A Criação Viva Do Grande Escultor

Dr. Michael LaitmanO Zohar, Capitulo “VaYigash (Então Judá se Aproximou)”, item 129:  Quando os firmamentos e os animais, isto é, a Nukva, são corrigidos para que tudo seja uma Merkava para este homem (ZA), está escrito: “E José preparou sua Merkava [carruagem/estrutura], e subiu para se encontrar com Israel, seu pai, em Goshen”. Este é um Tzadik [justo], Yesod de ZA, chamado “José, o justo” que atou e desatou sua Merkava (a Nukva) com os firmamentos e os animais.

Aqui O Zohar fala sobre o desejo criado pelo Criador, que começa a se assemelhar a Ele, às Suas acções. O Criador é a fonte que mostra o desejo de desfrutar (que Ele criou) Suas acções sobre si. O Criador influencia o desejo de desfrutar numa variedade de maneiras, e, ao percepcionar essas formas, o desejo começa a desenvolver-se a partir delas.

O desejo percepciona as acções do Criador em seis direcções diferentes (quatro direcções do mundo e de cima para baixo) assim como uma variedade de cores, paladares, odores, e assim por diante. Em essência, a Luz que emana do Criador afecta o desejo de desfrutar e ela recebe certas impressões.

Em concordância com as sensações experimentadas, o desejo atribui nomes diferentes a estas impressões e define-as por formas diferentes. Estes fenómenos não existiam fora do desejo de desfrutar, dado que nós somos incapazes de percepcionar alguma coisa fora do nosso desejo. Por exemplo, nós podemos dizer que existe uma simples Luz Circundante; contudo, nós só podemos falar sobre certos fenómenos quando eles já estão dentro do desejo, quando o desejo já os sente de uma maneira ou outra.

O Zohar explica a estrutura dos sistemas, isto é, ele esclarece como o desejo de desfrutar é impressionado pela Luz e como isto determina a estrutura do desejo. Cada vez que o desejo recebe uma impressão da Luz, ele adquire uma forma especifica, que é como a Luz deixa várias impressões nele. O desejo de desfrutar é como uma escultura viva com uma infinidade de formas internas e externas, e sistemas.

É por isso que a criatura representa um sistema extremamente complexo que se origina da influência da Luz sobre ela. A influência directa do Criador sobre a criatura significa que a criatura atravessa todas as Suas acções e adquire formas em concordância com o sistema “de Cima para baixo,” isto é, directamente do Criador.

Há também uma acção oposta quando a criatura diz: “Pára! Daqui em diante eu irei operar o sistema por mim mesmo. Eu quero ser similar a Ti. Já chega. Eu já recebi todas as impressões e Reshimot, e agora eu quero trabalhar independentemente . Eu quero operar o sistema que Tu imprimiste em mim, da maneira que Tu o fizeste. Eu quero tornar-me tão doadora como Tu és. Eu quero doar a Ti!” , Isto é chamado de “trabalho de baixo para Cima”.

Da Lição Noturna do Zohar 09/06/10

Comente