Por Trás das Palavras do Livro do Zohar

Quando nós lemos O Livro do Zohar, nós não só tentamos imaginar nossos desejos internos e qualidades por trás de todas as palavras, nós também tentamos ver uma Força Superior cuja presença permeia todas essas definições internas. Essa Força Superior deseja que a revelemos dessa forma.

Existem três dimensões aqui:

1. Eu – o único que sente, lê, e entende essas palavras de uma forma simples;
2. As palavras que eu desejo imaginar na forma de minhas forças e qualidades interiores;
3. A Força Superior que se oculta por trás dessas forças, e as quais eu tento penetrar tentando interpretá-las corretamente.

Como Baal HaSulam diz no artigo “Tu Me Cercaste Por Detrás E Por Adiante”, sem levar em consideração se da pessoa está num estado de revelação ou ocultação e o que ela sente e imagina em cada momento, todos seus esforços estão direcionados para a revelação de uma única força – O Criador. Essa é a força que nos governa constantemente.

No entanto, Ele deseja ser revelado por mim através de meus esforços de me tornar semelhante a Ele, isto é, de acordo com a semelhança de qualidades. Por isso Ele age dessa forma.

Assim sendo, O Livro do Zohar é a coleção de exercícios que, começando desde a primeira palavra, nós precisamos executar continuamente. Nós então começamos a perceber todas essas palavras no nível sensorial mais do que com a mente, fazendo com que ele não seja tão difícil de ser penetrado. O texto começa a se tornar claro para nós através de formas e combinações de letras, e nós não precisamos “pensar” sobre isso.

É desta mesma maneira que uma criancinha aprende. Ela não pensa sobre porque as coisas são chamadas disso ou daquilo em particular ou porque ela as imagina e reconhece dessa maneira. Isso está claro para ela. Nós somos assim também. No entanto, além do fato que tentamos reconhecer alguma qualidade interna nossa atrás de cada palavra, nós também precisamos ver a meta por trás dela – a mesma força que nos sustenta, através disso nos dando uma oportunidade de revelar essa força.

Isso se parece muito com um adulto brincando com uma criança. O Criador brinca conosco dessa maneira também. Ele nos dá certos exercícios e depende de nós executá-los com sucesso. O sistema existe. A lei está estabelecida e não pode ser violada.

Assim, precisamos tentar ver uma única força – O Criador, através de todas as palavras que lemos no Livro do Zohar. E apesar de estarmos lendo sobre diferentes forças que são estranhas, opostas umas às outras, bem e mal, precisamos reconhecer que uma só força existe por trás delas: a força que é boa e faz o bem, que controla tudo somente para nosso benefício, para nos atrair para perto da meta.

Comente