Não Há Almoço De Graça

Dr. Michael LaitmanPergunta: Vale a pena pregar o altuísmo “material” ao mundo como o primeiro estágio da correção?

Resposta: Na disseminação da sabedoria da Cabalá, nós não podemos unir esforços com os “altruístas”. Na melhor das hipóteses, as organizações de caridade dão aos pobres o que elas conseguiram tirar dos outros: por exemplo, farinha de uma fábrica, tecidos de outra, sapatos de mais outra. Obviamente, isso é ótimo, embora bem poucos estejam fazendo isso. Na maior parte do tempo, isso não vai além de falatório.

Porém, o que é importante entender aqui é que nós não estamos melhorando o mundo com nada disso. De fato, o egoísmo que está destruindodo não se corrige com tais ações. Ao satisfazer os desejos de um egoísta, você o está arruinando. As necessidades dele devem ser atendidas na condição de ele adquira uma profissão e faça algo usando suas mãos ou cérebro.

Uma pessoa tem que trabalhar, produzir algo em troca do sustento que você está dando a ela. De outra forma, você está gerando parasitas, e bilhões de pessoas não querem trabalhar, mas esperam que você as alimente.

E, mais tarde, elas saem às ruas, reclamando que você está reduzindo suas pensões. E não são elas que devem ser culpadas, uma vez que foi você que as criou dessa maneira; você desenvolveu tal atitude nelas.

Os governos europeus criaram os manifestantes que estão se amotinando hoje contra a redução das aposentadorias. Eles disseram claramente: “Não façam nada, e nós iremos pagar vocês por isso”. Em outras palavras, você mesmo cometeu um erro e agora tem que pagar por ele. De fato, quem vai recusar a caridade que se tornou uma norma?

O homem não deveria ser treinado para receber as coisas de mão beijada. Ao fazer isso, nós não levamos em consideração sua natureza egoísta.

O mesmo se aplica às crianças. Elas devem estar cientes de que você sempre lhes dá algo em troca por aquilo que você recebe delas. Você constantemente ensina uma criança a tratar a vida corretamente e a treina para trabalhar com seu egoísmo. Nada é ganho sem um esforço.

É claro que as crianças precisam de uma abordagem especial, mas ela tem que se basear nas mesmas leis. Você lhes dá um doce não porque elas são engraçadinhas, mas depois que elas terminam de resolver um problema de matemática ou de fazer um exercício. De outra forma, você está corrompendo a criança, uma vez que agora ela está esperando ganhar tudo na vida de graça. Como resultado, ela está crescendo como um indivíduo miserável que não sabe como viver.

O pagamento é sempre necessário, entre adultos e entre crianças. Além disso, a pessoa tem que saber a quem está pagando, com o que, e o que se espera dela. Somente então ela irá construir uma atitude correta para com os outros ao seu redor: ela não só recebe algo de fora, mas também dá algo em troca. Assim, gradualmente, a pessoa começa a interagir com toda a criação de forma correta. Então, uma filosofia completamente nova emerge e se forma nela.

Da 4a parte da Lição Diária de Cabalá 26/12/10, “Paz no Mundo”

Comente