaSulam coloca desta forma: Uma pessoa deve aspirar à unidade de Israel, a Torá e o Criador. Diga-o como quiser. A coisa mais importante para nós fazermos é pensar sobre o ponto final da unidade. Quanto mais claramente eu imagino isso no meu sentimento e mente, mais alegria isto deve dar-me. Então eu vou, sem dúvida, perceber o atual Reshimo e, sucessivamente, avançar em direção ao final da ação.

Da 1a. da Lição Diária de Cabala de 12/12/10, O Zohar

Material Relacionado:
Eu Existo ou Não?
Nossa Ajuda Para o Mundo

Todas as manhãs, antes da aula, nós nos levantamos novamente em nossos pés e começamos com uma ardósia limpa. A mesma coisa pode acontecer também ao longo do dia. Está escrito: “Deixe as coisas velhas que você já ouviu serem novas para você todos os dias”. A pessoa deve sempre sentir que ela é uma nova criação, sempre e estabelecer contato, a partir do trabalho espiritual, e chegar mais perto do Criador.

Toda vez que ela faz essa renovação, ela percebe o Reshimot, até que ela adquira uma quantidade suficiente deles. Esse número não é conhecido com antecedência, mas o cronômetro está passando e as rodas estão girando, mudando os números após o ponto, e em algum momento a roda principal do lado esquerdo vai saltar de um número para o próximo.

A mesma coisa nos acontece. É por isso que a cada momento precisamos renovar a conexão, a intenção, e a aspiração para o objetivo. Está escrito: “O final da ação situa-se no pensamento inicial”.  Eu já devo manter o objetivo em mente agora, que eu espero chegar no final. Para onde vou? O que eu quero exatamente? Cada vez eu devo imaginar isso de novo, mas mais precisamente, de forma clara, palpável e perceptível.

Na meta final, todas as minhas esperanças, os esforços, desejos e decepções se juntam, fundem-se num, e são preenchidos. Meu trabalho é concluído no momento do contato final, o ponto que é chamado de “queda da unidade.” Nela, eu, e minha realidade inteira perceptível, e o Criador (a qualidade de doação, a Força Superior), todos se tornam um inteiro. Este é o estado que eu já devo imaginar agora.

Baal HaSulam coloca desta forma: Uma pessoa deve aspirar à unidade de Israel, a Torá e o Criador. Diga-o como quiser. A coisa mais importante para nós fazermos é pensar sobre o ponto final da unidade. Quanto mais claramente eu imagino isso no meu sentimento e mente, mais alegria isto deve dar-me. Então eu vou, sem dúvida, perceber o atual Reshimo e, sucessivamente, avançar em direção ao final da ação.

Da  1a. da Lição Diária de Cabala de 12/12/10,  O Zohar

Todas as manhãs, antes da aula, nós nos levantamos novamente em nossos pés e começamos com uma ardósia limpa. A mesma coisa pode acontecer também ao longo do dia. Está escrito: “Deixe as coisas velhas que você já ouviu serem novas para você todos os dias”. A pessoa deve sempre sentir que ela é uma nova criação, sempre e estabelecer contato, a partir do trabalho espiritual, e chegar mais perto do Criador.

Toda vez que ela faz essa renovação, ela percebe o Reshimot, até que ela adquira uma quantidade suficiente deles. Esse número não é conhecido com antecedência, mas o cronômetro está passando e as rodas estão girando, mudando os números após o ponto, e em algum momento a roda principal do lado esquerdo vai saltar de um número para o próximo.

A mesma coisa nos acontece. É por isso que a cada momento precisamos renovar a conexão, a intenção, e a aspiração para o objetivo. Está escrito: “O final da ação situa-se no pensamento inicial”. Eu já devo manter o objetivo em mente agora, que eu espero chegar no final. Para onde vou? O que eu quero exatamente? Cada vez eu devo imaginar isso de novo, mas mais precisamente, de forma clara, palpável e perceptível.

Na meta final, todas as minhas esperanças, os esforços, desejos e decepções se juntam, fundem-se num, e são preenchidos. Meu trabalho é concluído no momento do contato final, o ponto que é chamado de “queda da unidade.” Nela, eu, e minha realidade inteira perceptível, e o Criador (a qualidade de doação, a Força Superior), todos se tornam um inteiro. Este é o estado que eu já devo imaginar agora.

Baal HaSulam coloca desta forma: Uma pessoa deve aspirar à unidade de Israel, a Torá e o Criador. Diga-o como quiser. A coisa mais importante para nós fazermos é pensar sobre o ponto final da unidade. Quanto mais claramente eu imagino isso no meu sentimento e mente, mais alegria isto deve dar-me. Então eu vou, sem dúvida, perceber o atual Reshimo e, sucessivamente, avançar em direção ao final da ação.

Da 1a. da Lição Diária de Cabala de 12/12/10, O Zohar

Comente